Pelo quinto domingo de lutas, torcidas organizadas de times de futebol realizam protestos antifascistas no País. Em Brasília, trabalhadores da União clamaram pelo fim do congelamento salarial ao qual estão submetidos há mais de três anos

Centenas de cidadãos e cidadãs protestaram neste domingo, 21/6, contra o governo do presidente Jair Bolsonaro, criticado pelo autoritarismo, pela ausência de comprometimento na batalha contra o novo coronavírus, pelo desmonte de políticas de Estado históricas e pelo retrocesso de direitos. Em Brasília, Condsef/Fenadsef e Sindsep-DF se somaram ao ato convocado pelas torcidas organizadas de futebol e marcharam na Esplanada dos Ministérios reivindicando respeito às instituições democráticas. O respeito ao serviço público federal e aos trabalhadores da União foi a bandeira dos servidores.

Com salários congelados há mais de três anos, a categoria pode ficar sem reajuste dos vencimentos até dezembro de 2021, caso o veto presidencial para auxílio emergencial a Estados e Municípios não seja derrubado pelo Congresso Nacional. Na sexta-feira, 19, Condsef/Fenadsef divulgou carta a parlamentares, solicitando apoio aos trabalhadores que atuam na linha de frente do combate à pandemia e apontando 8 caminhos possíveis e justos para superação das crises sanitária e econômica no Brasil.

“Hoje é um dia importantíssimo, dia de reivindicar a permanência da democracia no nosso Brasil. Não é possível que a tragédia continue. Mais de 1 milhão de pessoas contaminadas, isso sem contar a subnotificação, e o presidente Bolsonaro segue fazendo chacota com o povo brasileiro. Hoje é dia para dizer a essa turma do Palácio do Planalto, tutelado pelos militares, que basta!”, comentou o Secretário-geral da Condsef/Fenadsef, Sérgio Ronaldo da Silva. Para o Secretário-geral do Sindsep-DF, Oton Pereira Neves, os servidores aderiram ao protesto respeitando as medidas de distanciamento social e proteção contra a Covid-19. “Nós estamos nas ruas para pedir o fim do governo Bolsonaro. Estamos aqui pela democracia, por nossos direitos. Fora, Bolsonaro e Mourão”, declarou durante a concentração.

De acordo com os organizadores, este é o quinto domingo de lutas e mais de 18 estados brasileiros aderiram ao movimento antifascista. “Se torcedores e torcedoras estão saindo às ruas no nosso País, é porque algo grave está acontecendo nas periferias, porque é de lá que saímos”, afirmou um torcedor. “A nossa intenção é que todos os movimentos sociais se aglutinem nessa luta. Este é o início de uma grande batalha. Queremos levar as demandas dos movimentos sociais para as arquibancadas do nosso País e não vamos parar. Esse governo vai cair”, complementou.

Fonte: Condsef/Fenadsef