.

Desde que o golpe se concretizou, os direitos da classe trabalhadora estão sendo atropelados a uma velocidade nunca vista. Sintsep-GO conclama servidores a participarem de paralisação geral nesta sexta-feira, dia 11, às 8h30, em frente a sede do Ministério da Saúde, na Praça Cívica (Rua 82 esquina com Av. 83). Contra a retirada de direitos promovidas pelo golpista Michel Temer!

As centrais sindicais, juntamente com as Frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo e Frente de Esquerda, convocaram toda a classe trabalhadora para um Dia Nacional de Greve nesta sexta-feira (11). A expectativa é de união dos trabalhadores e trabalhadoras contra um governo que tem em sua gênese um golpe parlamentar e que se desdobra numa sanha insaciável de derrubar direitos e pulverizar conquistas sociais e trabalhistas.

Em Goiás estão programadas várias ações. Logo pela manhã, às 8h30, o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal no Estado de Goiás (Sintsep-GO) e o Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde e Previdência Social dos Estados de Goiás e Tocantins (Sintfesp-GO/TO) farão uma mobilização em frente ao Ministério da Saúde, na Praça Cívica. De lá seguirão em passeata pela Avenida Goiás até a Praça do Bandeirante, no Centro de Goiânia, não sem antes fazer uma parada estratégica em frente ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

À tarde, o bicho vai pegar na esquina das Avenidas Anhanguera e Tocantins. Às 17 horas haverá um grande ato político com atrações culturais. Tanto o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego) quanto o Sindicato dos Trabalhadores no Sistema Único de Saúde de Goiás (Sindsaúde), que estão realizando, respectivamente, seus 10º e 7º Congressos Estaduais, já avisaram que vão interromper a programação para participar desse ato.

Não faltam motivos para que neste dia 11 de novembro a classe trabalhadora se una e cruze os braços diante de tantos ataques aos direitos conquistados nas últimas décadas. Confira alguns:

PEC 241/PEC 55
Aprovada no último dia 25 de outubro, a PEC 241, que no Senado será PEC 55/2016, prevê o congelamento em investimentos públicos para os próximos 20 anos. A medida irá interferir diretamente nas verbas destinadas à Saúde e Educação, já que os repasses de verbas serão reajustados apenas de acordo com a inflação. Durante os governos de Lula e Dilma, o reajuste era feito acima da inflação.

Pré-Sal
A aprovação do PL 4567/2016, altera o papel da Petrobrás na exploração do pré-sal. Além de não ser mais operadora única, também não terá direito ao mínimo de 30% da produção, conforme previa lei aprovada durante o governo Lula. Com o argumento de adequar a empresa a suas dívidas e abrir o mercado a novos investidores, a medida pode trazer estragos gigantescos a toda uma cadeia produtiva, prejudicar o desenvolvimento tecnológico e ainda fazer do país mero exportador de matéria-prima.

Reforma da Previdência
Uma das medidas anunciadas como prioridade por Temer, a Reforma da Previdência deve aumentar a idade mínima de aposentadoria para 65 anos e igualar a idade entre homens e mulheres e entre trabalhadores do campo e da cidade. Outra medida que pode prejudicar as aposentadas e aposentados, é que a proposta de Temer prevê a vinculação dos benefícios da previdência aos reajustes de salários mínimos.

Terceirização
O PL 4330, que foi aprovado na Câmara e tramita no Senado como PLC 30, prevê a terceirização da atividade-fim nas empresas. Se aprovado também pelos senadores, o projeto autoriza a precarização do trabalho e pode significar a extinção da CLT. Além disso, o contratante fica livre de responsabilidades quanto ao não cumprimento de leis trabalhistas.

Corrupção
Quando assumiu, Temer fez questão de discursar contra a corrupção. Porém, desde que assumiu, em maio deste ano, três ministros de seu governo foram afastados por suspeita de envolvimento em corrupção: Romero Jucá (Planejamento), Fabiano Silveira (Transparência, Fiscalização e Controle) e Henrique Alves (Turismo). Além disso, o presidente retirou o caráter de urgência da tramitação do pacote de medidas anti-corrupção, que foi elaborado pela equipe de Dilma Rousseff e enviado ao Congresso.

Sintsep-GO com Cut Goiás