Foi realizada nesta sexta-feira, 11 de janeiro, a primeira plenária do ano dos delegados sindicais de base do Sintsep-GO, bem como a Assembleia-geral Ordinária que elegeu os integrantes da Comissão Eleitoral, responsável por conduzir as eleições da entidade para a Direção Executiva e Conselho Fiscal no triênio 2019/2022.

A principal temática da plenária girou em torno do enfrentamento das medidas do governo Bolsonaro, que ameaça o setor público brasileiro e seus servidores. O presidente do Sintsep-GO, Ademar Rodrigues, destacou que o servidor público brasileiro “nunca sofreu um ataque tão brutal por parte do nosso patrão, que é o governo”. E complementou, “vocês estão tendo direito de se aposentar, mas e os filhos de vocês?”, considerando medidas que estão sendo estudadas pela equipe de Bolsonaro relativas à reforma da previdência.

Gilberto Jorge, secretário-geral do Sintsep-GO e diretor da Condsef, fez os informes nacionais e a análise de conjuntura. Segundo ele, dentre as principais medidas a serem tomadas pelos sindicatos – considerando o conjunto dos servidores públicos federais no país – estão o debate e o combate às contrarreformas do governo; a participação na Plenária da Condsef, em fevereiro, que irá definir e ratificar a pauta de reivindicações para 2019. “A ideia é que nós vamos estabelecer a 2ª quinzena de março como período de mobilização da categoria. Nós queremos ser recebidos pelo governo para apresentar nossa pauta”, afirmou Gilberto.

Além das questões pontuadas pelo secretário-geral, foi aprovada pela plenária a participação do Sintsep-GO em um seminário local, junto com os movimentos sociais, que irá debater as mudanças propostas pelo atual governo nas políticas públicas.

Insalubridade
Com o novo módulo implantado pelo antigo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, foram suspensos todos os pagamentos de insalubridade, em todo o país, para os servidores cujos laudos não estão adequados ao novo modelo. Essa medida atingiu grande parte dos servidores de Goiás que estão à disposição dos municípios, já que aqueles que estão à disposição do Estado ou estão lotados em órgãos federais possuem o laudo atualizado. “Neste sentido, o sindicato está trabalho junto aos órgãos em Goiás, especialmente o Ministério da Saúde, para que o MS providencie médicos para fazerem os laudos, no caso dos municípios que não conseguirem fazê-lo”, explicou Ademar. “Se não resolvermos administrativamente, vamos para a Justiça”, complementou.

A chefe de recursos humanos do MS, Marli Sorel, esclareceu que já foram enviados ofícios aos municípios e está aguardando retorno, para averiguar em quantos municípios e de que forma o Ministério terá que agir para que os servidores não sejam prejudicados. “Vamos procurar parcerias com o Estado, com a Polícia Militar, para fornecimento dos laudos por médicos do trabalho. Caso não encontremos, vamos contratar uma empresa para fazer isso”, elucidou.

Comissão Eleitoral
Com primeira chamada realizada às 11h40 e segunda chamada às 12h10, o secretário-geral do Sintsep-GO, Gilberto Jorge e a Diretora de Articulação e Movimentos Populares e Estudantis, Dulce Costa Oliveira, abriram a assembleia-geral ordinária, para eleger a comissão eleitoral que irá conduzir o processo de eleição da entidade para o triênio 2019/2022.

Apenas uma chapa se inscreveu para o pleito, tendo sido eleita por maioria absoluta de votos, com duas abstenções. A chapa, presidida por Leonel Mateus Lúcio, além dele é formada por: Dilson de Almeida Sérgio, Raimundo Rodrigues Pereira, Francisco Ferreira de Souza e Maria Leci Ribeiro de Oliveira, tendo por suplentes  Geminiano Santana dos Santos, Maria Amélia Silva e Vitalina de Fátima Lopes.