.

Servidores protestaram, entre outras medidas, contra o contingenciamento de gastos públicos pelo período de 20 anos (EC 95), a terceirização irrestrita, a reforma trabalhista e a proposta de reforma da Previdência

Servidores públicos federais da base do Sintsep-GO (federais no estado de Goiás), do Sintfesp GO/TO (previdência e parte da Saúde) e do SINTifesgo (UFG, IFGs e IFgoiano) promoveram na manhã desta quarta-feira, 16, ato em Defesa da Saúde e da Previdência, contra as reformas do governo Temer e o desmonte do serviço público. Os servidores protestaram, entre outras medidas, contra o contingenciamento de gastos públicos pelo período de 20 anos (EC 95), a terceirização irrestrita, a reforma trabalhista e a proposta de reforma da Previdência. Clique para onferir as fotos do ato e a transmissão ao vivo de parte da manifestação.

“Estamos aqui em defesa do trabalhador brasileiro, de você que está passando de carro, de moto, a pé… que é servidor público ou empregado da iniciativa privada. As reformas do governo golpista estão tirando os seus, os meus, os nossos direitos. Não temos como dormir com a consciência tranquila se deixarmos eles fazerem isso com o Brasil, com nossos filhos e netos que, provavelmente, não vão se aposentar, não terão emprego, nem dignidade”, afirmou o presidente do Sintsep-GO, Ademar Rodrigues.

O presidente da CUT-GO, Mauro Rubem, fez questão de denunciar, em sua fala, a atitude dos deputados federais goianos que foram comprados pelo presidente de República – por meio de emendas parlamentares – e que, por isso, votam contra os trabalhadores, contra a população brasileira, a favor daqueles que lucram com a desvalorização e a precarização da força de trabalho. “As reformas vão ajudar apenas os banqueiros, os grandes empresários, que estão rindo para as paredes. Para eles, o governo está ótimo! Quanto menos o trabalhador ganhar, quanto maior o desemprego, melhor para eles, pois poderão pagar menores salários e terão mão-de-obra sobrando. Estamos voltando, vagarosamente, à época da escravidão, porque hoje muitas pessoas já trabalham apenas em troca de comida e sobrevivência. O governo faz propaganda dizendo que a inflação está baixa, mas o salário só nos permite a sobrevivência. Que retomada de crescimento é essa? Para quem?”, questionou o presidente.

Durante o ato, os trabalhadores distribuíram um jornal para os motoristas e pedestres que transitavam no anel externo da Praça Cívica, em frente ao Ministério da Saúde/Funasa, local onde foi realizada a atividade. Ao término, os dirigentes das entidades sindicais foram até a unidade do INSS no Centro de Goiânia, em frente ao Grande Hotel, para apoiar a paralisação dos servidores daquele órgão, em virtude do contingenciamento de recursos anunciado hoje (16), pelo governo, em mídia nacional.

Além da direção do Sintsep-GO, participaram do ato integrantes do SINTifes, Sintfesp GO/TO, CNTSS, CUT-GO e CTB.