.

Semana tem reuniões no Planejamento, encontro de Comunicação da Condsef e luta contra PL das terceirizações

Após esta terça-feira, 21, que marca o feriado da Inconfidência Mineira e o aniversário de Brasília, a Condsef se prepara para reuniões na Secretaria de Relações do Trabalho (SRT) do Ministério do Planejamento na quinta, 23, e na sexta, 24. Na pauta das reuniões vão estar os eixos da campanha salarial unificada dos federais, além de demandas da maioria dos servidores do Executivo. As reuniões acontecem logo em seguida a declarações do ministro Nelson Barbosa sobre a intenção de limitar investimentos com servidores que não foram bem recebidas pela categoria. Esclarecimentos devem ser cobrados com relação a esta situação que envolve o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016. Na quinta, a Condsef também participa de reunião com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananinas.

Nos dias 23, 24 e 25 a Condsef recebe representantes das diretorias e assessorias de imprensa para seu IV Encontro de Comunicação. Também essa semana a Condsef participa de atos de mobilização contra o PL 4330/04 que propõe a fragilização das relações de trabalho por meio da terceirização. O projeto deve entrar na pauta no Plenário da Câmara dos Deputados e pode ter pontos polêmicos votados nesta quarta, 22. A Condsef e filiadas também participam de um dia de mobilização pela auditoria cidadã da dívida no dia 29 de abril em frente às sedes do Banco Central em todo o Brasil, além de fazer parte das atividades nacionais de protesto e em defesa de direitos que vão acontecer no dia 1º de maio, dia do trabalhador.

No calendário de mobilização aprovado por unanimidade pela base da Condsef está a realização de assembleias nos locais de trabalho em todo o Brasil. Uma nova plenária já está agendada para o dia 30 de maio quando o indicativo de greve da 1ª quinzena de junho será votado. O objetivo é manter a categoria mobilizada e atenta caso as negociações ao longo dos próximos meses não rendam os avanços esperados. Ainda que apostando no caminho do diálogo e depositando confiança num processo de negociações que busque consensos entre itens da pauta de reivindicações dos servidores federias, a Condsef alerta toda a categoria que a mobilização em torno de suas principais demandas se faz essencial.

A necessidade de deflagração de uma greve deve permear todos os debates feitos junto aos servidores já que estes recados que vem sendo dados pelo governo levam a crer que o avanço no processo de negociações pode ser comprometido pela intenção do governo de reduzir aquilo que parece sequer existir: previsão orçamentária para investir no setor público.

Frente às dificuldades já apresentadas, é fundamental garantir o reforço na luta em defesa de avanços e pelo atendimento das demandas mais urgentes dos federais. “Precisamos de unidade para garantir negociações de fato e assegurar que servidores não sejam iludidos com o discurso do diálogo permanente”, pontuou Sérgio Ronaldo da Silva, secretário-geral da Condsef. “Precisamos dar uma resposta efetiva ao governo de que não vamos aceitar a imposição da culpa pela crise que não criamos e estamos lutando para combater”, acrescentou.

Sintsep-GO com Condsef