direcao do sintsep go realiza giro pelo interior



.

Objetivo das viagens é levar informes aos filiados de toda a base do sindicato, bem como promover o diálogo referente às questões de interesse dos sindicalizados como o convênio firmado entre o Sintsep-GO e o plano de Saúde América

Desde o dia 19 de março, a direção do Sintsep-GO colocou “o pé na estrada” e visita companheiros de toda a base levando notícias e informes sindicais e jurídicos aos companheiros filiados à entidade.

“Desta vez, além das negociações com o governo e as questões pertinentes à vida funcional do servidor, estamos explicando em detalhes o convênio celebrado entre o Sintsep-GO e o plano de Saúde América, que representa mais uma opção para o servidor, além do Capesaúde, da Geap e dos demais planos comerciais disponíveis”, explica o presidente Ademar Rodrigues.

A primeira rota, já realizada entre os dias 19 e 23 de março, englobou os municípios de Goianésia, Niquelândia, Uruaçu, Porangatu, Mara Rosa, Nova Glória, Rubiataba, Ceres e Jaraguá.

A segunda rota teve início nesta segunda-feira, 26, e inclui as cidades de Silvânia, Luziânia, Formosa (foto), Simolândia, Posse, São Domingos (28/03 às 15h) e Campos Belos (29/03 às 8h).

A terceira rota terá início a partir do dia 2 de abril e incluirá Inhumas e Cidade de Goiás (2/04 às 10h e 16 horas respectivamente), Itapirapuã (3/04 às 8h), Jussara (3/04 às 15h), São Luís de Montes Belos e Iporá (4/04 às 8h e 13h30 respectivamente), Aragarças e Piranhas (5/04 às 8h e 15 horas respectivamente) e, por fim, Caiapônia, no dia 6 de abril, às 8h30.

A quarta rota inicia a partir de Santa Helena, no dia 9 de abril. Segue por Quirinópolis e São Simão no dia 10; Jataí e Mineiros no dia 11; Rio Verde no dia 12 e Anápolis no dia 13 de abril.

A quinta e última rota terá início no dia 16 de abril, na cidade de Pires do Rio. No dia 17 em Catalão e Caldas Novas; no dia 18 em Morrinhos e Piracanjuba; Pontalina e Goiatuba no dia 19, encerrando em Itumbiara no dia 20 de abril.

Obs.: os municípios que não possuem horário serão confirmados pela direção junto aos contatos em cada cidade.

VEJA MAIS

condsef cobra acordos de setores de sua base pendentes ha mais de 30 anos

.

Desde 2015, quando foram firmados, muitos acordos seguem não atendidos. Todos os mais de 20 termos assinados possuem cláusulas não cumpridas pelo governo

Depois de mais de mais de 2 anos, cerca de 30 meses, sem espaço de diálogo no Ministério do Planejamento, a Condsef/Fenadsef participou nessa terça-feira de uma reunião onde cobrou cumprimento de acordos específicos firmados em 2015 com mais de 20 setores de sua base. Apesar de representantes do governo afirmarem que o canal de diálogo seguirá aberto, a limitação orçamentária provocada pela Emenda Constitucional (EC) 95/16 aparece como entrave para atender pendências.

A necessidade de revogar a emenda que congela investimentos públicos por 20 anos segue urgente. O Planejamento sinalizou a possibilidade de montar um calendário de reuniões onde devem ser discutidas prioridades entre as reivindicações e se comprometeu a entrar em contato para definir uma nova reunião para tratar todos esses temas. Com experiência de canais permanentes de debate, alguns setores têm discussões avançadas sobre temas específicos. São exemplos Saúde, Tecnologia Militar, Cultura, Area Ambiental, entre outros. Esses setores devem ter as primeiras reuniões confirmadas. Hoje a Condsef/Fenadsef esteve também em reuniões na sede da Funai e na Ebserh que debate ACT dos empregados.

Os detalhes de todas essas reuniões e a confirmação de calendários de próximos encontros no Planejamento serão divulgados ainda essa semana e assim que forem confirmadas as reuniões.

Com informações da Condsef

VEJA MAIS

act empregados da conab devem recorrer a mediacao no tst

.

Empregados da Conab devem recorrer à mediação no Tribunal Superior do Trabalho (TST) para tentar dissolver impasses no processo de negociação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2017/2018 da categoria. Ao longo de três dias na semana passada nos dias 20, 21 e 22 representantes da empresa se reuniram com a Comissão Nacional dos Empregados, a Fenadsef, Fisenge e Asnab. A categoria demanda uma reposição de perdas históricas de 3,04% que compreendem o período que vai de 2008 a 2016, um aumento real de 3% e reposição inflacionária. Como referência vale destacar que o IPCA do período relativo a data-base do setor foi de 2,46% e o INPC registrou 1,73%.

Para garantir maior segurança ao cumprimento de funções laborais os empregados também buscam incluir outras cláusulas ao ACT. O governo se apóia na Emenda Constitucional (EC) 95/16, que congela investimentos públicos por 20 anos, para negar as reivindicações e apresenta reajuste zero com nenhuma melhoria nas cláusulas sociais.

No lugar de tentar buscar consensos a Conab optou por propor a retirada de alguns direitos já adquiridos que representam “economia” para a empresa. Como troca aceitaria levar para julgamento no TST o índice de reposição de reajuste. Normalmente o TST se baseia no INPC como indicador (1,73%) para julgamento de dissídios.

Frente ao impasse instalado, o caminho é buscar mediação pré-processo junto ao TST. Não se trata de um dissídio, mas de um processo de mediação. O objetivo é assegurar que nenhuma conquista – social ou econômica – negociada em ACT’s anteriores seja perdida. Mais do que nunca, se faz necessária a mobilização da categoria. Só a unidade será capaz de fortalecer essa nova etapa negocial. É a união de todos que vai garantir a manutenção dos direitos que, a duras penas, foram conquistadas pelos empregados da Conab. Confira aqui a íntegra do relatório das reuniões.

Com informações da Condsef

VEJA MAIS

sintsep go fecha convenio com plano america saude



.

Filiados podem procurar o sindicato para tomar conhecimento das tabelas ou acessar o site do plano (www.americasaude.com.br) e conhecer as especificidades dos planos nas modalidades Safira (enfermaria) e Esmeralda (apartamento)

Dando continuidade às tentativas de ampliar as opções de planos de Saúde a seus filiados, o Sintsep-GO conseguiu formatar junto ao “América Saúde” uma opção que atenda os servidores filiados ao sindicato, nos mesmos parâmetros de um plano de saúde empresarial.

“Embora nossa modalidade de plano, nessa situação, seja por adesão, o Welison nos procurou e nós conseguimos junto à direção da empresa uma tabela empresarial para o Sintsep-GO, com valores mais competitivos que os planos particulares feitos por adesão”, informou Islene Garcia, representante do plano durante a última plenária sindical da entidade.

De acordo com o presidente do Sintsep-GO, Ademar Rodrigues, o Sintsep-GO está apresentando apenas mais uma alternativa a seus filiados. “Nós não estamos querendo que ninguém saia do seu plano de saúde. A ideia é que aquele servidor que não tenha condições de pagar o Capesaúde ou o Geap tenha mais uma opção, com uma tabela mais competitiva que a dos planos atuais e a dos demais planos particulares que são oferecidos”, informou.

Prazo
O prazo para que os servidores interessados formalizem a adesão ao Plano inicia no mês de abril, indo até 15 de maio. No Sintsep-GO, o atendimento para adesões será do dia 2 até o dia 6 abril, das 13 às 18 horas. As demais adesões poderão ser feitas na sede do plano localizada na Rua CP-9, Qd. CP7, Lt. 25, Sala 104, Celina Park (esquina com Av. Milão). “Somos um plano regido pela ANS, um plano de mercado, temos como aproveitar a carência e os valores cobrados são de acordo com a faixa etária”, explicou Islene Garcia.

Os planos disponibilizados ao Sintsep-GO, com valores de tabela empresarial, foram o Safira e Esmeralda (internação em apartamento).

Para exemplificar, ela apresentou os valores para o plano Safira (internação em enfermaria), que possui a seguinte tabela: até 18 anos, R$ 75,00; até 23, R$ 90; até 28, R$ 108; até 33, R$ 129,60; até 38, R$ 142,56; até 43, R$ 156,82; até 48, R$ 180,34; até 53, R$ 234,44; até 58, R$ 304,77 e de 59 anos acima, R$ 411,54.

Para o plano Esmeralda (internação em apartamento), os valores são os seguintes: até 18 anos, R$ 105,00; até 23, R$ 120,75; até 28, R$ 144,90; até 33, R$ 173,88; até 38, R$ 191,27; até 43, R$ 219,96; até 48, R$ 252,95; até 53, R$ 328,84; até 58, R$ 427,49 e de 59 anos acima, R$ 577,11.

O nome técnico do plano, na página da empresa, é “Plano Empresarial com coparticipação A+H+OB”. Todas as consultas possuem coparticipação de R$ 20,00 e os exames possuem coparticipação de R$ 7,00. São dependentes o cônjuge e os filhos até 18 anos (caso estejam fazendo faculdade, até 24 anos). “Há ainda uma taxa de R$ 10,00 cobrada somente uma vez, de cada beneficiário, no ato da adesão” complementa a representante do plano.

A rede credenciada ao Plano América é mais extensa na capital e na região metropolitana de Goiânia, possuindo, no entanto, atendimento em municípios como Aparecida de Goiânia, Anápolis, Anicuns, Bela Vista, Catalão, Ceres, Cidade de Goiás, Goianésia, Inhumas, Iporá, Itaberaí, Itapuranga, Jussara, Mozarlândia, Palmeiras, Paraúna, Porangatu, Senador Canedo, Trindade e Valparaíso de Goiás.

CLIQUE E CONFIRA AQUI A REDE CREDENCIADA EM DETALHES.

“Caso o servidor precise ser atendido em caso de urgência e emergência onde não haja rede credenciada, basta pegar um recibo do pagamento e a justificativa médica do atendimento para que seja ressarcido”, finalizou a representante.

O servidor, para aderir ao plano, deve ser filiado ao Sintsep-GO. Confira a documentação necessária:

1) Comprovante de filiação ao SINTSEP-GO ou último contracheque com desconto para o sindicato;
2) Cópias de Documentos Pessoais RG e CPF (certidão de casamento; certidão de nascimento – para dependentes abaixo de 18 anos; RG e CPF para dependentes maiores de 18 até 24 anos);
3) Cópia de comprovante de endereço.

Mais informações pelo telefone: Islene Garcia (62 – 3997-5500 / 98445-7296)

VEJA MAIS

sintsep go convoca para plenaria sindical de base e assembleia geral



.

Fazem parte da programação desta sexta-feira, 16 de março, uma Plenária Sindical de Base e Assembleia Geral Extraordinária

O Presidente do SINTSEP-GO, com base no § 2º do artigo 15 do Estatuto do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal no Estado de Goiás – SINTSEP-GO aprovado em Plenária de seu 1º Congresso realizado nos dias 22 e 23.04.89, com modificações estatutárias efetuadas na Assembleia Geral de 16.12.93 e nas Plenárias dos III e IV Congressos realizados em 27, 28.10.95 e 18, 19 e 20.11.97, CONVOCA todos os Delegados de sua Base, titulares e suplentes para participarem, no dia 16 de março de 2018, sexta-feira, das 8 às 12 horas, com credenciamento até às 10 horas, da Plenária Sindical de Base, no auditório Costa Lima da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás – Palácio Alfredo Nasser, situado a alameda dos Buritis, nº 231 – Setor Oeste, Goiânia-GO, atendendo aos dispositivos estatutários vigentes; com a seguinte pauta:

-Abertura: 8h30 às 9h
-Informes: Jurídico, apresentação do plano de saúde América e campanha salarial (2018/2019): 9h às 10:30
-Análise de Conjuntura: 10h30 às 11:30
-Encaminhamentos: 11h30 às 12h

Goiânia-GO, 23 de janeiro de 2018
Ademar Rodrigues de Souza
Presidente do Sintsep-GO

VEJA MAIS

em seminario servidores defendem campanha em defesa do sus



.

Fonasefe e Fonacate fizeram debate sobre planos de autogestão que contou com exposição de representantes da Geap, Capsaúde, Assefaz e Unidas

A Condsef/Fenadsef recebeu em sua sede representantes dos principais fóruns que reúnem servidores federais (Fonasefe e Fonacate) para seminário que debateu saúde suplementar e planos de saúde de autogestão. Representantes dos planos que atendem a maioria dos servidores também participaram. Foi o caso da Geap, Capsaúde, Assefaz, Unidas, além de entidades observadoras. Além de ampliar o debate sobre o tema, o objetivo foi promover uma avaliação do cenário atual e fomentar debates técnicos e possíveis ações administrativas, legislativas e jurídicas que poderão ser feitas para o enfrentamento dos problemas. A defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) com campanha por uma saúde pública para toda a população foi um dos encaminhamentos aprovados ao fim do seminário.

As entidades vão lutar ainda pela aplicação de um valor mínimo de 50% per capta da União para a manutenção dos planos de saúde de autogestão. O tema já foi tratado em reunião no Ministério do Planejamento onde a secretaria de Gestão de Pessoas se comprometeu a dar um retorno sobre o tema na próxima reunião com o conjunto dos federais, prevista para acontecer até o dia 10 de abril. Os servidores querem ainda o fim da reserva técnica para os planos de autogestão e a democratização da gestão dos planos com a administração sob o controle dos usuários.

Um coletivo do Fonasefe e Fonacate vai ser criado para conduzir ações aprovadas no seminário. Entre elas está uma reunião com representantes da Geap, Capsaúde, Unidas, Assefaz e outros para elaborar um plano de ação que melhore a atuação dos planos. O coletivo também vai procurar a Frente Parlamentar em Defesa dos Serviços Públicos para apresentar proposta de alteração na legislação que determina a reserva técnica dos planos. Há ainda intenção de pauta o debate na Agência Nacional de Saúde (ANS) sobre as intervenções nos planos de saúde de autogestão que vem acontecendo por meio de Direção Fiscal.

Na esfera jurídica, uma reunião com assessorias das entidades deve acontecer para elaboração de proposta de extinção da legislação que exige a reserva técnica para os planos de autogestão. A pressão em torno dos planos de autogestão não é recente. A Condsef, desde sempre, defende a sustentação e o fortalecimento desse modelo já que historicamente atende servidores e seus dependentes com os preços mais competitivos do mercado de planos de saúde. A maioria dos assistidos é composta por pessoas acima dos 50 anos.

Faz-se urgente continuar discutindo a situação dos planos de autogestão e buscar soluções definitivas para melhorá-los. É importante assegurar o pagamento de valores justos e a segurança de assistência médica aos servidores e seus dependentes naturais; isso até que o SUS ganhe a atenção fundamental por parte do governo e possa assumir integralmente sua missão de suprir a demanda por saúde da população brasileira.

Com informações da Condsef

VEJA MAIS

parlamentares tentam calar a voz do sintsep go



.

Delegado Waldir Soares tenta impedir Sintsep-GO de divulgar calendário que recomenda voto contrário aos parlamentares goianos traidores da classe trabalhadora

Desde que Michel Temer alcançou o cargo de presidente da República, por meio de um golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, realizado com a cumplicidade de deputados e senadores (Congresso Nacional) e com a anuência do Poder Judiciário, o Brasil mergulhou em um estado de perigosa insegurança institucional.

Destinado a investir contra a classe trabalhadora e a desfazer todos os avanços sociais alcançados especialmente nos governos do PT, Temer – sem apoio político e popular – adotou uma única forma de dar sobrevida a seu (des)governo: a compra de parlamentares. Rios de dinheiro, na forma de loteamento de cargos, emendas, garantias, desonerações fiscais, perdão de dívidas de grandes empresas, refinanciamento de impostos… tudo negociado no “grande balcão” que é o Congresso Nacional.

Os interesses da maioria da população, no entanto, não são negociados. Distribuir renda, cobrar mais impostos dos que mais recebem, taxar fortunas, manter os subsídios aos organismos que garantem a execução das políticas sociais de Saúde, Educação, Habitação e Previdência, entre outros, são bandeiras e ações que não interessam à ampla maioria dos deputados e senadores.

Como forma de protesto, para despertar a população contra esse tipo de atitude dos deputados e senadores, o Sintsep-GO elaborou um calendário relembrando cada deputado/a e senador/a goiano que votou CONTRA os interesses dos trabalhadores, seja na reforma Trabalhista, seja na lei de terceirizações, na Emenda Constitucional 95/2017, etc.

O calendário fez parte das ações elaboradas pela entidade, em sua colaboração ao Fórum Goiano contra a Reforma da Previdência, para pressionar a bancada de Goiás a votar contra a aludida reforma. Sentindo-se ofendido, o deputado federal Delegado Waldir buscou o Tribunal Regional Eleitoral de Goiás no sentido de cercear a ação do sindicato, alegando “propaganda eleitoral extemporânea negativa”.

Em resposta, o relator do processo, juiz Juliano Taveira Bernardes, determinou o não acolhimento do processo, argumentando que “a mensagem não passa de simples conclamação de terceiros para que não votem em determinados detentores de mandato, não caracterizando evento de propaganda eleitoral antecipada”.

Endossando a decisão do referido Tribunal, o Sintsep-GO reafirma seu compromisso com O SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL e com a CLASSE TRABALHADORA BRASILEIRA. A entidade não se cala e jamais irá se calar ante o golpe que foi dado no país e ante todos os golpistas que o tem patrocinado. Reafirmamos o posicionamento de que “quem votou contra o trabalhador não volta” e recomendamos que NÃO SEJAM REELEITOS os parlamentares traidores dos goianos e do povo brasileiro:

Alexandre Baldy (Podemos) / Célio Silveira (PSDB) / Daniel Vilela (PMDB) / Delegado Waldir Soares (PR) / Fábio Sousa (PSDB) / Flávia Morais (PDT) / Giuseppe Vecci (PSDB) / Heuler Cruvinel (PSD) / João Campos (PRB) / Jovair Arantes (PTB) / Lucas Vergilio (SD) / Magda Mofatto (PR) / Marcos Abrão (PPS) / Pedro Chaves (PMDB) / Roberto Balestra (PP) / Thiago Peixoto (PSD) / Lúcia Vânia (PSB) / Wilder Morais (PP) e Ronaldo Caiado (DEM).

#ForaTemer
#Golpistasnãopassarão

VEJA MAIS

mulheres vao as ruas por direitos e contra a violencia



.

Programação do Dia Internacional da Mulher tem ocupação na Assembleia Legislativa, performances, palestras, panfletagens e muito mais. Se liga!

Cerca de 700 mulheres do campo e da cidade ocuparam nesta quarta-feira (7) a Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) no que estão chamando de Movimento Contra o Capital e em Defesa da Democracia e da Soberania Nacional. Esta foi a maneira que encontraram para celebrar de forma crítica o Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março.

Elas estão realizando uma série de atividades para discutir a violência contra as mulheres e dar visibilidade às pautas políticas que afetam a classe trabalhadora do campo e da cidade, tais como:

– Por uma aposentadoria digna para todas as trabalhadoras e trabalhadores no campo e na cidade;
– Derrubada do veto do governador Marconi Perillo (PSDB) à Lei Dom Tomás Balduíno (19.998/18), que estabelece valor mínimo orçamentário para o Fundo de Agricultura Familiar e Camponesa;
– Reorganização imediata do Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável (Cedrus), transformando-o em uma entidade tripartite, incluindo as organizações da agricultura familiar;
– Que o governo de Goiás regulamente de imediato a compra institucional de alimentos da agricultura familiar e camponesa;
– Construção e reforma de 10 mil unidades habitacionais no campo, com recursos do governo estadual;
– Regularização Fundiária;
– Anulação da Reforma Trabalhista;
– Compra de sementes da agricultura camponesa.

Palestras
Uma série de palestras ocorreram nesta quarta-feira, na Alego. Iêda Leal, vice-presidenta da Central Única dos Trabalhadores no Estado de Goiás (CUT Goiás) e coordenadora nacional do Movimento Negro Unificado (MNU) falou sobre a Realidade das Mulheres Negras. Antônia Ivaneide, a Neném, representante da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) abordou a Realidade das Mulheres Camponesas no Brasil e Lúcia Rincón, do Centro Popular da Mulher e União Brasileira de Mulheres, falou sobre a Realidade das Mulheres Urbanas e a Questão da Violência.

Além disso, entre as atividades previstas estão também oficinas de agitação e propaganda, confecção de estandartes feministas, comunicação popular, combate à violência contra a mulher, batuque feminista, ciranda das crianças e teatro do oprimido.

Grande marcha
Com apoio do Sintsep-GO, nesta quinta-feira, 8 de março, será realizada uma grande marcha com apresentações de poesias, performances e batuque, a partir das 9 horas da manhã, saindo da ocupação da Assembleia Legislativa e seguindo pela Avenida Anhanguera.

Com informações da CUT Goiás e do Comitê Goiano de Direitos Humanos Dom Tomás Balduíno

VEJA MAIS

sintsep go realiza debate sobre as reformas trabalhista e previdenciaria



.

No último dia 6 de março, o Sintsep-GO promoveu, na sede da Procuradoria da Fazenda Nacional em Goiás, um debate sobre a reforma trabalhista e a tentativa de reforma previdenciária, ambas executadas pelo governo golpista do presidente ilegítimo Michel Temer.

Foram debatedores o advogado Welton Marden e o professor doutor em História da UFG, Davi Maciel. Ambos ressaltaram a gravidade do momento para os trabalhadores brasileiros e ressaltaram que “a mobilização é fundamental não somente para conter o avanço dessas políticas, mas para reverter aquilo que já foi feito e que lesou os direitos da classe trabalhadora”.

Para Marden, é preciso combater a imensa mentira que é defendida pelo governo e pela mídia – que compra o discurso – de que é preciso reformar a previdência. “Não temos falta de recursos, temos transferência de renda, um Hobin Hood às avessas, tirando dos mais pobres e dos trabalhadores para desonerar banqueiros, empresários e especuladores”, denunciou.

De acordo com o professor Davi Maciel, o contexto histórico que levou à criação das leis e direitos trabalhistas não foi algo que “caiu do céu graças a Getúlio Vargas, mas foi algo construído com mobilização e luta. A normatização do salário mínimo, àquela época, inclusive diminuiu o quantitativo que se pagava ao trabalhador, ficando congelado por muito tempo. Somente depois, com João Goulart à frente do Ministério do Trabalho, em 1953, o salário mínimo teve valorização de 100%. Juscelino deu continuidade à essa valorização, que foi quebrada pelos regimes militares. Apenas recentemente, nos governos do PT, voltou a ser recuperada uma pequena parte do poder aquisitivo do salário mínimo – o que se acabou após o golpe”, destacou.

Para a diretora de formação sindical, Márcia Jorge, momentos como esse são fundamentais para que a base do Sintsep-GO compreenda quão decisivo é o papel dos trabalhadores em meio a esta conjuntura. “Precisamos nos organizar cada vez mais, entender quais são os objetivos destas políticas para que, por meio de movimentos organizados, trabalhemos para reverter essa situação”, avaliou. Confira o vídeo abaixo:

VEJA MAIS

esclarecimentos sobre a declaracao de imposto de renda 2018



.

Filiado/a, antes de vir ao Sintsep-GO fazer sua declaração de Imposto de Renda, veja os esclarecimentos abaixo e providencie seus documentos

1) Desde o dia 1º de março deste ano, o Sintsep-GO está preparado para realizar o atendimento aos servidores filiados que desejam fazer a Declaração de Imposto de Renda 2018. O prazo se encerra em 30 de abril.

2) O Sintsep-GO não possui profissionais contadores para fazer a Declaração, sendo esta apenas uma cortesia realizada pelos funcionários da entidade. Caso o filiado ou a filiada tenham recebido recursos de QUALQUER AÇÃO JUDICIAL, favor realizar sua declaração de Imposto de Renda com um contador profissional, para minimizar qualquer possibilidade de equívoco.

3) Como se trata de uma cortesia, o Sintsep-GO não se responsabilizará por nenhum tipo de assistência caso o contribuinte tenha sua declaração retida na malha fina.

4) Para fazer sua Declaração, tenha em mãos os seguintes documentos: documentos pessoais (titular e dependentes); comprovantes de rendimento (trabalho e diversos, caso os tenha); comprovantes de pagamentos e doações; comprovantes de bens e direitos (documento de imóveis e automóveis) e comprovantes de ganhos de capital e aplicação financeira.

5) Quaisquer dúvidas, ligue para o Sintsep-GO (62 3213-2000) ou acesse o site da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br).

VEJA MAIS
  • 1
  • 2