aumento de contribuicao previdenciaria de servidores e suspensa pelo stf

.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski suspendeu, no último dia 18 de dezembro, a tramitação da Medida Provisória (MP) 805/17. A MP determinava o aumento de 11% para 14% da contribuição previdenciária para servidores federais que recebem salários acima de R$ 5 mil. A medida ainda adiava o reajuste de diversas categorias, entre elas Dnit e Suframa da base da Condsef/Fenadsef, com acordos já firmados. A decisão é importante para garantir justiça a servidores e vai continuar sendo acompanhada.

Clique aqui e confira a nota da Agência Brasil sobre o tema.

VEJA MAIS

feliz natal e prospero ano novo



.

Você, servidor público, é especial e essencial para o desempenho das mais sagradas tarefas do Estado junto à população brasileira, nas áreas da Saúde, Educação, Assistência Social, Alimentação, Transporte e Segurança, entre outras.

Lutar ao seu lado, diuturnamente, na manutenção dos nossos direitos e no respeito à nossa dignidade é um privilégio para o Sintsep-GO! Ao contrário do que diz o atual presidente, não somos privilegiados, nós construímos o nosso caminho com muita luta, mobilização e discernimento quanto ao nosso papel junto à população brasileira.

Sigamos juntos, companheiros e companheiras, rumo à construção do país que sonhamos para nós, nossos filhos e netos!

Feliz Natal e um Próspero Ano Novo!

Obs.: O Sintsep-GO informa a seus associados que estará fechado devido ao recesso de natal e ano novo, de 26/12/2017 à 02/01/2018. As atividades retornarão à normalidade no dia 3 de janeiro de 2018. Boas festas!

VEJA MAIS

sus sintsep go aponta encaminhamentos de reuniao da mesa de negociacao



.

Em defesa dos servidores do Ministério da Saúde em Goiás (MS-GO), o Sintsep-GO participou, em Goiânia, nesta terça-feira, 19, da 16ª Reunião da Mesa Local de Negociação Permanente do Ministério da Saúde/GO. Confira aqui as fotos da atividade.

A reunião, que contou com a participação da direção da Condsef e do Sintsep-GO, discutiu os seguintes temas: carreira (tabela salarial e aglutinação de cargos); tempo especial (memorando 34); cálculo da média das gratificações (quais as gratificações entram nos cálculos); insalubridade; exames periódicos; indenização de campo; participação em atividades sindicais e reestruturação do Siais.

De acordo com o secretário-geral do Sintsep-GO e integrante da direção da Condsef, Gilberto Jorge, foram definidos os seguintes encaminhamentos:

1) Tabelas salariais: o coordenador nacional de gestão do Ministério da Saúde informou que eles devem priorizar as duas últimas propostas de tabela enviadas para o MPOG;

2) Tempo Especial (Memorando 34): O Ministério da Saúde solicitou prazo até fevereiro de 2018 para que os trabalhadores deem entrada no Ministério da Saúde quanto ao pedido de averbação do tempo especial (80 a 90). Já para efeito de aposentadoria especial – embora o sindicato não recomende, pois o servidor vai para o Regime Geral de Previdência Social – a pessoa interessada já pode entrar com o processo.

3) Gratificação de desempenho: tendo em vista vários problemas, o MS vai solicitar ao MPOG, a pedido das entidades, a fórmula de cálculo para se chegar à média dos pontos.

4) Exames periódicos: será feito um convênio com a GEAP para a realização dos exames.

Participaram da atividade representantes dos seguintes órgãos (e categorias): Ministério da Saúde; Confsef; Sintsep-GO; CNTSS/CUT; Fenasps; Sintfesp-GO/TO; Aposentados; NEMS-GO e servidores cedidos.

VEJA MAIS

goias sedia 16 reuniao da mesa local de negociacao permanente do ms

.

Em defesa dos servidores do Ministério da Saúde em Goiás (MS-GO), o Sintsep-GO participa, em Goiânia, da 16ª Reunião da Mesa Local de Negociação Permanente do Ministério da Saúde/GO. A reunião, que conta com a participação da direção da Condsef e do Sintsep-GO, traz entre os assuntos discutidos: carreira (tabela salarial e aglutinação de cargos); tempo especial (memorando 34); cálculo da média das gratificações (quais as gratificações entram nos cálculos); insalubridade; exames periódicos; indenização de campo; participação em atividades sindicais e reestruturação do Siais.

A atividade ocorre nesta terça-feira, 19 de dezembro, das 11 às 12h30, no edifício Núcleo do Ministério da Saúde no estado (NEMS/GO), na Praça Cívica, em Goiânia. Participam da reunião, representantes dos seguintes órgãos (e categorias):

-Ministério da Saúde;
-Confsef;
-Sintsep-GO;
-CNTSS/CUT;
-Fenasps;
-Sintfesp-GO/TO;
-Aposentados;
-NEMS-GO;
-Cedidos.

VEJA MAIS

sintsep go participa de audiencia sobre violacao de direitos humanos



.

A Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) em conjunto com Comitê Goiano de Direitos Humanos Dom Tomás Balduino, promoveu na manhã de quinta-feira, 14 de dezembro, audiência pública sobre a violação de Direitos Humanos. Confira aqui fotos da atividade.

A reunião ocorreu no Auditório Costa Lima e marcou o encerramento da Semana dos Direitos Humanos de 2017. O Sintsep-GO participou da atividade, em apoio ao Comitê, junto com integrantes do Sindsaúde/GO e do MST, entre outras entidades.

Na ocasião, o Comitê apresentou aos participantes da mesa de trabalho e aos presentes, o relatório sobre casos de violação de Direitos Humanos do Estado de Goiás.

VEJA MAIS

protesto trabalhadores bloqueiam br 153 contra a reforma da previdencia



.

Dezenas de trabalhadores dos movimentos sindical e social bloquearam a BR-153 por cerca de uma hora em Goiânia, na manhã da última sexta-feira, 15 de dezembro

Dezenas de trabalhadores dos movimentos sindical e social bloquearam a BR-153 por cerca de uma hora em Goiânia, na manhã da última sexta-feira, 15 de dezembro. A manifestação, iniciada às 9h30, no Posto Capim Dourado, em frente ao Paço Municipal, foi organizada pelo Fórum Goiano contra as Reformas da Previdência e Trabalhista e contou com a participação de várias entidades do movimento sindical como o Sintsep-GO, o SintIFESgo, o Sintfesp GO/TO, Sindsaúde-GO e das centrais CUT-GO e CTB-GO.

O ato gerou um congestionamento de 8 km ao longo da BR. Durante o período da manifestação, militantes do movimento social e popular distribuíram material de conscientização e fizeram várias falas com o objetivo de levar à população informações sobre os males que a Reforma da Previdência trará, caso seja aprovada.

Sintsep-GO com informações do SintIFESgo

VEJA MAIS

movimentos sociais fazem jejum contra a reforma da previdencia



.

Movimentos sociais deram início, na manhã desta quarta-feira, 13 de dezembro, na Assembleia Legislativa de Goiás, a um jejum contra a Reforma da Previdência. O ato foi promovido pelo Fórum Goiano contra as Reformas da Previdência e Trabalhista em solidariedade à Greve de Fome feita por trabalhadores do campo em Brasília.

Estiveram presentes diversas entidades dos movimentos sociais e populares, sindicatos, centrais sindicais e movimentos em defesa da Reforma Agrária. Na ocasião foram distribuídos exemplares do Jornal da Classe Trabalhadora.

O coordenador do Fórum, João Pires Jr., falou sobre a importância do ato e da resistência dos(as) trabalhadores(as) contra a Reforma da Previdência. “Esse é um ato de resistência e também de solidariedade à greve de fome às pessoas que estão fazendo, há 9 dias, uma greve de fome contra a aprovação da reforma da previdência. Goiás está presente nessa luta, que causa um grande prejuízo ao povo brasileiro. Essa semana toda foi de muita mobilização e, na sexta-feira (15), iremos realizar uma grande atividade em Goiânia”, afirmou João.

O Sintsep-GO é uma das entidades fundadoras do Fórum Goiano contra as Reformas da Previdência e Trabalhista.

Com informações e foto do SintIFESgo

VEJA MAIS

a voz dos 5 sera ouvida

.

Governo, por meio de falácias, esconde suas intenções mascarando os verdadeiros e perversos impactos da reforma da Previdência para a maioria dos trabalhadores brasileiros

Se servidores são “apenas” 5% da população, como alegou hoje o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, e serão os mais atingidos com a reforma é certo dizer que a Previdência está quebrada por conta de uma parcela tão pequena da população? Ou o governo esconde suas intenções mascarando os verdadeiros e perversos impactos da reforma da Previdência para a maioria dos trabalhadores, incluindo os trabalhadores do campo? A CPI da Previdência aponta que sim, todos serão prejudicados.

O dado ainda faz refletir sobre a pequena parcela de trabalhadores que estão disponíveis para o atendimento público dos demais 95% de brasileiros. Essa comparação ajuda a dar uma pequena dimensão da dificuldade que cada servidor enfrenta no dia a dia para atender com qualidade a população que paga impostos e depende dos serviços que o Estado tem a obrigação constitucional de fornecer.

Vale lembrar que não é raro que toda família tenha entre os seus algum parente que é servidor público, seja da União, dos Estados ou de Municípios. A Condsef/Fenadsef recomenda que todo servidor público brasileiro aproveite o período de reunião com seus familiares no final do ano para alertar sobre essa proposta perversa que esconde a verdadeira intenção do governo ilegítimo de Michel Temer: aprovar a reforma da Previdência para atender interesses do mercado especulativo financeiro à custa do direito à aposentadoria de todo trabalhador, não só dos 5% de servidores.

Fonte: Condsef

VEJA MAIS

xi consintsep analises apontam forte acirramento e luta de classes para 2018



.

A percepção inequívoca de que a classe trabalhadora brasileira e os movimentos sociais vivem um momento de estrangulamento foi o ponto chave deste segundo dia do XI Congresso do Sintsep-GO. Confira aqui as fotos deste 2º dia de trabalho (9), no Golden Dolphin Hotel, de Caldas Novas (GO).

Após os informes, ainda no período da manhã, uma mesa integrada pelo presidente da CUT-GO e representante da corrente trabalhista EPS, Mauro Rubem; pelo professor Dr. Claudio Maia, da UFG; pelo coordenador do MST em Goiás, Valdir Misnerovicz; pelo diretor da Condsef e do Sintsep-GO, Gilberto Jorge; pelo diretor da CUT nacional Pedro Armengol e pela economista do Dieese em Brasília, Alessandra Cadamuro; sob a coordenação dos companheiros Welison Marques, Isabel Pinto e Deusina Soares comandou os trabalhos de análise de conjuntura que prendeu a atenção dos/as delegados/as por mais de quatro horas.

“A situação é grave. Em todos os Congressos que eu já participei do Sintsep-GO eu nunca tinha ouvido uma análise de conjuntura tão competente e, ao mesmo tempo, tão trágica”, pontuou o companheiro e delegado de base, João Cordeiro.

Basicamente, a pauta girou em torno do desmonte do serviço público no Brasil, devido à terceirização irrestrita e à Emenda Constitucional 95; do trabalho decente, devido à Antirreforma Trabalhista e do fim da aposentadoria com o mínimo de dignidade, devido à proposta de Antirreforma da Previdência.

“O caminho trilhado pelo atual governo brasileiro segue a proposta do neoliberalismo extremado, que começou com Reagan e Margaret Thatcher. É um caminho de enfraquecimento do público para privilegiar o privado. E para justificar isso tem que haver a destruição gradativa do que é público, não tem jeito. Então, você pega um governo impopular, que não tem nada a perder politicamente e se dispõe a ser capacho do capital internacional para operar toda essa desregulamentação”, contextualizou o professor Cláudio Maia.

O raciocínio foi aprofundado pelo coordenador do MST em Goiás, Valdir Misnerovicz, afirmando que nós vivemos atualmente não apenas uma crise, mas uma conjugação de várias crises, que são locais, internacionais e planetárias. “Estamos em um momento histórico novo, composto por uma conjugação de crises, que convivem ao mesmo tempo e que vão além da crise econômica internacional. Nossa percepção maior é que não há saída para a crise econômica nesse modelo de desenvolvimento, porque é o modelo que provoca a crise. Junto com isso, há uma crise política forte, que atinge os três poderes, com uma forte desmoralização dos políticos e do Judiciário. Há uma outra crise, a social, devido à frágil rede de proteção social que está sendo desfeita e há, ainda, uma grave e irreversível crise ecológica, na qual a natureza diz ‘basta, não há como seguir desse jeito’”, enumera.

Para ele, não há outro caminho de mudança que não passe pelo acirramento da luta de classes. “A tendência para o próximo período é o acirramento da luta de classes. Na minha opinião, não há mais espaço para a política conciliatória. Ano que vem é ano de grandes ocupações de terra, nós vamos pautar a reforma agrária pelo conflito, já que não há outro modo. Se nós olharmos os processos históricos, onde houveram mudanças estruturais, elas se deram quando os de cima não conseguem mais dominar e os debaixo não aceitam mais ser dominados”, assertiu Valdir, aplaudido.

Autocrítica
Dirigente do Sintsep-GO e da Condsef, Gilberto Jorge, aproveitou a análise dos companheiros e destacou que o movimento sindical como um todo necessita urgentemente fazer uma autocrítica. “Infelizmente os servidores públicos brasileiros são conservadores. Nós sofremos ataques de toda ordem, mas não nos incluímos como classe trabalhadora no conjunto dos trabalhadores do país. Nós achávamos que éramos diferentes, mas não somos. Estamos todos no mesmo barco da precarização, desregulamentação e perda de direitos. Infelizmente, parte dos nossos companheiros do serviço público não estão com formação política necessária para entender o momento pelo qual estamos passando. É preciso lembrar que o ataque neoliberal é articulado, globalizado e que defender o serviço público não é corporativismo, é uma proposta de desenvolvimento para o país. Neste sentido, no campo político, não há como o conjunto dos trabalhadores brasileiros apoiarem alguma candidatura que não faça aliança formal com os movimentos trabalhistas e sociais”, frisou.

Mauro Rubem destacou que a luta deve ser feita de todos os modos. “Talvez nós não possamos tentar unir todos os trabalhadores brasileiros, por ser essa uma tarefa muito ampla. Mas não podemos trabalhar para unir em Goiás? Os sindicatos têm esse dever de casa, que deve ser feito, e que, neste caso, tem sido realizado pelo Sintsep-GO. Além disso, temos que trabalhar cada vez mais o campo da Comunicação. Ampliar nossas próprias redes, produzir e viralizar a nossa informação, a informação dos trabalhadores e dos movimentos sociais, que é a que nos interessa. Temos a Rádio Trabalhador, fruto de uma parceria dos vários sindicatos e centrais com a CUT-GO. Inauguramos nosso estúdio no último dia 7 e já estamos produzindo a informação que nos interessa”, destacou.

TESE
Ao término da análise de conjuntura, que contou ainda com explanação da economista Alessandra Cadamuro, do Dieese-DF, sobre os prejuízos que as reformas de Michel Temer trazem ao mundo do trabalho, nas esferas pública e privada, delegados/as iniciaram os debates, que foi dominado pela percepção de que é necessário adotar a unidade e atitudes coordenadas entre os trabalhadores dos setores público e privado, do campo e da cidade, para que o Brasil mude a rota que está sendo traçada pelo governo golpista, pelos parlamentares, com a conivência do STF.

Gilberto Jorge fez ainda explanação rápida sobre o Balanço do Movimento – inserido no Documento da Tese Central – e o assessor técnico do Sintsep-GO, Saulo Reis, pontuou as alterações estatutárias necessárias de acordo com o novo Código Civil (Lei 13.105/2015).

“Todas as considerações relacionadas à Tese, Plano de Lutas, Balanço do Movimento e adequação estatutária – bem como qualquer outra proposta – serão formuladas nos grupos de trabalho, que apresentarão amanhã (10) suas conclusões sobre os temas propostos”, explicou o presidente do Sintsep-GO, Ademar Rodrigues.

VEJA MAIS
  • 1
  • 2