servidores lutam para regulamenta o justa do direito de greve

.

Press�o de entidades como Sintsep-GO, Sindsep-DF, CUT, Condsef e CNTSS nesta quinta-feira, dia 31, fez com que a Comiss�o de Consolida��o da Legisla��o Federal e Regulamenta��o de Dispositivos Constitucionais do Congresso Nacional (CMCLF) adiasse para 7 de novembro a reuni�o que examinar� o relat�rio do senador Romero Juc� (PMDB-RR) sobre a Minuta de Projeto de Lei de autoria do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB/SP) que visa regulamentar o direito de greve dos servidores p�blicos, previsto no inciso VII do art. 37 da Constitui��o Federal (436 a 457).

A Comiss�o � formada por seis senadores e seis deputados titulares e o mesmo n�mero de suplentes, sendo presidida pelo deputado C�ndido Vaccarezza (PT-SP). � imprensa, o senador Romero Juc� disse que seu texto est� equilibrado na �tica de que n�o se faz greve sem respeito � sociedade. No entanto, o texto n�o agrada os sindicalistas, visto que durante a greve torna obrigat�ria a manuten��o de 80% dos servi�os na �rea de seguran�a p�blica, 60% dos chamados �servi�os essenciais�, e de 50% dos servi�os dos demais setores, o que praticamente inviabilizaria qualquer movimento grevista.

A proposta do relator da mat�ria � que o projeto de lei seja encaminhado diretamente para vota��o no plen�rio do Senado e, em seguida, para o plen�rio da C�mara, sem que passe pelas comiss�es. Os sindicalistas querem que a proposi��o seja discutida com a categoria por meio de audi�ncias p�blicas e que obrigatoriamente passem pelas Comiss�es de Constitui��o, Justi�a e de Cidadania (CCJ) e de Trabalho, Administra��o e Servi�o P�blico (CTASP).

Haver� mobiliza��o dos servidores durante a reuni�o da CMCLF, no dia 7, �s 11h30, no Senado Federal, para evitar que o projeto tramite de afogadilho. A Comiss�o foi instalada em 2 de abril deste ano e tem at� 23 de dezembro para apresentar suas conclus�es.

A greve � um importante instrumento de press�o dos trabalhadores para que o patr�o, no caso dos servidores p�blicos, o pr�prio governo, atenda �s reivindica��es da categoria. Al�m disso, o direto de greve � uma conquista da classe trabalhadora fruto de muita luta para que fosse garantida na Constitui��o Federal. Exemplos da for�a da greve quando vem acompanhada da unidade dos servidores s�o a conquista do Regime Jur�dico �nico e da estabilidade no servi�o p�blico, resultado das greves dos anos 80; a cria��o da GAE – Gratifica��o de Atividade Executiva, com a greve de 1993; e o reajuste escalonado de 2013 a 2015, resultado da greve de 72 dias do ano passado.

Fonte: Sintsep-GO com CUT e Sindsep-DF

VEJA MAIS

comiss o de finan as e tributa o aprova pl 4 786 12

.

A Comiss�o de Finan�as e Tributa��o (CFT) da C�mara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, dia 30, o Projeto de Lei 4.786/2012 � que reabre o prazo para que os demitidos do Governo Collor entrem com requerimento de retorno ao servi�o p�blico (Lei 8.878/94). O parecer da relatora, deputada �rika Kokay (PT-DF), favor�vel � mat�ria foi aprovado por todos os membros da CFT.

De autoria do senador Edison Lob�o Filho (PMDB/MA), a proposi��o j� foi aprovada no Senado Federal na forma do PLS 82/2012. Na C�mara, passou pela Comiss�o de Trabalho, de Administra��o e Servi�o P�blico (CTASP) e agora passar� pela Comiss�o de Constitui��o, Justi�a e Cidadania (CCJ). Somente depois seguir� para vota��o em plen�rio.

Fonte: Sintsep-GO com Ag�ncia C�mara e Sindsep-DF

VEJA MAIS

The system was not perfect, but it fueled the greatest

Designer Fake Bags Medical research has established that massage therapy can ease both emotional as well as, physical discomforts associated with pediatric medical conditions. Studies conducted by the Touch Research Institutes at the University of Miami School of Medicine show that massage can alleviate pain, anxiety and depression in pediatric clients. This therapeutic touch provides relaxation, comfort, reduction of stress hormones and relief from chronic conditions such as nausea, asthma, constipation and muscle aches.. Designer Fake Bags

He certainly didn’t seem to know Sergeant Johnson’s name. According to Johnson’s mother who listened to the call he kept referring to Johnson in speaking to Mrs. Johnson as “your guy.”. Know that I abhor cultism. Many cults promote a phony display of love bombing and the term has been polluted by fakes whose main intention is to control you and others. I am not advocating phony sentiment or hypocrisy in any form.

purse replica handbags Often think of him, Smith said. Miss him a lot. high quality replica bags Began riding in New York in 1989. The company buys lists to build a profile of each citizen, and then assigns points for certain characteristics. You get points if you’re on an anti abortion list 7a replica bags wholesale or a traditional marriage list. You get a point if you regularly attend church or home school your kids. purse replica handbags

aaa replica designer handbags She doesn “go to the press with it,” as she tries to make clear near the climax of the movie. Deliberately lying about her many Skype conversations with Bill Hader and his wife, where she spoke to them at length about her findings and the bombshells that would upend the royal family. Her friends are literally. aaa replica designer handbags

KnockOff Handbags Left me mentally drained click for more and it took a while to process the experience. But the great part is that from the moment it ended, I could feel my emotions and mental processes much more clearly. Like I was totally “in buy replica bags my head”, like after an intense meditation, only it is still the case now.. replica bags china KnockOff Handbags

high quality replica handbags At the wedding, a few of my replica designer bags family members overheard her and her best friend (who we graciously invited, even though we didn know her well) complaining about everything and bashing our wedding. We had an unconventional wedding ceremony on the top of a mountain and then had our reception at a luxurious log cabin by a river. We had only 85 guests, and we had lawn games high end replica bags and a bonfire in addition to the usual wedding stuff. high quality replica handbags

replica handbags china (Privacy Policy)Google AdSense Host APIThis service high replica bags allows you to sign up for or associate a Google AdSense account with HubPages, so that you can earn money from ads on your articles. No data is shared unless you engage with this feature. (Privacy Policy)Google YouTubeSome articles have YouTube videos embedded in them. replica handbags china

This isn’t about marijuana. This is about Democracy. Again, I ask, what good is citizen initiative power if the politicians feel they have the right to best replica bags line item veto it? What good is voting when a key senator is willing to replica bags buy online ignore a supermajority of her own constituents? Please, contact Senator Ginny Burdick and let her know she needs to respect the will of the people..

A: When a new sneaker is released, cheap designer bags replica you can think of it like concert tickets there’s a scramble to get it before it sells out, and once it sells out, there’s people buying the sneakers in bulk as a business and then reselling them to people who will wear them or keep them in their collection. Some people don’t wear them, funnily enough. There’s people making hundreds of thousands of dollars a year buying limited edition sneakers and reselling them..

Replica Designer Handbags “NASA can only respond to funded mandates from Congress, so Congress has to be convinced to spend money,” Beshore told The Huffington Post. “These missions are not cheap they’re hundreds of millions of dollars so Congress has to explicitly allocate money for those sorts of things. And it really gets down to them deciding where the money is supposed to be spent.”. Replica Designer Handbags

Replica Bags Wholesale It’s important to learn how to master the building of dampers so that you can get a good quality replica bags consistent rebound in all four corners of your vehicle. Don’t be afraid to experiment with different numbered oil viscosity that some of these manufacturers have on offer. After a while you will notice little things positive and negative in the way your car reacts to say, a harder oil in the front and a softer oil in the back and vice versa. Replica Bags Wholesale

replica Purse TEMPLE RASTON: Investigators found a 7.65 mm caliber handgun in the cab of the truck. They found ammunition. And we’d reported this earlier he there were fake guns there, two replica assault rifles that the French prosecutor described as sort of looking like Kalashnikovs and an M 16. replica Purse

Handbags Replica A large percentage of Goans work and stay abroad. So, more often than not, you will find just one or two people staying in these massive residences. Therefore, finding someone who can rent out a room in one of these houses is not difficult. Workers were granted some share of the profits, protected by the strong unions they had fought for. There was once a rough kind of social contract: work hard for the mill, and in return you’d make enough to raise a family, have health care, retire on a decent pension. The system was not perfect, but it fueled the greatest economic boom and consumer society known.. Handbags Replica

Should you uncover yourself with an insatiable want for ramen but you can discover a babysitter, you may yet be able to satisfying your craving. On the evening we dined there, a couple sat across from best replica designer us https://www.replicahandbagmore.com with a toddler within a high chair. Kimura is pretty small so while you won want to bring the whole soccer team, they do appear high quality designer replica equipped to host a baby or a toddler or two.

VEJA MAIS

30 de outubro dia de mobiliza o por servi o p blico de qualidade

.

No dia 30 de outubro, a CUT realiza uma mobiliza��o nacional em Bras�lia em defesa do PLP 321/13 � Sa�de +10, pela Regulamenta��o da Conven��o 151 da OIT (Organiza��o Internacional do Trabalho) e contra o PLP 92/2007 � que cria as Funda��es Estatais de Direito Privado. A concentra��o para as atividades que acontecer�o ao longo do dia ser� �s 7 horas na Esplanada dos Minist�rios.

Pela Regulamenta��o da Conven��o 151 da OIT
Antiga reivindica��o do funcionalismo, a Conven��o 151 estabelece o direito � negocia��o coletiva nas esferas nacional, estadual e municipal e aguarda o aval do governo para ser regulamentada.

Em mar�o deste ano, ap�s uma marcha das centrais sindicais que reuniu 50 mil pessoas na capital federal, a presidenta Dilma Rousseff assinou um decreto no qual se compromete a ratificar a Conven��o 151. �A aprova��o pelo Congresso Nacional em 2010 e o decreto da presid�ncia s�o alguns dos avan�os conquistados pela luta, mas, at� o momento, pareceu ser apenas uma satisfa��o do Pa�s junto � OIT, j� que havia se prontificado a regulamentar a Conven��o ainda em 2011�, contestou Pedro Armengol, secret�rio nacional adjunto de Rela��es do Trabalho da CUT, coordenador do ramo do servi�o p�blico na CUT e secret�rio de Finan�as da Condsef (Confedera��o dos Trabalhadores no Servi�o P�blico Federal).

Segundo Armengol, a ratifica��o da Conven��o evitaria poss�veis conflitos, como os ocorridos na greve do ano passado que durou mais de 60 dias. Na oportunidade, o governo mostrou total inabilidade e autoritarismo ao editar o Decreto 7.777/12, para a substitui��o dos servidores grevistas por terceirizados com o intuito de dificultar as negocia��es.

�Nossa mobiliza��o conseguiu romper com a pol�tica macroecon�mica que afirmava n�o haver margem para negociar. No final, a pr�pria interven��o da Central, na figura do presidente Vagner Freitas, acabou por destravar a negocia��o e rompeu com a l�gica restritiva, arrancando 15% de reajuste dividido em tr�s anos�, recordou o secret�rio.

Em algumas localidades, os servidores p�blicos j� conquistaram mesas de negocia��o que t�m proporcionado melhorias significativas nas condi��es de trabalho e no atendimento � popula��o.

Mas esta n�o � a regra geral, destaca Vilani Oliveira, presidenta da Confetam/CUT (Confedera��o dos Trabalhadores no Servi�o P�blico Municipal). Ela relata que na esfera municipal a maioria dos prefeitos se recusa em estabelecer um processo de negocia��o com os servidores. �Nossa alternativa � partir para a greve, que deveria ser utilizada como �ltimo instrumento de press�o, para facilitar e cobrar o recebimento da nossa categoria. Em todas as campanhas salariais, mobiliza��es, atos, audi�ncias p�blicas, ressaltamos a import�ncia da regulamenta��o imediata da Conven��o 151�, pontuou Vilani.

N�o �s Funda��es Estatais
Outro eixo � a luta contra o PLP 92/2007, cujo texto disp�e sobre a cria��o de Funda��es Estatais de Direito Privado para gerenciar nove �reas do servi�o p�blico, incluindo a sa�de.

Em resumo, seria a privatiza��o destes servi�os, j� que, se aprovado, possibilitar� a transfer�ncia de recursos p�blicos ao setor privado, al�m de ir � contram�o do controle social, da qualidade do servi�o prestado � popula��o e da valoriza��o dos trabalhadores. �� uma l�gica totalmente mercadol�gica, onde o Estado injetar� recursos p�blicos em estruturas privadas. Temos exemplos no Maranh�o, em S�o Paulo, que demonstram a precariedade do servi�o ofertado � popula��o, pois essas empresas est�o preocupadas apenas com o lucro. N�o � assim que conseguiremos melhorar o servi�o p�blico�, disse Armengol.

Maria God�i Faria, secret�ria-geral adjunta da CUT Nacional, expressou sua preocupa��o quanto � tramita��o do Projeto. Enviado pelo Poder Executivo ao Congresso Nacional em julho de 2007, o PLP est� para ser votado pela C�mara dos Deputados. �Por isso � fundamental intensificarmos nossa press�o sobre os parlamentares para tirarmos de pauta este projeto�, ressaltou.

Mais ataques
Na Comiss�o Mista de Consolida��o de Leis e Dispositivos Constitucionais, criada para analisar a legisla��o federal e regulamentar a Constitui��o reside mais uma amea�a aos servidores p�blicos.

O senador Romero Juc� (PMDB/RR) apresentou em setembro um anteprojeto sobre o direito de greve no servi�o p�blico que prev� uma s�rie de restri��es, como a suspens�o do pagamento dos sal�rios nos dias n�o trabalhados, determina que ao menos 50% dos servidores p�blicos ter�o de continuar trabalhando independentemente do setor que atuem e obriga a comunica��o com 30 dias de anteced�ncia sobre a paralisa��o.

O anteprojeto atropela todo o debate que vem sendo travado no �mbito do Executivo, sem contar que em momento algum se prop�s a ouvir o Conselho de Rela��es Trabalho (tripartite) e as representa��es dos trabalhadores.

�� o Legislativo intervindo e tratando somente da greve e da pior forma poss�vel. Atrapalha a negocia��o j� existente. Vamos solicitar uma reuni�o com o senador Romero Juc� e com o deputado federal C�ndido Vaccarezza (que preside a Comiss�o Mista) para dizer que j� existe um processo de negocia��o em andamento�, relatou Armengol.

Em 2012, as centrais sindicais (CUT, For�a Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CGTB) debateram intensamente o projeto de regulamenta��o da negocia��o coletiva e o do direito de greve no servi�o p�blico e chegaram a uma proposta de consenso, a qual j� foi apresentada aos Minist�rios do Planejamento, do Trabalho e Secretaria Geral da Presid�ncia.

Sa�de+10: mais recursos para a sa�de
O governo declarou que pretende destinar 15% da receita corrente l�quida da Uni�o para a �rea da sa�de, mas a reivindica��o da sociedade, no PLP 321/2013 – Sa�de + 10, � que sejam investidos 10% das receitas correntes brutas (e n�o �l�quidas�) da Uni�o para a sa�de, o que significa um volume maior de recursos.

O PLP 321/2013
Sa�de + 10 � um projeto de lei de iniciativa popular e foi protocolado na C�mara em agosto deste ano ap�s reunir mais de dois milh�es de assinaturas.

�Agora precisamos da press�o popular para que o Projeto tramite em regime de urg�ncia no Congresso Nacional�, assinalou Jun�ia Martins, secret�ria nacional de Sa�de do Trabalhador da CUT.

:: PROGRAMA��O

7h � In�cio da chegada das delega��es e concentra��o na Esplanada dos Minist�rios � Pra�a das Bandeiras

10h � In�cio das Manifesta��es referentes ao Sa�de +10

14h�18h � Lan�amento das Campanhas da CUT:
– Pela Regulamenta��o da Conven��o 151 da OIT
– Contra o PLP 92/2007

Fonte: Sintsep-GO com CUT

VEJA MAIS

mo o de apoio aos movimentos sociais organizados

.

O Sindicato dos Trabalhadores no Servi�o P�blico Federal em Goi�s (Sintsep-GO), conforme delibera��o de sua Plen�ria Sindical de Base do �ltimo dia 18 de outubro de 2013, reafirmando sua condi��o de entidade classista independente, dirigida por sua Base � sem qualquer tipo de atrelamento, depend�ncia ou postura que denote subjuga��o da classe trabalhadora ao aparato pol�tico, econ�mico e ideol�gico governamental � vem por meio deste documento expressar seu p�blico apoio aos diversos movimentos sociais que, atualmente, tem se insurgido contra determina��es pol�tico-econ�mico advindas de inst�ncias governamentais � Federal, Estaduais e Municipais � cuja pr�tica pol�tica n�o tem sido validada socialmente como promotora de avan�os consistentes para a classe trabalhadora.

Destes movimentos, em espec�fico, o Sintsep-GO aponta a mobiliza��o dos professores do Munic�pio de Goi�nia, integrado por mais de 80% da categoria, com forte impacto social. A empatia e organiza��o dos professores � no processo de ocupa��o da C�mara Municipal de Goi�nia, tornando-a, de fato, a Casa do Povo, foi diretamente proporcional a inabilidade e a falta de tato do poder P�blico � Executivo e Legislativo � para lidar com a situa��o.

Da mesma forma, o Sintsep-GO apoia as lutas dos companheiros dos Movimentos Sociais do Campo em Luta Unificada, composto por entidades como Fetaeg, MCP, MST, Fetraf-GO e MBRT, que reivindica por parte dos governos, em linhas gerais, a cria��o de um plano estrutural para a agricultura camponesa familiar, favorecendo a produ��o e comercializa��o de alimentos saud�veis; a cria��o de um programa habitacional rural complementar ao Programa Nacional de Habita��o Rural (j� existente); infraestrutura para as estradas vicinais; compra p�blica da produ��o advinda da agricultura familiar; regulariza��o fundi�ria e fortalecimento dos programas j� existentes, voltados para a agricultura camponesa familiar e para o pequeno produtor.

Al�m disso, o Sintsep-GO apoia integralmente a recontextualizada campanha do �Petr�leo � nosso�, encampada por funcion�rios da Petrobr�s e pelos movimentos sociais, contra as privatiza��es na explora��o dos campos do pr�-sal, cujo carro chefe � a do campo de Libra � j� vem demonstrar o quanto seus efeitos s�o mal�ficos para todo o povo brasileiro. Enquanto o governo pede um lance m�nimo de R$ 15 bilh�es, o campo tem uma capacidade de produ��o que ultrapassa os R$ 3 trilh�es, remontando �s �pocas das criminosas privatiza��es promovidas pelo ent�o presidente Fernando Henrique Cardoso.

Independente da forma que governo �A� ou �B� se intitule, independentemente das bandeiras que ele diz defender institucionalmente, a classe trabalhadora brasileira est� cansada dos discursos demag�gicos que n�o se traduzem em a��es, em benef�cios reais, em gera��o de riqueza compartilhada para todos e todas. O Sintsep-GO tem a profunda cren�a de que a �nica ferramenta que o trabalhar possui para modificar sua realidade � a sua pr�pria organiza��o. Organiza��o esta que n�o deve estar submetida a nenhum tipo de aparelhamento ideol�gico-partid�rio, sob o risco de macular seus mais valiosos patrim�nios: a independ�ncia e a autonomia.

Esta entidade, filiada � CUT, reafirma categoricamente sua condi��o de entidade cutista de base. E, por isso mesmo, a BASE � o anseio das categorias representadas e presentes em sua constitui��o, bem como nos movimentos sociais � deve n�o somente ser contemplado, mas estar no comando de todas as suas a��es e decis�es.

Mais forte que qualquer identifica��o com o medo e com o passado, o movimento sindical deve escutar o clamor das ruas como quem antecipa o futuro, cujas ferramentas de constru��o ainda est�o sendo desenvolvidas. E como a arte, normalmente, � a vanguarda do futuro, �voc� n�o sente nem v�, mas eu n�o posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudan�a em breve vai acontecer, e o que h� algum tempo era jovem novo, hoje � antigo… e precisamos todos rejuvenescer� (Belchior � Velha Roupa Colorida).

GOI�NIA, 22 DE OUTUBRO DE 2013.
SINTSEP-GO.

VEJA MAIS

Tightening military coordination within NATO

best hermes replica Scalpers open and close many positions within short time, and usually, they keep those positions less than a moth. Long term investors keep their positions over a month. For scalpers, spread and commission are their main transaction costs. Among many who voted for him, his TV role made him a familiar figure. Reality TV sells itself as depicted unscripted reality. The fiction behind such shows is that viewers are watching not actors playing roles but people being themselves. best hermes replica

Hermes Replica Belt A lot of people will tell you how hermes bracelet replica all of their free time as kids was spent playing football, even if just for 10 minutes between classes. Countries like the US and Russia don have that, as people have interest in other sports. There no obsession factor.there also clubs basically everywhere. Hermes Replica Belt

Replica Hermes Bags Instead of granting such requests as Poland’s, the United States should opt for alternative ways to signal reassurance. Tightening military coordination within NATO, institutionalizing transfers of defensive weapon systems to Central Eastern European allies, planning and executing joint military exercises and verbally renewing pledges of commitment and diplomatic support are important tools that can inspire confidence. These actions also grant the hermes birkin replica United hermes replica belt States more flexibility in its efforts to find a diplomatic solution that takes into account Russian concerns regarding NATO birkin replica encirclement.. Replica Hermes Bags

fake hermes belt women’s The actress’ lawyer entered a not guilty plea on her behalf and a new pre trial conference was set for Sept. 27, E! News has learned. Locklear pleaded not guilty to the charges.. Pvt. Morgan lived to tell the tale, but like many of his comrades in arms, chose not to. The only evidence of his participation in what was dubbed the to end all wars were the scars that marked where exploding shrapnel penetrated his torso. fake hermes belt women’s

high quality hermes replica Once the prey is distracted, it attacks, ruthlessly. Like no I going to put your spare on because you too incompetent. Now I second guessing the existence of usable spare in your vehicle anywhere. I was on the hermes belt replica uk fence about doing the real tattoo but when I had my tattoo artist draw it on it didn’t look right with my shoulder tattoo. But I am doing the Mohawk, and motorcycle pants a helmet (yes I do ride) I’m also in the process of making her motorcycle. Right now all I need is to finish the engine and throw it all together. high quality hermes replica

Hermes Replica Bags Vergara:Yeah, just all jump in. And then the slow descent into madness. First not to give that much credit, but to give the tiniest bit of credit, I guess they have stages at first, they were like, “Hey, can you not have that out there?” And the high quality hermes replica uk second was, “Oh, let’s just put that down.” They just had it facing the table.. Hermes Replica Bags

Hermes Replica Handbags It is this thoughtful and fully fleshed insight into often neglected sides of a character that marks out Matthew Vaughn’s X Men: First Class, an immaculately sculpted and highly potent mix of several, several origin stories that manages to both introduce and reacquaint while keeping things constantly both thick and tasty. If superhero movies were drinks, this one’s a backstory milkshake. Mmm.. Hermes check here Replica Handbags

perfect hermes replica Please consult with a registered investment advisor before making any investment decision.Become a Redditorand subscribe to one of thousands of communities.15534 years old, invested an unexpected windfall (about 5 times yearly income) all at once in May 2018. Was up 5 % in August, now down 8% in total. Looking at percentages, this is nothing to go crazy about. perfect hermes replica

Replica Hermes Birkin And I can appreciate the fact that he has achieved that he got a degree. He’s gone to Harvard University. He has been a teacher. Digital art is now dominating the art world, growing in popularity, price and market. If hermes sandals replica one is a collector, this is the time to take advantage of the growth trend in the art market. You never know when you may just discover the next Warhol or Picasso of the digital age. Replica Hermes Birkin

best hermes replica handbags Studies published in English up to January 2013, on the use of imaging in adults (18years) with a suspected or established clinical diagnosis of SpA (including inflammatory and low back pain for the research question on the diagnostic role of imaging in axSpA), axSpA or pSpA (and suspicion of spinal (vertebral) fracture with regard to Q11), were included. Imaging modalities included radiography, ultrasound (US), MRI, CT, positron emission tomography, single photon emission CT (SPECT), quantitative sacroiliac (SI) joint scintigraphy (QSS) and dual energy X ray absorptiometry (DXA). Study types included randomised controlled trials (RCTs), systematic reviews, controlled clinical trials, cohort, case control and diagnostic studies.. best hermes replica handbags

No one wants to see a grown man in Batman pajamas strolling the aisles at Home Depot. Put some pants on! There are a few exceptions that society will let slide, but not too many. In case you can’t figure high replica bags this out on your own, I will make a couple of helpful lists..

Replica Hermes uk YOU MUST HAVE 100 COMMENT KARMA or provide us with a valid law school email address. If you take advantage of the outline bank hermes belt replica please submit material as well for others to use. Not saying this is you, but I feel the source of depression for a lot of people in this profession (rhyme intended) is they let law school and this career become who they are. Replica Hermes uk

The NDP will spin hard to bury that flip flop with high quality hermes birkin replica a flurry of statistics outlining job generation and economic benefits. replica hermes belt uk Already, Horgan has begun re writing history. Liberals kept piling on costs onto an industry that had not yet even been established in British Columbia, and that scared away some investors as international prices came down, he told reporters last week.

VEJA MAIS

agu defende lei espec fica sobre ass dio moral contra servidores

.

O ass�dio moral contra servidores p�blicos est� na pauta da Comiss�o de Direitos Humanos. O tema foi discutido na audi�ncia p�blica do �ltimo dia 16, e ser� tratado em um projeto de lei, a ser apresentado pela comiss�o at� o fim do ano.

V�rios projetos de lei j� tratam do tema, mas, conforme ressaltou o presidente do Sindicato dos Servidores do Minist�rio das Rela��es Exteriores, Alexey van der Broocke, essas propostas acabam sendo postas de lado por conta de eventual v�cio, j� que a iniciativa seria exclusiva do Poder Executivo.

Segundo o presidente da comiss�o, deputado Pastor Marco Feliciano (PSC/SP), mais de duas mil den�ncias j� foram recebidas e o colegiado n�o pode se omitir, pois h� relatos at� de suic�dios por conta de ass�dio moral sofrido em reparti��es p�blicas.

“Se houver v�cio, vamos ter de procurar uma alternativa B. Ir at� o Executivo, conversar com a ministra Maria do Ros�rio para que ela nos ajude a encontrar um dispositivo, porque � preciso fazer alguma coisa.”

Durante a audi�ncia, o representante da Corregedoria da Advocacia-Geral da Uni�o defendeu a necessidade de uma legisla��o espec�fica sobre o ass�dio moral no servi�o p�blico. Para H�lio Saraiva Franca, uma lei federal afastaria d�vidas e questionamentos em rela��o � aplica��o do conceito de ass�dio moral. De acordo com ele, a lei tamb�m dever� disciplinar o que deve ser considerado e determinar a tramita��o da den�ncia.

“A den�ncia de ass�dio moral se diferencia um pouco das demais den�ncias de irregularidades no servi�o p�blico porque tem alguns conceitos dif�ceis ainda de se determinarem.”

A procuradora regional do Trabalho, Adriane Reis, apresentou algumas sugest�es como deixar em aberto, no texto da lei, o conceito de ass�dio moral e tornar poss�vel que testemunhas possam fazer a den�ncia para que a tarefa n�o fique apenas nas m�os da v�tima.

Adriane Reis explica que a maior dificuldade nos casos de ass�dio � conseguir provas.

“Para comprova��o do ass�dio, o que deve fazer a v�tima? Ela deve colher o maior n�mero de documentos e de dados poss�veis. Ela deve anotar todas as situa��es de ass�dio, ela pode gravar, ela pode recolher e-mails, documentos de toda ordem. Por exemplo, tem situa��es em que a v�tima de ass�dio moral deixa de prestar servi�o na sala. Colocam ela num corredor da empresa. Essa � uma situa��o clara de ass�dio moral.”

Segundo a procuradora do Trabalho, outra dificuldade das v�timas � encontrar pessoas dispostas a testemunhar em favor delas. Isso porque os colegas de trabalho se calam diante do ass�dio moral, temendo repres�lias.

Fonte: R�dio C�mara, de Bras�lia, Idhelene Macedo.

VEJA MAIS

correio minist rio do trabalho e emprego privilegia entidades suspeitas

.

Confedera��o ligada � For�a Sindical e centro investigado por lavagem de dinheiro receberam mais recursos do Minist�rio do Trabalho e Emprego este ano do que todos os 19 munic�pios beneficiados com repasses diretos da pasta em 2013

Pouco mais de um m�s ap�s a deflagra��o da Opera��o Esopo, da Pol�cia Federal (PF), que revelou um esquema de corrup��o em conv�nios do Minist�rio do Trabalho e Emprego (MTE) e derrubou o ent�o secret�rio executivo da pasta, Paulo Roberto Pinto, al�m de balan�ar no cargo o ministro Manoel Dias (PDT), os problemas no �rg�o persistem. Os repasses a entidades privadas sem fins lucrativos envolvidas em corrup��o ainda s�o superiores a todas as libera��es de recursos feitas para os munic�pios do pa�s.

Os desmandos persistem mesmo ap�s o ministro Manoel Dias anunciar, em setembro, a suspens�o de repasses a organiza��es n�o governamentais (ONGs) e a organiza��es da sociedade civil de interesse p�blico (Oscips), pr�tica adotada pela pasta sempre que vem � tona um esc�ndalo envolvendo entidades do g�nero.

Mais de R$ 13 milh�es do or�amento do minist�rio este ano foram destinados a entidades privadas, enquanto a aplica��o direta de recursos aos 19 munic�pios brasileiros que receberam dinheiro diretamente da pasta em 2013 foi de apenas R$ 12,3 milh�es. O investimento � ainda menor nas unidades da Federa��o (UFs), que receberam R$ 7 milh�es, pouco mais da metade do dinheiro destinado a ONGs e Oscips. O levantamento leva em conta apenas as rubricas em que � poss�vel identificar o beneficiado. Outro dado curioso � que as �nicas UFs que receberam verbas � Distrito Federal, Mato Grosso, Piau� e Sergipe � s�o comandadas por aliados do governo federal.

Do dinheiro liberado para as cidades, 65% foi parar nas m�os de prefeituras petistas: S�o Paulo, de Fernando Haddad, e Guarulhos (SP), de Sebasti�o Alves de Almeida. Nos dois casos, o minist�rio pagou a primeira parcela de conv�nio assinado com a Pol�cia Militar local em agosto e em junho, segundo informa��es do Siga Brasil, portal que reproduz os dados oficiais do governo.

Fonte: Correio Braziliense (Leandro Kleber)

VEJA MAIS

comunicado oficial geap

.

Sobre a mat�ria �Servidores amea�ados de perder plano de sa�de�, publicada no �ltimo dia 14 de outubro, no jornal Correio Braziliense, a GEAP � Funda��o de Seguridade Social informa que n�o condiz com a atual realidade de crescimento e desenvolvimento da institui��o. A mat�ria insere a GEAP num contexto de crise das operadoras de planos de sa�de, que prestam assist�ncia aos servidores p�blicos, de forma bastante equivocada ao trabalhar com n�meros e informa��es desatualizados.

Atualmente, em virtude do seu cen�rio promissor, com o pagamento em dia dos prestadores de servi�os e a contrata��o de 746 novos prestadores de servi�os nos �ltimos seis meses, n�o h� porque se falar em m� gest�o e, muito menos em encolhimento da rede credenciada ou negativa de atendimento. Nos �ltimos meses, a GEAP n�o s� ampliou a sua rede como atualizou o pagamento junto aos seus prestadores e hoje tem como diferencial de mercado o fato de pagar os prestadores no prazo m�dio de 30 dias. Assim, n�o h� motivos para que o benefici�rio da GEAP tenha problemas com atendimento.

� importante destacar que a GEAP n�o teve a oportunidade de se manifestar quanto � mat�ria publicada e n�o fez qualquer declara��o que responsabilize seus benefici�rios idosos pelos problemas financeiros, os quais j� foram sanados.

A GEAP se orgulha por reunir em sua carteira pessoas da Melhor Idade e contribuir para elas, os servidores e suas fam�lias, tenham cada vez mais sa�de e qualidade de vida.

Assessoria de Comunica��o da GEAP

VEJA MAIS

servidores da casai go discutem demandas no sintsep go



.

Um total de 28 servidores da Casa de Sa�de Ind�gena de Goi�nia (Casai-GO) realizaram na manh� desta ter�a-feira, dia 15, sob a intermedia��o do Sintsep-GO, uma reuni�o com a administra��o do Distrito Sanit�rio Especial Ind�gena Araguaia (Dsei Araguaia), que esteve representado pelo administrador Milton Martins de Souza e pelo respons�vel da �rea de recursos humanos Vitorino Cunha da Silva. O objetivo do encontro foi dirimir problemas enfrentados pelos trabalhadores, relacionados � falta de estrutura, � superlota��o da casa e a total falta de condi��es de trabalho junto aos �ndios que, revoltados, passaram a amea�ar cotidianamente os servidores. (Confira aqui mais fotos da reuni�o).

Ap�s as duas reformas administrativas da Funai e com a cria��o da Secretaria Especial de Sa�de Ind�gena (Sesai), a Casai-GO se tornou subordinada � administra��o do Dsei Araguaia, o que gerou uma s�rie de problemas administrativos cotidianos, em fun��o da dist�ncia e da burocracia que passou a envolver os procedimentos relativos ao funcionamento da Casa.

Na reuni�o, os trabalhadores relataram de forma dura uma realidade que tem adoecido f�sica, emocional e psicologicamente aqueles que deveriam contribuir com a retomada da sa�de dos povos ind�genas atendidos na rede de Sa�de goianiense.

�A casa, que comporta 60 �ndios bem acomodados, tem tido uma m�dia de 180 a 200 �ndios. N�s n�o temos len��is, nem camas. Eles dormem no ch�o. O servi�o de limpeza � insuficiente, tornando o ambiente n�o somente insalubre, mas repugnante. N�o h� sab�o nem sabonete suficiente. Os banheiros n�o t�m portas, as pias est�o quebradas. Aquilo l� se parece mais uma senzala. N�s estamos no limite do stress, na falta de tudo�, relataram.

Por n�o compreenderem a burocracia, os �ndios quase sempre acham que a culpa � dos servidores, havendo inclusive casos de amea�a com arma de fogo. �Como os �ndios ficam acomodados em condi��es subumanas, eles ficam nervosos, furtam coisas uns dos outros e da pr�pria casa. N�s sequer temos pessoas para fazer essa seguran�a. N�s estamos pedindo socorro, n�o sabemos mais o que fazer�, testemunham.

De acordo com Milton, apesar das dificuldades, est�o sendo redigidos novos contratos para melhoria do servi�o de limpeza (24 horas) e tamb�m de alimenta��o. �Podemos ver a condi��o de contratar uma pessoa para ficar por conta da manuten��o do pr�dio, de coisas que estragarem tamb�m. Temos R$ 81 mil destinados a reformas e projetos aprovados para constru��o de uma nova Casai que, infelizmente, n�o foi levado adiante contra a nossa vontade�, explicou.

Os servidores queixaram-se ainda da dist�ncia entre Goi�nia e a administra��o da Casai, no Mato Grosso, e sugeriram que a administra��o da casa fosse passada para Bras�lia. �Seria bem mais f�cil de administrar tudo, j� que � bem mais pr�ximo�, defenderam.

A principal proposta, no entanto � constru�da pelo Sintsep-GO com o consenso de todos os servidores � � a de buscar junto a Sesai a transforma��o da Casai-GO em Casa de Sa�de Ind�gena de refer�ncia nacional � por receber �ndios de todo o pa�s. �Isso aumentaria o or�amento da Casa e criaria uma rubrica espec�fica, administrada pelo Dsei, com destina��o exclusiva �s demandas da Casai-GO�, pontuou o tesoureiro da entidade, Ademar Rodrigues.

Para dar encaminhamento �s decis�es, foi criada uma comiss�o entre os servidores, com o objetivo de formatar um documento contendo todas as demandas da Casai-GO sejam elas emergenciais, sejam de curto, m�dio e longo prazo. Esse documento ser� discutido nas mesas de negocia��o do SUS (estadual e nacional), nas inst�ncias decis�rias da Condsef �e, se necess�rio, at� mesmo com o Ministro da Sa�de�, pontuou o presidente da entidade, Vicente Ribeiro. Os trabalhos da comiss�o j� ser�o iniciados na pr�xima semana.

VEJA MAIS
  • 1
  • 2