maioria dos brasileiros desconhece sintomas do avc alertam especialistas

.

A cada cinco minutos, um brasileiro morre por causa de um acidente vascular cerebral (AVC), segundo dados da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), com base em informa��es do Minist�rio da Sa�de. S�o quase 100 mil mortes por ano no Brasil. Hoje (29), no Dia Mundial de Combate ao AVC, especialistas alertam que a maioria dos brasileiros desconhece os sintomas da doen�a e n�o procura o m�dico.

Na maioria dos casos, o AVC, popularmente chamado de derrame, � causado pelo entupimento de uma art�ria cerebral por um co�gulo, impedindo o sangue de chegar a outras �reas do c�rebro. �As pessoas esperam se v�o melhorar e n�o procuram a emerg�ncia�, alerta a integrante do Departamento de Doen�as Cerebrovasculares da ABN, Sheila Martins.

Em 2008, uma pesquisa do Hospital das Cl�nicas de Ribeir�o Preto, da Universidade de S�o Paulo (USP), perguntou a 800 pessoas nas ruas das cidades de Ribeir�o Preto, S�o Paulo, Salvador e Fortaleza quais os sintomas do AVC. Somente 15,6% dos entrevistados sabiam o significado da sigla. Ainda segundo a pesquisa, a maioria dos entrevistados confundiu a doen�a com paralisia, congest�o, trombose ou nervosismo. Os sintomas de um AVC s�o fraqueza ou dorm�ncia s�bita em um lado do corpo, dificuldade para falar, entender ou enxergar, tontura repentina e dor de cabe�a muito forte sem motivo aparente.

Para o neurologista e coordenador da pesquisa, Oct�vio Marques Pontes, o brasileiro n�o encara o AVC como uma doen�a que necessita de imediato atendimento m�dico, porque acha que n�o existe tratamento. �A doen�a est� presente na vida das pessoas, mas a maioria v� como sem tratamento�, disse. Pontes informou que, desde 2001, est� dispon�vel na rede p�blica e privada o tratamento trombol�tico, que consiste na aplica��o de rem�dios para desobstruir a art�ria e restabelecer o fluxo sangu�neo, considerado o m�todo mais eficaz.

A recomenda��o � que o paciente inicie o tratamento cinco horas ap�s o aparecimento dos primeiros sintomas. O atendimento r�pido aumenta em 30% as chances de sobreviv�ncia, segundo Pontes. Um levantamento da Associ��o Internacional de AVC (ISS,em ingl�s) constatou que 15% dos pacientes que tiveram um acidente vascular cerebral podem morrer ou sofrer novo problema no prazo de um ano.

Os especialistas alertam ainda que � poss�vel prevenir o acidente vascular, desde que sejam adotados cuidados no decorrer da vida � entre eles praticar exerc�cios f�sicos, ter alimenta��o saud�vel e evitar o fumo, o consumo de �lcool, al�m de ficar em alerta com as taxas de press�o e do colesterol. A doen�a incide na popula��o com mais de 65 anos, mas pode ocorrer em jovens e at� rec�m-nascidos.

Al�m da preven��o, os m�dicos apontam a necessidade de ampliar a rede com tratamento espec�fico para o AVC. Atualmente, 62 hospitais p�blicos e privados oferecem o tratamento adequado, contra 35 em 2008, segundo a neurologista Sheila Martins. �Temos ainda muito a fazer�, alertou.

Em um ranking nacional feito pela neurologista, o Rio Grande do Sul aparece com a maior taxa de mortalidade por AVC no pa�s � 75 mortes por 100 mil habitantes. Em segundo lugar est� o Rio de Janeiro, com 68 mortes por 100 mil habitantes, seguido pelo Piau�, por Pernambuco e pelo Paran�. O c�lculo � baseado em estat�sticas do Minist�rio da Sa�de de 2007.

A Organiza��o Mundial de AVC estima que uma em cada seis pessoas no mundo ter� um acidente vascular cerebral na vida.

Fonte: Ag�ncia Brasil

VEJA MAIS

sintsep go comunica n o expediente nos dias 01 e 02 de novembro

.

Em virtude do feriado nacional do dia 02 de Novembro, Dia de Finados, o Sintsep-GO comunica que tamb�m n�o haver� expediente nesta segunda-feira, dia 01/11.

Aproveitando o ensejo, o sindicato lembra a todos(as) os(as) seus(suas) filiados(as) que, dia 31 de outubro, � dia de elei��o.

Tanto em Goi�s quanto em n�vel nacional s�o dois projetos em disputa: um que representa a continuidade do atual governo – que mudou a cara do Brasil – e outro defendido pelos tucanos, que j� governaram o pa�s por oito anos e representa o atraso.

O Sintsep-GO gostaria de recordar aos servidores p�blicos como foi o governo tucano, respons�vel por oito anos de arrocho salarial, retirada de direitos e de desmantelamento do servi�o p�blico:

Neste per�odo, praticamente n�o houve concursos; foi incentivada a demiss�o volunt�ria; foram extintas as diretrizes dos planos de carreira, com a mobilidade entre �rg�os; os tucanos negaram a data base � categoria e tentaram elevar a contribui��o previdenci�ria para 25% e ainda permitiram a contrata��o de estrangeiros e de servidores pelo regime celetista.

Benef�cios como licen�a pr�mio, gratifica��o por localidade e venda de 1/3 das f�rias acabaram.

O governo tucano quebrou a paridade salarial dos ativos, aposentados e pensionistas, criando gratifica��es produtivistas; retirou o direito do servidor se aposentar com o mesmo sal�rio da ativa e exigiu cinco anos na carreira para o servidor se aposentar de maneira integral.

Esses s�o apenas alguns dos 56 direitos retirados e negados aos servidores no governo tucano. Por isso, neste semana na qual comemoramos o dia do Servidor P�blico (28 de outubro) pense bem!

No dia 31, votemos de forma consciente, dando continuidade ao projeto que tem mudado o pa�s e revitalizado o servi�o p�blico brasileiro.

Sintsep-GO

VEJA MAIS

ass dio moral no mte go servidores exigem sa da de superintendente

.

No �ltimo dia 21 de outubro, o Sintsep-GO realizou reuni�o setorial com os servidores do Minist�rio do Trabalho e Emprego em Goi�s (MTE/GO) para discutir as den�ncias apresentadas pelos trabalhadores relativas a ass�dio moral, a��es coercitivas e anti�ticas praticadas pela gest�o da Superintend�ncia Regional do Trabalho e Emprego em Goi�s (SRTE/GO). Al�m do sindicato, participaram da reuni�o representantes da FENASPS, da CONDSEF, do Comando Nacional de Greve do MTE/GO, a presidente Interina da Comiss�o de �tica e Ouvidora Geral Adjunta do Minist�rio do Trabalho e Emprego, Maria das Gra�as Gon�alves e o Coordenador-Geral de Recursos Humanos do MTE, Luiz Eduardo Lemos da Concei��o – que coordenou a reuni�o.

Relatando a situa��o vivenciada no dia a dia pelos servidores, companheiros ligados � Asmitego (Associa��o dos Servidores do MTE/GO), afirmaram que os trabalhadores convivem “com atitudes de autoritarismo, marcada por persegui��es, por massacre emocional e outras viola��es � pessoa, que atingem frontalmente a todos os trabalhadores que tem compromisso com seu trabalho e os resultados dele”, disse. V�rios outros trabalhadores do �rg�o relataram ainda epis�dios de sofrimento moral, na execu��o do trabalho, causados pelas atitudes do titular SRTE/GO.

O presidente do Sintsep-GO, Ademar Rodrigues de Souza, ressaltou que desde a deflagra��o do movimento paredista do MTE/GO, a superintend�ncia do �rg�o tem praticado a��es sistem�ticas de viol�ncia moral aos trabalhadores com amea�as constantes – como perda de emprego; troca de turno de trabalho sem pr�vio aviso; ordenar execu��o de tarefas acima ou abaixo do conhecimento do trabalhador; constrangimento p�blico; entre muitas outras. “Tudo o que est� descrito como ass�dio moral, na pr�pria cartilha fornecida pelo MTE, foi praticado pela superintend�ncia do �rg�o”, denunciou Ademar. �Ele chegou ao absurdo de, ap�s exonerar servidores de cargos de chefia � � pedido deles mesmos � por apoiarem o movimento paredista, impedir que estes tivessem acesso a seus pertences pessoais, nas mesas onde trabalhavam, praticando constrangimento p�blico, tratando o espa�o p�blico como se fosse algo privado dele�, complementou o sindicalista.

Ademar informou ainda que o Sintsep-GO forneceu � Assembl�ia Legislativa documentos que comprovam Ass�dio Moral � Comiss�o de Direitos Humanos da Casa, acrescentando que se “fazem necess�rias solu��es para afastar definitivamente os nefastos dias a foram submetidos os servidores da SRTE/GO”.

Diante do que foi exposto, o representante da Condsef na reuni�o, Rog�rio Expedito, disse que o superintendente perdeu a qualidade para dirigir o �rg�o em Goi�s. “Ele provocou quest�es muito graves de Ass�dio Moral e est� em total despreparo para ocupar o cargo de Superintendente do MTE em Goi�s. Neste sentido, a Condsef – em apoio ao Sintsep-GO – vai solicitar a sa�da do gestor, por ser imposs�vel sua manuten��o”, afirmou.

VEJA MAIS

sem regulamenta o direito de greve decidido na justi a

.

A recente greve dos servidores t�cnicos administrativos da Universidade de Bras�lia (UnB), que durou mais de seis meses e tornou-se a mais longa da hist�ria do Pa�s, evidencia a falta de regulamenta��o desse direito previsto na Constitui��o. O movimento s� foi encerrado ap�s o Supremo Tribunal Federal (STF) garantir aos servidores � por liminar, no fim do m�s passado � o pagamento de um adicional que havia sido suspenso pelo Minist�rio do Planejamento em fevereiro.

Outra paralisa��o foi encerrada por decis�o judicial recentemente. No in�cio de setembro, o Superior Tribunal de Justi�a (STJ) determinou que os m�dicos peritos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) interrompessem a greve iniciada em 22 de junho, sob pena de multa. A paralisa��o foi considerada “ilegal e abusiva”.

A necessidade de interven��o do Judici�rio reflete uma omiss�o legislativa. A Constitui��o de 1988 diz que os servidores p�blicos t�m direito � greve e ele ser� exercido �nos termos e nos limites definidos em lei espec�fica�. At� hoje, por�m, essa lei n�o foi criada.

Com isso, o STF decidiu aplicar aos servidores a lei de greve vigente no setor privado (Lei 7.783/89). A decis�o foi tomada em 2007, no julgamento de a��es que questionavam essa lacuna legal.

A lei 7.783/89 obriga, por exemplo, a comunica��o do indicativo de greve com 72 horas de anteced�ncia, define quais s�o as atividades essenciais (como transporte coletivo e assist�ncia m�dica) e determina, nessas atividades, que seja garantida a presta��o dos servi�os indispens�veis � comunidade.

O Supremo tamb�m definiu o STJ como �rg�o competente para decidir sobre greves de servidores p�blicos civis quando a paralisa��o for nacional ou abranger mais de uma unidade da federa��o. Na ocasi�o, o ministro Celso de Mello afirmou que a omiss�o do Congresso em legislar a mat�ria �traduz um incompreens�vel sentimento de desapre�o pela Constitui��o�.

Comiss�o especial
Na avalia��o do deputado Regis de Oliveira (PSC-SP), o Supremo acaba ocupando um espa�o que cabe ao legislador. �A consequ�ncia da falta de legisla��o, infelizmente, � que quem legisla e define como deve ser a greve � o STF�, afirmou o parlamentar, que coordenou uma comiss�o especial, encerrada em mar�o deste ano, criada para analisar artigos ainda n�o regulamentados da Constitui��o.

O presidente da C�mara, Michel Temer, solicitou a essa comiss�o, criada em mar�o de 2009, que a regulamenta��o da greve de servidores fosse uma das prioridades da pauta. A discuss�o, por�m, n�o evoluiu.

O Projeto de Lei 4497/01, da deputada Rita Camata (PSDB-ES), foi um dos focos de an�lise. Com oito projetos apensados, o texto � a principal proposta sobre a quest�o e, desde maio de 2008, est� na Comiss�o de Constitui��o e Justi�a e de Cidadania, aguardando parecer do deputado Magela (PT-DF).

Segundo Oliveira, o relator estava em negocia��o com sindicatos de servidores e governo, mas n�o havia chegado a um texto de consenso at� o fim de junho. �Resolvi suspender os trabalhos�, disse.

Lentid�o
Na avalia��o do presidente da Comiss�o de Constitui��o, Justi�a e de Cidadania, deputado Eliseu Padilha (PMDB-RS), a demora na apresenta��o do parecer demonstra o pouco interesse do governo no tema. Ele afirma que, logo ap�s o segundo turno das elei��es, vai cobrar a apresenta��o de relat�rios que est�o pendentes na CCJ.

Para Rita Camata, a lenta tramita��o do PL 4497/01 n�o significa resist�ncia � aprova��o do texto. Ela argumenta que a prioriza��o de projetos de interesse do governo, em detrimento das propostas dos parlamentares, e o excesso de Medidas Provis�rias atrasa a an�lise da maioria dos projetos.

A deputada afirma ainda que o alto n�mero de projetos apensados (oito) e a s�rie de audi�ncias p�blicas na Comiss�o de Trabalho diminu�ram o ritmo de tramita��o da proposta.

Fonte: Ag�ncia C�mara

VEJA MAIS

funai para oab go decreto presidencial n 7 056 09 inconstitucional

.

Em reuni�o na �ltima quarta-feira, dia 20 de outubro, o Pleno da Ordem dos Advogados do Brasil – Sec��o Goi�s (OAB-GO) decidiu, por unanimidade, que vai entrar com um pedido de A��o Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra o decreto presidencial n.� 7.056/09, que desestruturou a Funda��o Nacional do �ndio (Funai), extirpando in�meras coordena��es do �rg�o nas capitais brasileiras, dentre elas a de Goi�s.

De acordo com o relat�rio da OAB-GO, ao elaborar o decreto que alterou a pol�tica indigenista brasileira sem consultar as popula��o ind�genas, o governo federal feriu gravemente a Conven��o 169 da Organiza��o Internacional do Trabalho – OIT (da qual � signat�rio), desrespeitando a Constitui��o Federal e o Estatuto do �ndio (Lei n.� 6.001/73).

Desde a promulga��o do decreto presidencial que “reestruturou” a Funai, centenas de �ndios e servidores do �rg�o tem protestado em Bras�lia e nas antigas sedes da Funai nos estados, pedindo a revoga��o do decreto, bem como uma ampla discuss�o com a sociedade sobre qual deve ser o modelo de reestrutura��o da Funai necess�rio para o pa�s e para as popula��es ind�genas.

Adin
Segundo a OAB-GO, a institui��o vai enviar uma carta ao presidente Lula comunicando-o da decis�o da Ordem e vai enviar � OAB nacional uma solicita��o para que a mesma protocolize no Supremo Tribunal Federal (STF) uma Adin contra o decreto 7.056/09. “Desde a promulga��o do decreto 7.056, em dezembro de 2009, o Sintsep-GO tem feito todos os esfor�os para que este equ�voco – nefasto para a pol�tica indigenista brasileira – seja revogado. Agradecemos � OAB-GO e � OAB nacional que acolheram nossas argumenta��es e as embasaram juridicamente. � importante ressaltar que esta � uma a��o do Sintsep-GO a favor da sociedade e das popula��es ind�genas brasileiras, contra uma a��o pol�tica equivocada do governo”, afirmou o presidente do Sintsep-GO, Ademar Rodrigues.

VEJA MAIS

publicado decreto que cria secretaria especial de sa de ind gena

.

O Di�rio Oficial da Uni�o publicou nesta quarta-feira, dia 20, o decreto presidencial que cria a Secretaria Especial de Sa�de Ind�gena, dentro da estrutura do Minist�rio da Sa�de. A secretaria vai cuidar exclusivamente do atendimento m�dico prestado aos �ndios, levando em conta quest�es ambientais e de saneamento b�sico.

Com a mudan�a, os 34 Distritos Sanit�rios Ind�genas que at� ent�o eram subordinados � Funda��o Nacional de Sa�de (Funasa) passar�o a ter autonomia para agilizar o atendimento de sa�de em cada territ�rio ind�gena. Outro decreto assinado pelo presidente Luiz In�cio Lula da Silva e publicado hoje redefine as atribui��es da Funasa.

De acordo com o ministro da Sa�de, Jos� Gomes Tempor�o, a secretaria � uma antiga reivindica��o de todas etnias. O Minist�rio da Sa�de e a Funasa ter�o 180 dias para fazer a transi��o gradual do sistema.

Fonte: Ag�ncia Brasil

VEJA MAIS

mte sintsep go entrega dilma documento solicitando plano de carreira



.

Aproveitando a presen�a da candidata � presid�ncia da Rep�blica, Dilma Rousseff, em Goi�nia-GO, no com�cio realizado ontem (19) � noite, dirigentes do Sintsep-GO acompanhados pelo deputado Estadual Mauro Rubem (PT-GO) entregaram � candidata petista uma solicita��o para que atenda � demanda dos servidores do Minist�rio do Trabalho e Emprego, criando o plano de carreira espec�fico da categoria. O sindicato solicitou ainda � Dilma que coloque em seu plano de governo o cumprimento dos acordos negociados ao longo do governo Lula entre servidores e o Minist�rio do Planejamento, Or�amento e Gest�o.

Em sua chegada � Goi�nia, ainda no aeroporto, Dilma recebeu o documento das m�os da tesoureira do Sintsep-GO e servidora do MTE/GO, F�tima Maria de Deus, pouco depois de uma entrevista coletiva, concedida pela candidata. De acordo com F�tima, a candidata foi receptiva. �V�rias autoridades que estavam presentes na ocasi�o refor�aram nosso pedido, especialmente o deputado Mauro Rubem, que tem compartilhado esta luta conosco. Dilma foi bem receptiva�, disse.

O presidente Lula chegou � Goi�nia logo ap�s Dilma Rousseff, mas foi direto para o Com�cio realizado no bairro Jardim Curitiba, periferia da regi�o noroeste de Goi�nia. L�, tanto a candidata quanto o presidente foram recebidos por um grupo de servidores do MTE/GO, que reivindicavam com faixas a cria��o de seu plano de carreira. “Fomos os �ltimos a deixar o com�cio. Do in�cio ao fim mostramos � Lula e Dilma o quanto s�o importantes as reivindica��es dos servidores p�blicos federais, cujos processos de negocia��o devem ser conclu�dos”, afirmou o presidente do Sintsep-GO, Ademar Rodrigues.

VEJA MAIS

divulgada programa o do x congresso da condsef

.

A Condsef tem enviado ao longo deste m�s uma s�rie de informa��es �s suas entidades filiadas ligadas � organiza��o do X Concondsef. O evento, que acontece entre os dias 8 e 12 de dezembro, teve a programa��o completa divulgada. O X Concondsef acontece em Bras�lia e tem como tema �Greve e Negocia��o Coletiva. Eu trabalho. Eu tenho direito�. Ao longo de quase uma semana a categoria ter� possibilidade de debater os rumos de sua luta e eleger as principais bandeiras que ser�o conduzidas e defendidas pela Condsef e suas filiadas. At� esta sexta-feira, 15, a Condsef recebe as teses que ser�o defendidas na atividade.

O prazo para elei��o de delegados tamb�m vai at� esta sexta-feira, dia 15 de outubro – data na qual o Sintsep-GO realiza Assembleia Extraordin�ria para elei��o dos(as) delegados(as) da entidade. As atas com a rela��o de delegados ser�o recebidas at� o dia 20 de outubro. Na pr�xima semana, 21, a comiss�o organizadora do X Concondsef se re�ne para analisar atas do congresso.

O congresso, que acontece de tr�s em tr�s anos, � a maior inst�ncia de debate da Confedera��o. Entre suas muitas atividades, o X Concondsef elege a nova diretoria que ficar� � frente da Condsef no pr�ximo tri�nio. A assessoria de imprensa vai acompanhar todo o evento e divulgar� aqui na p�gina as informa��es pertinentes aos servidores.

CONFIRA A PROGRAMA��O DO X CONCONDSEF

QUARTA-FEIRA � DIA 08/12/2010
9h: In�cio do Credenciamento;
12h30 �s 14h30: Almo�o;
17h �s 17h30: Abertura Solene do X Congresso;
17h30 �s 19h: Leitura, Discuss�o e Aprova��o do Regimento Interno;
19h �s 19h30: Elei��o da Comiss�o Eleitoral;
19h30 �s 21h: Apresenta��o das Teses;
21h �s 21h30: Apresenta��o e Delibera��o sobre Recursos;
21h30: Jantar.

QUINTA-FEIRA � DIA 09/12/2010
9h: Continua��o do Credenciamento;
9h �s 12h30: Debate sobre a Conjuntura e Desafio dos Trabalhadores para o Pr�ximo Per�odo;
12h: Encerramento do Credenciamento de Delegados e In�cio do Credenciamento de Suplentes;
12h30 �s 14h30: Almo�o;
14h30 �s 18h: Instala��o da Mesa e Debate;
18h: Encerramento do Credenciamento de Suplentes;
19h: Jantar;
20h �s 23h: Atividade Cultural.

SEXTA-FEIRA � DIA 10/12/2010
9h �s 12h30: Debate sobre Conjuntura Nacional e Internacional nos Grupos de Discuss�o;
12h30 �s 14h30: Almo�o;
14h30 �s 16h: Debate sobre Balan�o do Movimento, Organiza��o Sindical da CONDSEF nos Grupos de Discuss�o;
16h �s 19h: Debate sobre Pauta de Reivindica��o, Plano de Lutas e Reforma Estatut�ria nos Grupos de Discuss�o;
20h: Jantar;
21h: Atividade Cultural.

S�BADO � DIA 11/12/2010
9h: Reuni�o da Comiss�o de Sistematiza��o;
9h �s 12h30: Plen�ria dos Departamentos (12 Departamentos);
12h30 �s 14h: Almo�o;
14h �s 17h: Continuidade das Plen�rias dos Departamentos;
17h �s 22h: Plen�ria de Discuss�o e Aprova��o das Resolu��es;
22h: Jantar.

DOMINGO � DIA 12/12/2010
9h �s 10h: Presta��o de Contas;
10h �s 11h: Inscri��o de Chapas;
11h �s 12h: Defesa das Chapas;
12h �s 16h: Vota��o da Nova Dire��o da CONDSEF, Coordenadores de Departamentos e Conselho Fiscal;
14h: Almo�o;
16h �s 17h: Apura��o dos Votos;
17h: Encerramento.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

condsef convida cut isp oit e conlutas para debater conjuntura em congresso

.

Entre os dias 8 e 12 de dezembro a Condsef realiza o X Concondsef, congresso que re�ne cerca de 1.500 delegados de base de todo o Brasil. Com o tema �Greve e Negocia��o Coletiva. Eu trabalho. Eu tenho direito� a Condsef espera envolver os servidores de sua base sempre com maior empenho nos assuntos de grande import�ncia para a classe trabalhadora. Nesses quatro dias a categoria ter� a possibilidade de debater os rumos de sua luta e eleger as principais bandeiras que ser�o conduzidas e defendidas pela Condsef e suas filiadas. Para fortalecer o debate sobre a conjuntura e temas centrais de interesse dos servidores a Condsef vai convidar representantes da CUT, ISP, OIT e Conlutas a participar dos debates. At� esta sexta-feira, 15, a Condsef recebe as teses que ser�o defendidas na atividade.

As assembl�ias para elei��o de delegados j� est�o acontecendo nos estados que v�o participar dos debates. O prazo para elei��o de delegados tamb�m vai at� o dia 15 de outubro, data na qual o Sintsep-GO realiza a retirada de seus representantes. As atas com a rela��o de delegados ser�o recebidas at� o dia 20 de outubro. Na pr�xima semana, 21, a comiss�o organizadora do X Concondsef se re�ne para analisar atas do congresso. A dire��o nacional da Condsef entende que este � o momento prop�cio a debates pertinentes e devem ser feitos com os representantes de sua base. Ao longo do congresso outros assuntos de interesse das diversas categorias da base da Confedera��o tamb�m ser�o discutidos.

O congresso, que acontece de tr�s em tr�s anos, � a maior inst�ncia de debate da Confedera��o. Entre suas muitas atividades, o X Concondsef elege a nova diretoria que ficar� � frente da Condsef no pr�ximo tri�nio. A assessoria de imprensa vai acompanhar todo o evento e divulgar� aqui na p�gina as informa��es pertinentes aos servidores.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

ministro deve participar de assinatura de protocolo sobre negocia o coletiva

.

Em reuni�o no �ltimo dia 6, secret�rio de Recursos Humanos do Minist�rio do Planejamento informou que ministro Paulo Bernardo vai estar presente no ato da assinatura das minutas de termos de acordo e do projeto de lei

Novamente foi adiada a assinatura do protocolo do grupo de trabalho (GT) que discute negocia��o coletiva no setor p�blico. Na reuni�o programada para o �ltimo dia 6, o secret�rio de Recursos Humanos do Minist�rio do Planejamento, Duvanier Ferreira, informou que o ministro Paulo Bernardo vai estar presente no ato da assinatura das minutas de termos de acordo (anexo) e projeto de lei (anexo), que foram consolidadas na quarta (6) e firmam um importante passo em busca de formalizar esse direito dos servidores federais. Duvanier informou ainda que iria conversar com o ministro e confirmar uma nova data para a reuni�o. Em novembro, a Condsef promove um semin�rio com as demais entidades da bancada sindical e suas assessorias jur�dicas para debater as minutas produzidas pelo GT de negocia��o coletiva.

No in�cio de dezembro o X Concondsef, congresso realizado pela entidade e que re�ne cerca de 1.500 representantes de servidores de todos os estados brasileiros, vai fazer uma profunda reflex�o sobre este processo em busca da consolida��o da negocia��o coletiva no setor p�blico. O tema do X Concondsef deste ano ser� �Greve e Negocia��o Coletiva. Eu trabalho. Eu tenho direito�. Os servidores da base da Condsef ter�o quase uma semana para debater o tema e tra�ar as bandeiras de luta que a entidade e suas filiadas defender�o em nome dos mais de 80% de servidores do Executivo que representam.

O envio de uma proposta baseada no consenso entre trabalhadores e governo � a coroa��o vitoriosa de uma luta permanente defendida pela Condsef, todas as suas filiadas, em conjunto com a CUT. Essa luta ser� mantida at� que se assegure que o produto desta negocia��o garanta o efetivo direito dos trabalhadores e consolide uma melhora nas rela��es de trabalho na administra��o p�blica.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS
  • 1
  • 2