greve do mte sem previs o para terminar

.

H� mais de tr�s meses paralisados, os servidores do Minist�rio do Trabalho e Emprego (MTE) ainda n�o t�m previs�o para retornar �s atividades. De acordo com o Comando Nacional de Greve, cerca de 3,5 mil trabalhadores aderiram � paralisa��o. Desde o dia 27 de julho, ter�a-feira, participam das atividades do comando, em Bras�lia, a dirigente do Sintsep-GO F�tima Maria de Deus, e o presidente da Asmitego (Associa��o dos Servidores do MTE em Goi�s), Jos� Roberto.

Al�m de Goi�s, 19 Estados participam da greve. S�o eles: Acre, Amazonas, Amap�, Bahia, Cear�, Distrito Federal, Esp�rito Santo, Maranh�o, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Pernambuco, Piau�, Paran�, Rond�nia, Sergipe, Tocantins, Rio Grande do Norte e S�o Paulo.

Atualmente, apenas parte dos servidores trabalham para atender 50% da emiss�o de Carteiras de Trabalho e Encaminhamentos de Seguro Desemprego, as chamadas atividades essenciais.

A greve foi considerada legal pelo Superior Tribunal de Justi�a (STJ), que proibiu o corte de ponto da categoria.

VEJA MAIS

sintsep go se re ne com assessoria jur dica da funasa em bras lia

.

Nesta semana, os dirigentes do Sintsep-GO e da Condsef, Ademar Rodrigues e Gilberto Jorge, estiveram reunidos com a Assessoria Jur�dica da Funasa, em Bras�lia, para discutir quest�es de interesse dos servidores do �rg�o. Na reuni�o, foram abordados os temas: lota��o, Mandado de Injun��o 880 (MI 880) e decreto governamental de avalia��o de desempenho dos servidores.

Segundo Ademar, o objetivo do sindicato, ao se reunir com a Assessoria Jur�dica da Funda��o, � obter, al�m de esclarecimentos, garantias de que os servidores n�o ser�o prejudicados de forma nenhuma na quest�o da lota��o no Minist�rio da Sa�de (SVS), no Mandado de Injun��o para contagem de tempo especial para efeito de aposentadoria ou na regulamenta��o da avalia��o de desempenho.

Mais informa��es e desdobramentos desta reuni�o voc� confere em breve, na p�gina do Sintsep-GO.

VEJA MAIS

servidores do mte de goi s aprovam negocia o de tabelas com governo



.

Em Assembl�ia realizada na manh� desta sexta-feira, 23 de julho, na sede do Sintsep-GO, servidores do Minist�rio do Trabalho e Emprego de Goi�s (MTE/GO) aprovaram as tabelas que dever�o ser negociadas com o governo, nos pr�ximos dias, pelas entidades representativas da categoria. A greve da categoria, no entanto, continua – pelo menos at� que o governo sinalize negociar algo concreto.

O presidente do sindicato, Ademar Rodrigues, explicou que essas tabelas s�o apenas um paliativo, at� que se consiga a negocia��o do plano de cargos e carreiras espec�fico do MTE. “Como j� foi declarado pela Secretaria de Recursos Humanos do Minist�rio do Planejamento, esse governo n�o discute mais plano de carreira do MTE. Deste modo, o titular da SRH disse que far� um memorial de toda as conversa��es que ocorreram entre governo e servidores do MTE – que culminaram em duas greves, de 2009 e 2010 – para que continuem as negocia��es com o pr�ximo governo. Queremos garantir, pelo menos, essas tabelas como paliativo, at� que a negocia��o do plano aconte�a”, disse.

Ao longo da semana, os diretores do Sintsep-GO F�tima Maria de Deus e Ademar Rodrigues de Souza integraram, em Bras�lia, as negocia��es entre o Comando de Greve do MTE e o governo.

Clique aqui para conferir as tabelas que ser�o negociadas.

VEJA MAIS

condsef relata descaso com servidores a ministro franklin martins

.

A Condsef foi recebida em reuni�o nesta segunda-feira, 19, pelo ministro da Secretaria de Comunica��o Social da Presid�ncia da Rep�blica, Franklin Martins. No encontro, foi feito um relato de toda a trajet�ria e causas de movimentos de mobiliza��o ocorridos desde o final do ano passado e tamb�m neste ano. Inclusive, foi lembrado que servidores do Minist�rio do Trabalho e Emprego (MTE) mant�m um processo de paralisa��o de atividades pelo atendimento de suas principais reivindica��es. Nesta ter�a, um of�cio foi encaminhado a Franklin Martins solicitando que seja levado ao presidente Lula o pleito desses servidores. A entidade tamb�m quer que seja relatada toda a insatisfa��o da base da Condsef, tanto com os infrut�feros processos de negocia��o instalados no Minist�rio do Planejamento, quanto com as tentativas de criminaliza��o da mobiliza��o dos servidores em torno da luta pelo cumprimento de acordos. Acordos que uma vez firmados geraram expectativas e, quando n�o cumpridos, acabaram sendo grande motivador das mobiliza��es no setor p�blico.

Na reuni�o com o ministro da Secretaria de Comunica��o Social, a Condsef falou da decis�o dos servidores do MTE de permanecerem mobilizados em diversos estados brasileiros. A categoria, que est� h� mais de 80 dias paralisada, segue mantendo 50% de trabalhadores em �reas consideradas essenciais, cumprido determina��o feita pelo Superior Tribunal de Justi�a (STJ). Uma das principais causas deste conflito continua sendo o improdutivo processo de negocia��es. No of�cio a Condsef explica o pleito da categoria que � a constru��o de uma carreira para o MTE com tratamentos similares a do Seguro Social. Hoje, o abismo salarial entre servidores que cumprem fun��es semelhantes chega a 100%.

Luta mantida em ano eleitoral e durante recesso parlamentar
H� uma expectativa de que continuem os di�logos em busca de uma solu��o para conflitos instalados, no MTE e em outros setores, mesmo durante per�odo marcado por recesso parlamentar e impedimentos de envio de projetos devido a lei eleitoral. Os servidores devem permanecer atentos.

Todas as not�cias envolvendo os interesses dos servidores da base do Sintsep-GO e da Condsef v�o continuar sendo publicadas aqui, na p�gina do Sintsep/GO. Por conta do per�odo de recesso parlamentar, as atualiza��es n�o v�o ocorrer diariamente, mas qualquer informa��o relevante ligada aos setores da base da Condsef ser�o disponibilizadas aos servidores.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

justi a servidor inativo ganha isen o da previd ncia

.

Na v�spera do recesso parlamentar, a comiss�o especial instalada na C�mara dos Deputados para analisar o fim da cobran�a previdenci�ria dos servidores inativos aprovou ontem uma f�rmula que acaba progressivamente com o desconto. A nova regra mexe com a reforma da Previd�ncia feita pelo governo Luiz In�cio Lula da Silva em 2003 e � vista por t�cnicos atuariais como um retrocesso. A perda de receita para a Uni�o � estimada em R$ 1,8 bilh�o ao ano.

Com o plen�rio lotado de aposentados e pensionistas, os pol�ticos de oposi��o e da base aliada duelaram. Jos� Geno�no (PT-SP), �nico a votar contra, acusou os advers�rios de irresponsabilidade fiscal e defendeu o que chamou de �princ�pio de solidariedade�. �Os servidores n�o t�m culpa de ter aposentadorias diferenciadas, mas � p�blico e not�rio que h� benef�cios elevados. Ser� que n�o � justo contribuir?�, atacou o petista sob vaias dos representantes dos servidores e provoca��es dos colegas. �O PT � incoerente�, disparou Chico Alencar (PSol-RJ).

O clima eleitoral fez com que o relat�rio do deputado Luiz Alberto (PT-BA), apresentado na semana passada, fosse rejeitado. O texto previa a isen��o autom�tica para os servidores j� aposentados por invalidez ou que alcan�aram os 70 anos de idade. Os inativos que completassem 61 anos, segundo o parecer de Luiz Alberto, seriam beneficiados com um redutor de 10% sobre a al�quota hoje incidente e, ano a ano, teriam o valor reduzido na mesma propor��o para, aos 70 anos de idade, tamb�m deixarem de recolher.

Com a queda do parecer original, os deputados votaram e aprovaram o substitutivo � Proposta de Emenda � Constitui��o (PEC) 555/06 apresentado logo em seguida por Arnaldo Faria de S� (PTB-SP) e considerado ainda mais favor�vel aos servidores. Atendendo �s press�es(1) dos sindicatos, o parlamentar baixou a idade de isen��o total do desconto previdenci�rio para 65 anos. Com isso, aos 61 anos, o aposentado pagar� 20% menos de contribui��o e assim sucessivamente at� deixar de recolher. �O mais importante � que n�o haver� esqueleto. Quem pagou, pagou�, disse S�. Foi mantido o desconto integral para os que deixaram o funcionalismo por invalidez.

Se confirmada em plen�rio, todos os inativos � sem restri��o � ser�o contemplados com a medida. A PEC 555/06 previa que apenas os que se aposentaram ou se tornaram pensionistas antes da promulga��o da Emenda Constitucional 41 (EC 41), que reformou a Previd�ncia, seriam atingidos. A EC 41 passou a vigorar em 1� de janeiro de 2004. Por se tratar de mudan�a constitucional, h� a necessidade de aprova��o em dois turnos na C�mara e do Senado. Ainda n�o h� data definida para as vota��es.

Ped�gio
Gra�as a uma correla��o de for�as in�dita no Congresso Nacional, o governo conseguiu aprovar em 2003 uma al�quota de 11% sobre os ganhos dos servidores inativos. A taxa incide sobre a parte da remunera��o que ultrapassa o teto do benef�cio pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) aos empregados da iniciativa privada, atualmente fixado em R$ 3.467,40. Os que recebem at� esse limite est�o isentos. Nem de longe o ped�gio � suficiente para bancar a aposentadoria integral dos servidores, mas a inten��o do Pal�cio do Planalto � �poca era mandar um recado ao funcionalismo de que as contas teriam de fechar a longo prazo.

A falta de regulamenta��o do fundo de previd�ncia complementar para os servidores p�blicos, no entanto, anulou qualquer tentativa de equilibrar o sistema respons�vel pelo pagamento de benef�cios no setor p�blico. O grande contingente de pessoas que nunca contribu�ram para o sistema e, hoje, recebem os mesmos sal�rios de quando estavam na ativa tamb�m pesa nos cofres do Tesouro Nacional. A Previd�ncia do funcionalismo � incluindo os Tr�s Poderes e os militares � apresentou um deficit em 2009 de R$ 38,1 bilh�es. Em 2010, a previs�o � que o rombo chegue a R$ 43,4 bilh�es, praticamente o mesmo buraco aberto no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que paga cerca de 27 milh�es de benef�cios. A Previd�ncia p�blica atende a aproximadamente 985 mil pessoas.

Fonte: Correio Braziliense (15/07/2010)

VEJA MAIS

srh suspender descontos de setores paralisados em 2010

.

A Secretaria de Recursos Humanos (SRH) do Minist�rio do Planejamento voltou a receber a Condsef em reuni�o nesta quarta-feira, 14. No encontro, o secret�rio de RH, Duvanier Ferreira informou que foi tomada decis�o de suspender os descontos de dias parados de setores que realizaram paralisa��es ao longo deste ano. A suspens�o fica condicionada � proposta de reposi��o desses dias. Entre as categorias est�o servidores da �rea Ambiental, Inep, FNDE, Incra e SPU. A Condsef agendou uma reuni�o com representantes desses setores para a pr�xima ter�a, 20. O objetivo � construir uma proposta para apresentar ao Planejamento. A Condsef quer tamb�m que a mesma decis�o se estenda aos setores que realizaram paralisa��es em anos anteriores a 2010 e tamb�m sofreram corte de ponto. � o caso de servidores do Dnit, Funai, Funasa, entre outros. A expectativa � solucionar todos os conflitos para que nenhum trabalhador seja prejudicado de forma injusta.

Na reuni�o tamb�m foram tratados outros assuntos ainda pendentes e que atingem setores da base da Condsef. Muitos itens deveriam ter sido encaminhados no projeto de lei (PL) que seguiria para o Congresso Nacional at� o dia 3 de julho, �ltimo prazo do governo para encaminhar projetos, devido a impedimentos ligados � lei eleitoral. Segundo o Planejamento, uma �janela legislativa� se abre depois das elei��es. Duvanier Ferreira ressaltou que o envio deste PL � uma determina��o do pr�prio presidente Lula e n�o haver� qualquer problema de fundo or�ament�rio j� que a verba est� garantida no anexo 5 da Lei Or�ament�ria Anual (LOA). Ainda de acordo com Duvanier, o presidente Lula deve conversar pessoalmente com o presidente eleito a respeito dessas pend�ncias a serem encaminhadas ao Congresso.

Entre elas est� a quest�o da aglutina��o de cargos, tema que vem sendo debatido entre a Condsef e a SRH. Uma nova reuni�o, inclusive, ser� agendada para continuar a tratar o assunto. Outra pend�ncia que tamb�m deve ser atendida � a regulamenta��o de gratifica��o de qualifica��o (GQ) do PCCTM (Plano de Cargos e Carreira de Tecnologia Militar). Segundo Duvanier Ferreira sua equipe est� trabalhando neste caso. Aproveitando o tema, a Condsef questionou o secret�rio sobre o not�rio fazer das atribui��es peculiares �s organiza��es militares. Desde que n�o haja qualquer problema de car�ter jur�dico, Duvanier informou que o governo � favor�vel e ir� considerar, nestes casos, o not�rio fazer caracterizado quando toda a experi�ncia do servidor foi adquirida ao longo de seus anos de trabalho.

HFA e Dnocs
A SRH informou ainda que, nos pr�ximos dias, o governo vai regulamentar as progress�es dos celetistas do Hospital das For�as Armadas (HFA). A regulamenta��o deve garantir o per�odo que os trabalhadores ficaram estacionados e sem progress�o. Outra garantia dada foi solu��o, para novembro, da situa��o da VPNI dos servidores do Dnocs. Esta demanda seria encaminhada no projeto de lei (PL) que acabou n�o seguindo para o Congresso Nacional antes do prazo ligado ao per�odo eleitoral. Agora, o governo precisa aguardar uma �janela legislativa� quando vai encaminhar projeto com as demandas que acabaram ficando pendentes. Segundo a SRH, esta � a �nica forma capaz de solucionar este demanda dos servidores do Dnocs que, portanto, ter�o que continuar aguardando.

Roquete Pinto
A Condsef voltou a cobrar a redistribui��o definitiva dos servidores da ex-TVE (Roquete Pinto) do estado do Rio de Janeiro para �rg�os ligados ao Minist�rio da Cultura. A entidade lembrou que trabalhadores do Maranh�o tamb�m aguardam a redistribui��o para o Minist�rio da Educa��o. Segundo a SRH, o setor t�cnico respons�vel ser� consultado. N�o havendo impedimento legal, aqueles trabalhadores j� entrevistados para as institui��es da Cultura ter�o suas cess�es providenciadas. A Condsef lembrou que este processo de cess�o � apenas uma medida paliativa. A entidade continua cobrando a garantia de redistribui��o integral desses servidores.

Na reuni�o a Condsef solicitou uma agenda espec�fica para tratar com a SRH a situa��o dos diversos planos de sa�de de auto-gest�o que atendem servidores e suas fam�lias. O encontro tamb�m servir� para debater e esclarecer as novas orienta��es da SRH ligadas � sa�de do servidor. Duvanier informou que vai marcar uma reuni�o com a Condsef e representantes da Fassincra, Assefaz e Capesesp. No caso da Geap, segundo o secret�rio, j� foram dados os devidos esclarecimentos.

Anistiados/Reintegrados
Outra reuni�o cobrada pela Condsef diz respeito � mudan�a de regime de servidores anistiados, rec�m reintegrados ao servi�o p�blico. Antes da reuni�o na SRH para tratar o assunto, a Condsef deve ter uma conversa com o presidente da CEI (Comiss�o Especial Interministerial) que est� a frente deste processo de concess�o de anistias e reintegra��o.

Sintsep-GO e Condsef continuam cobrando no Planejamento solu��o e atendimento de toda pauta ainda pendente envolvendo servidores de sua base. As entidades alertam que a categoria permane�a atenta e pronta a defender seus interesses. Todas as novas informa��es ligadas � luta em busca do atendimento de acordos firmados e ainda n�o cumpridos pelo governo continuar�o sendo divulgadas pelas entidades.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

falta de consenso mant m servidores do mte paralisados



.

Terminou sem avan�os reuni�o na Secretaria de Recursos Humanos (SRH) do Minist�rio do Planejamento que ocorreu nesta ter�a-feira, 13. A reuni�o, da qual participou o Sintsep-GO, tratou demandas espec�ficas dos servidores do Minist�rio do Trabalho e Emprego (MTE). Sem consenso sobre atendimento de suas principais reivindica��es, os servidores anunciaram que v�o continuar mantendo paralisa��o de atividades e mobiliza��o em diversos estados brasileiros. A SRH voltou a afirmar que o governo n�o pretende atender a demanda para criar uma carreira espec�fica para os administrativos do MTE. Foi informado que a inten��o � manter proposta que cria carreiras transversais e uma gratifica��o de qualifica��o para n�vel intermedi�rio, j� apresenta pelo governo e rejeitada pela categoria. Segundo a SRH, a mesma poderia ser encaminhada ap�s processo eleitoral, quando se abre �janela legislativa� para envio de projetos ao Congresso Nacional. A abertura de um espa�o para negocia��o foi garantida desde que n�o envolva a consolida��o de uma carreira espec�fica.

Frente �s negativas do governo em discutir carreira espec�fica para o MTE, os servidores devem realizar assembl�ias nos estados. O objetivo � dialogar sobre quais ser�o as formas de lidar com esse obst�culo imposto pelo governo no processo em debate. Os servidores seguem lutando pelo atendimento de suas demandas como v�m fazendo h� mais de 80 dias. Para refor�ar a luta em defesa do MTE, a categoria tem se unido em torno da constru��o de campanhas que pedem apoio da sociedade em defesa do fortalecimento das pol�ticas ligadas ao Trabalho.

Todos os esfor�os est�o sendo feitos pelo Sintsep-GO, pela Condsef e suas demais filiadas, al�m dos integrantes do Comando Nacional de Mobiliza��o dos servidores do MTE. Um trabalho intenso que re�ne diversas pessoas em torno da defesa das bandeiras de luta do setor, pela valoriza��o dos servidores, refor�o da estrutura do minist�rio e, em conseq��ncia disso, melhor atendimento � popula��o.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

publicada portaria que redistribui cerca de 20 mil servidores da funasa

.

Recursos Humanos da Funasa e do MS em Goi�s solicitam duas semanas para completar transi��o. Dire��o do Sintsep-GO pede calma a servidores redistribu�dos durante este per�odo

Foi publicada na sexta-feira, 2, no Di�rio Oficial da Uni�o (DOU) a Portaria n� 1.659 (veja aqui) que trata da redistribui��o de cerca de 20 mil servidores da Funasa. Os nomes dos servidores est�o publicados entre as p�ginas 51 e 155. Recentemente, representantes da Condsef, Minist�rio da Sa�de (MS) e Funasa participaram de um ciclo de oficinas que debateram com servidores das cinco regi�es do Pa�s como se daria este processo de redistribui��o. As d�vidas mais freq�entes levantadas pela categoria far�o parte de uma cartilha que deve ser formulada em breve. Apesar do termo �redistribui��o�, nenhum servidor precisar� deixar seu local de trabalho. Num primeiro momento os redistribu�dos passar�o a se reportar aos n�cleos regionais do MS em seus estados. A meta � acompanhar todo esse processo de transi��o at� que seja consolidado.

A relota��o dos servidores no Minist�rio da Sa�de foi conseguida gra�as � interven��o do Sintsep-GO e da Condsef, bem como dos parlamentares goianos Mauro Rubem (PT), Pedro Wilson (PT) e Pedro Chaves (PMDB) junto ao ministro Jos� Gomes Tempor�o. Em todo o Brasil, o Sintsep-GO foi um dos primeiros sindicatos a promover um semin�rio sobre a nova lota��o dos servidores da Funasa no Minist�rio da Sa�de, evento que contou com representantes nacionais da Funasa, Condsef e MS (foto).

Duas semanas
Preocupados quanto a apreens�o dos(as) servidores, a dire��o do Sintsep-GO buscou os departamentos de recursos humanos tanto da Funasa quanto do MS para tirar algumas d�vidas por parte dos servidores. �O pessoal dos departamentos de recursos humanos pediu um tempo de duas semanas para ajeitar a documenta��o. At� l�, os servidores devem aguardar a conclus�o do processo de redistribui��o, lembrando que, nesta primeira etapa, s� ser�o redistribu�dos aqueles que recebem a Gacen. Os demais, al�m dos aposentados e pensionistas, continuar�o se dirigindo ao RH da Funasa para resolver suas quest�es. Os redistribu�dos, ap�s esse prazo de duas semanas, j� far�o seus futuros requerimentos ao Minist�rio da Sa�de�, esclarece a dire��o.

VEJA MAIS

produtividade sintsep go se re ne com irani ribeiro para discutir gratifica o

.

Secret�ria Estadual de Sa�de Irani Ribeiro recebe Sintsep-GO e diz que vai cumprir a lei, garantindo o pagamento da gratifica��o de produtividade (40%) ao servidores da Funasa/MS cedidos � SES, que fizerem jus a seu recebimento

Na �ltima quarta-feira, dia 7 de julho, dirigentes do Sintsep-GO se reuniram com a Secret�ria de Estado da Sa�de, Dra. Irani Ribeiro para discutir o pagamento da gratifica��o de produtividade em n�vel Central para os servidores da Funasa/MS cedidos � Sa�de de Goi�s, que fazem jus ao benef�cio.

Segundo os diretores da entidade, Marcos Aur�lio de Oliveira e Vicente Ribeiro, a lei que estipulou a gratifica��o de 40% para os(as) trabalhadores(as) que atuam na SES, em n�vel Central, estende tamb�m aos(�s) servidores(as) cedidos(as) da Uni�o o direito ao pr�mio. “O pr�mio de que se trata esta lei � devido aos servidores estatut�rios, celetistas, comissionados e tempor�rios, bem como aos colocados � disposi��o ou cedidos � Secretaria, que nela estejam em exerc�cio�, explicam.

Presente na reuni�o, o deputado estadual Mauro Rubem refor�ou a solicita��o � secret�ria. “Na �poca que a lei tramitou na Assembl�ia Legislativa, ap�s negocia��o com o governo conseguimos ampliar o benef�cio aos servidores cedidos”, informou. No projeto original do governo, ele seria pago apenas aos servidores efetivos da SES.

A secret�ria Irani Ribeiro afirmou que iria encaminhar o caso imediatamente para aprecia��o por parte da comiss�o criada na SES para avaliar os pagamentos da gratifica��o de produtividade. “De antem�o, a recomenda��o da secret�ria foi para liberar o pagamento da gratifica��o aos(as) servidores(as) cedidos(as)”, informou a dire��o do Sintsep-GO.

VEJA MAIS

dieese deve apontar verba necess ria para garantir acordos em or amento

.

Neste s�bado, dia 10, mais de 260 representantes de servidores de 20 estados (AP, BA, CE, ES, GO, MA, MG, MT, PA, PE, PI, PR, RJ, RN, RR, RS, SC, SE, SP e TO) e o Distrito Federal, participaram de plen�ria nacional na sede da Condsef (Confedera��o dos Trabalhadores no Servi�o P�blico Federal), em Bras�lia. A plen�ria fez um balan�o do movimento de mobiliza��o dos servidores neste primeiro semestre de 2010. Foi tema de muita discuss�o, o processo de negocia��o com o governo que terminou culminando com o �n�o envio� de um projeto de lei (PL) ao Congresso Nacional que atenderia pelo menos 27 categorias. Por unanimidade, os servidores aprovaram a luta para que sejam garantidos recursos na Lei Or�ament�ria Anual (LOA) de 2011 necess�rios ao cumprimento de todos os acordos e compromissos firmados com a base da Condsef. Ser� encomendado � subse��o do Dieese na Condsef um levantamento de qual o montante necess�rio para cumprir tudo que foi acordado com o governo.

Para refor�ar a luta no Congresso por verba or�ament�ria, a Condsef vai convidar outras entidades de categorias que se sentiram lesadas pelo processo negocial instalado na Secretaria de Recursos Humanos (SRH) do Minist�rio do Planejamento. A Condsef tamb�m vai procurar outras categorias prejudicadas para se unir em torno de uma atividade de mobiliza��o em defesa dos servidores e servi�os p�blicos. O objetivo � organizar essa a��o de protesto ap�s recesso parlamentar. Os servidores reclamam do descaso do governo que passou quase sete meses negociando com diversas categorias para ao final do processo decidir n�o encaminhar nenhuma proposta discutida.

Mobiliza��es
Outra forte cr�tica est� na postura do governo em criminalizar a mobiliza��o dos servidores em torno do atendimento de suas principais demandas. Nesta ter�a, 13, a Condsef participa de reuni�o no Planejamento para tratar a situa��o dos servidores do Minist�rio do Trabalho e Emprego (MTE). Na quarta haver� outra reuni�o para debater a situa��o das demais categorias que promoveram mobiliza��o ao longo deste ano. A Condsef vai cobrar devolu��o de dias descontados dos servidores e retirada de qualquer apontamento na folha do servidor que possa prejudicar sua trajet�ria funcional. Um documento repudiando a postura de gestores do Planejamento frente ao processo de negocia��o com servidores tamb�m ser� entregue.

Debatendo o setor p�blico
Em agosto, a Condsef prepara um debate envolvendo presidenci�veis sobre projetos de pol�ticas p�blicas para o Brasil. Os convites est�o sendo feitos. A entidade espera que os candidatos aceitem participar da discuss�o fundamental para estabelecer qual pol�tica para administra��o p�blica defendem os candidatos. Antes, a Condsef deve organizar com suas filiadas um semin�rio sobre �O modelo de Estado que queremos e precisamos�. Outras entidades sindicais tamb�m ser�o convidadas tanto para o semin�rio quanto para o debate com presidenci�veis.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS
  • 1
  • 2