agricultura relat rio final de gt ser conclu do em 8 de fevereiro

.

Nesta quinta-feira (28), a Secretaria de Recursos Humanos (SRH) do Minist�rio do Planejamento, informou � Condsef que o relat�rio final do grupo de trabalho (GT) que discute corre��o de distor��es salariais dos administrativos do Minist�rio da Agricultura (Mapa) ser� conclu�do no dia 8 de fevereiro. Em seguida, o relat�rio ser� encaminhado ao secret�rio de Recursos Humanos, Duvanier Ferreira, para que seja marcada uma agenda efetiva de negocia��es. Na reuni�o, a SRH fez uma apresenta��o sobre a pol�tica de remunera��o do governo envolvendo exposi��o de carreira. A Condsef questionou a apresenta��o, dizendo que ela n�o apontava uma solu��o para as distor��es salariais do Mapa, constatadas, inclusive, pela pr�pria SRH.

Depois de propor algumas altera��es na mem�ria da reuni�o que aconteceu no dia 14 de janeiro, a bancada sindical lembrou que a corre��o das distor��es salariais no Mapa contava com apoio tanto do atual ministro, Reinhold Stephanes, quanto dos ministros que j� passaram pela Pasta. A Condsef lembrou ainda do aviso ministerial 069, onde em 2005 o ministro Paulo Bernardo prometia ao ent�o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, uma solu��o para o ano seguinte (2006) para a situa��o remunerat�ria dos administrativos do Mapa.

A corre��o das distor��es foi defendida pelo representante do Mapa na reuni�o que argumentou serem todas as atribui��es do minist�rio importantes para o cumprimento da miss�o institucional do �rg�o. A Condsef espera que diante de todos os pontos levantados, o relat�rio do GT aponte solu��es que possam ser negociadas e implantadas, atendendo as necessidades de demandas dos servidores.

Por ser ano eleitoral, o governo tem at� abril para encaminhar projetos para vota��o no Congresso Nacional e que envolvam impacto or�ament�rio. Os administrativos do Mapa devem permanecer atentos e mobilizados. A uni�o e press�o em torno do atendimento da pauta de reivindica��es ser� o grande diferencial para que o governo tire do papel demandas ainda n�o atendidas.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

enviada ao planejamento proposta de carreira para arquivo nacional

.

O presidente em exerc�cio, Jos� Alencar, enviou ao ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, proposta de um Plano Especial de Cargos (PEC) para servidores do Arquivo Nacional. A informa��o foi dada pelo coordenador de administra��o do Arquivo, durante reuni�o, nesta quinta-feira (28), na Secretaria de Recursos Humanos (SRH) da qual a Condsef participou. A proposta foi encaminhada a pedido da dire��o do Arquivo e o impacto or�ament�rio para implantar essa nova estrutura remunerat�ria � considerado m�nimo. A coordenadora de Negocia��es da SRH, Eliane Cruz, lembrou, entretanto, que at� o momento a secretaria-executiva n�o se posicionou com rela��o ao montante or�ament�rio para concluir negocia��es. Cruz informou que � orienta��o do secret�rio Duvanier Ferreira, realizar estudo sobre a viabilidade de cria��o de planos de carreira no Arquivo e na Imprensa Nacional.

Uma nova reuni�o para debater as demandas do setor est� agendada para o dia 23 de fevereiro. No encontro desta quinta, a representa��o dos trabalhadores argumentou que a proposta enviada por Jos� Alencar a Paulo Bernardo � coerente e resolveria um problema emergencial da categoria. Os servidores sofrem com uma remunera��o onde 60% do total recebido n�o s�o contados para fins de aposentadoria. A expectativa � de que a proposta emergencial seja inclu�da na medida provis�ria (MP) 479/09. De acordo com Eliane Cruz, a proposta est� em an�lise com o setor de finan�as do Planejamento. A Condsef solicitou que a proposta com os impactos or�ament�rios seja discutida com o secret�rio Duvanier na reuni�o de fevereiro.

Corte de ponto
Outro assunto cobrado foi uma solu��o para o corte de ponto que prejudicou servidores participantes de atividades em defesa do Arquivo Nacional. Cruz informou que o assunto tamb�m ser� discutido entre o secret�rio de Recursos Humanos e a dire��o da Condsef no pr�ximo dia 23 de fevereiro.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

presidente sanciona or amento para 2010

.

Na ter�a-feira (26), o presidente Luiz In�cio Lula da Silva, sancionou a pe�a or�ament�ria para 2010. Logo ap�s, na primeira reuni�o que teve nesta quarta (27) no Minist�rio do Planejamento, a Condsef cobrou a publica��o imediata de Portaria para reajustar o aux�lio-alimenta��o dos servidores do Executivo. Outra demanda � de que o reajuste seja retroativo a 1� de janeiro. No final do ano passado, o relator do or�amento, deputado federal Geraldo Magela, anunciou que R$ 950 milh�es tinham sido reservados no or�amento 2010 para este fim. Com isso, estaria assegurado um reajuste de cerca de 103% no valor do benef�cio de aproximadamente 550 mil ativos.

Hoje o valor no Executivo, al�m de defasado, � diferenciado por regi�o do Pa�s. A Condsef defende ainda a padroniza��o do valor do benef�cio. Sobre isso, o Planejamento chegou a sinalizar a possibilidade de garantir um valor �nico para todos os servidores, independente do local onde residem.

A expectativa � de que a Portaria seja publicada j� na pr�xima semana uma vez que a �nica pend�ncia que impedia o reajuste do benef�cio, segundo o pr�prio Planejamento, era a san��o do or�amento. Como isto esta superado, a Condsef espera agora que a retroatividade seja garantida, j� que a pe�a or�ament�ria prev� o reajuste para os 12 meses de 2010.

Em todas as reuni�es agendadas para esta semana, a Condsef seguir� cobrando o Planejamento informa��es sobre o reajuste no aux�lio-alimenta��o.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef/b>

VEJA MAIS

incra condsef cobra defini o de or amento para que negocia es avancem

.

Nesta quarta-feira (27), a Condsef participou de reuni�o na Secretaria de Recursos Humanos (SRH) do Minist�rio do Planejamento para tratar demandas dos servidores do Incra (Instituto Nacional de Coloniza��o e Reforma Agr�ria). Como ocorreu na reuni�o que aconteceu na parte da manh�, a SRH voltou a informar que as negocia��es n�o poder�o avan�ar enquanto n�o houver sinaliza��o, por parte da Secretaria-Executiva, de montante or�ament�rio para apresentar propostas aos trabalhadores. A Condsef voltou a solicitar que essa defini��o aconte�a j� que diversas negocia��es com setores de sua base est�o em curso e n�o apresentaram avan�os nas �ltimas semanas. As demandas dos servidores do Incra voltar�o a ser discutidas no dia 2 de mar�o, quando est� agendada uma nova reuni�o.

Segundo a coordenadora de Negocia��es e Rela��es Sindicais da SRH, Eliane Cruz, est� em curso uma discuss�o sobre Retribui��o de Titula��o (RT) e Gratifica��o de Qualifica��o (GQ) para servidores do Incra. Nesta quinta, tamb�m de acordo com a SRH, ser� apresentada formalmente � Condsef, proposta sobre aglutina��o de cargos para administra��o p�blica, que interessa tamb�m aos servidores do Incra.

Qualificar e adequar para cumprir miss�o
Na reuni�o, a bancada sindical apresentou uma exposi��o de motivos para implantar tr�s gratifica��es que teriam como objetivo qualificar e adequar os trabalhadores a cumprir a miss�o do Incra. Eliane Cruz informou que este tema vai integrar a agenda de discuss�es da SRH. A respeito do debate sobre a reestrutura��o de carreira do setor, a Condsef se comprometeu a encaminhar uma proposta que ser� debatida na pr�xima reuni�o do dia 2 de mar�o. Todos os demais pontos ainda pendentes das negocia��es com os servidores do Incra tamb�m devem ser discutidos nesta reuni�o.

Por ser ano eleitoral, o governo tem at� abril para encaminhar projetos para vota��o no Congresso Nacional e que envolvam impacto or�ament�rio. Os servidores do Incra devem permanecer atentos e mobilizados. A uni�o e press�o em torno do atendimento da pauta de reivindica��es ser� o grande diferencial para que o governo tire do papel demandas ainda n�o atendidas.

Fonte: Condsef/b>

VEJA MAIS

cultura rt e gq s ser o discutidos quando houver or amento para negocia o

.

A Secretaria de Recursos Humanos (SRH) do Minist�rio do Planejamento voltou a atrelar as negocia��es em curso � defini��o de montante or�ament�rio por parte da Secretaria-Executiva. Em reuni�o ontem, 26, para tratar demandas dos servidores do Minist�rio da Cultura, a coordenadora de Negocia��es, Eliane Cruz, informou que existe orienta��o para discutir Retribui��o de Titula��o (RT) e Gratifica��o de Qualifica��o (GQ), demandas da categoria ainda n�o atendidas. Para avan�ar no di�logo, entretanto, � preciso que o montante or�ament�rio para as negocia��es seja liberado. Como o or�amento foi sancionado pelo presidente Lula nesta ter�a-feira (26), a expectativa � de que este entrave j� tenha sido solucionado a partir da pr�xima semana.

Uma nova reuni�o foi agendada para o dia 26 de fevereiro, quando devem ser retomadas as negocia��es das demandas dos servidores da Cultura. A categoria tamb�m aguarda defini��o sobre aglutina��o de cargos. A SRH informou ainda que nesta quinta, 28, deve apresentar uma proposta formal � Condsef e que valer� para toda a administra��o p�blica.

Uni�o e press�o
Por ser ano eleitoral, o governo tem at� abril para encaminhar projetos para vota��o no Congresso Nacional e que envolvam impacto or�ament�rio. Os servidores da Cultura devem permanecer atentos e mobilizados. A uni�o e press�o em torno do atendimento da pauta de reivindica��es ser� o grande diferencial para que o governo tire do papel demandas ainda n�o atendidas.

Fonte: Condsef

VEJA MAIS

cb t quete maior fica mais perto

.

Embutido nas despesas com pessoal e encargos sociais, o dinheiro reservado pelo Congresso Nacional para o reajuste do aux�lio-alimenta��o dos servidores do Executivo n�o sofreu cortes no Or�amento 2010. A pe�a sancionada pelo presidente Luiz In�cio Lula da Silva preservou os recursos necess�rios para o aumento do t�quete. Agora, para come�ar a valer, basta apenas o Minist�rio do Planejamento baixar portaria determinando os novos valores.

A atualiza��o do vale ter� impacto direto sobre os contracheques de cerca de 550 mil pessoas da administra��o direta, das autarquias e das funda��es. Atualmente, o benef�cio corresponde a R$ 126, R$ 133,19, R$ 143,99 ou R$ 161,99 por m�s, dependendo do estado do pa�s onde o servidor mora. Depois do reajuste, o vale chegar� a R$ 330 � salto de 103%. O relator-geral do Or�amento, deputado Geraldo Magela (PT-DF), indicou na pe�a or�ament�ria R$ 950 milh�es. Segundo ele, o montante est� assegurado.

Congelado
Magela acredita que a portaria que oficializar� o novo valor do benef�cio dever� ser publicada no Di�rio Oficial da Uni�o nos pr�ximos dias. �N�o houve retrocesso entre o que colocamos no Or�amento e o que hav�amos conversado com o governo�, diz. A corre��o no valor do t�quete-refei��o � uma demanda antiga das entidades que representam o funcionalismo federal. O vale do Executivo est� congelado desde 2004 e � o mais baixo entre os Poderes � Legislativo e Judici�rio pagam cerca de R$ 600 por m�s a seus funcion�rios.

Ontem, representantes da Confedera��o dos Trabalhadores no Servi�o P�blico Federal (Condsef) estiveram reunidos com t�cnicos do governo e cobraram a edi��o imediata da portaria que ratifica o aumento do benef�cio. Os sindicatos cobraram tamb�m que os novos valores tenham efeito retroativo a 1� de janeiro. O governo, no entanto, n�o admite essa possibilidade e programa o pagamento a partir de fevereiro, com efeitos nos sal�rios recebidos em mar�o.

As mudan�as no t�quete pago pelo Poder Executivo come�aram a ser discutidas no in�cio de 2009. Na �poca, a Secretaria de Or�amento do Minist�rio do Planejamento realizou estudos com base na infla��o acumulada e no custo da alimenta��o fora de casa em cada regi�o do pa�s. As propostas n�o chegaram a ser conclu�das.

Fonte: Correio Braziliense (28/01/2010)

VEJA MAIS

sintsep go ap ia audi ncia p blica que debateu plano de direitos humanos



.

Com presen�a de servidores da Funai/GO – que falaram sobre a realidade do �rg�o – sindicato conseguiu aprovar mo��o de apoio � revoga��o do Decreto 7.056/09

O Sintsep-GO participou, nesta ter�a-feira (26), de audi�ncia p�blica para debater as formas de defesa dos Direitos Humanos em Goi�s. Promovida e presidida pelo deputado estadual Mauro Rubem, presidente da Comiss�o de Direitos Humanos, Cidadania e Legisla��o Participativa da Assembleia Legislativa, o sindicato aproveitou a ocasi�o para refor�ar a luta em defesa da Funda��o Nacional do �ndio, contra a chamada “reestrutura��o” promovida pelo Decreto governamental n� 7.056/09 – que extinguiu v�rias unidades e postos da Funai nos estados, inclusive em Goi�s. “Conseguimos a aprova��o, por parte de todas as entidades presentes, de uma mo��o de apoio � revoga��o do Decreto n� 7.056, para que seja discutido um processo de reestrutura��o com a participa��o dos servidores e dos �ndios”, informou o presidente do Sintsep-GO, Ademar Rodrigues.

Entre os servidores da Funai presentes, o administrador executivo regional do �rg�o em Goi�s, Edson Beiriz, afirmou que o processo de reestrutura��o foi inconstitucional. �Os �ndios t�m o direito de participar de todos os processos sociais. O Estado rasgou esses direitos e realizou toda a reestrutura��o sem ouvir nenhum funcion�rio da Funai ou algu�m do movimento ind�gena�, criticou.

Al�m de Mauro Rubem, que teve a iniciativa em conjunto com o deputado federal Pedro Wilson, compuseram a mesa do evento o juiz de Direito e diretor do Foro da Comarca de Goi�nia, Carlos Elias da Silva, representando o desembargador Paulo Teles; a delegada da 4� Confer�ncia Municipal da Comiss�o de Direitos Humanos, Lilian Maria Braga Martins, representando a Ordem dos Advogados do Brasil – Goi�s; a superintendente de Direitos Sociais e Inclus�o Social da Secretaria Estadual de Cidadania e Trabalho, Maria Jos� Barcelos, representando o governador Alcides Rodrigues; e a presidente do Conselho da Comunidade na Execu��o Federal, Irm� Petra.

Tamb�m estiveram presentes representantes do Sindsa�de/GO, Funda��o Nacional do �ndio (Funai), Casa da Juventude, Pastoral da Juventude, Ip� Rosa, Comiss�o da Crian�a e do Adolescente, e Conselho Comunit�rio da �rea de Execu��o Penal.

Cr�ticas e Pol�mica
Antes da abertura dos debates, Mauro Rubem afirmou que, apesar das cr�ticas, todas as propostas do Programa foram fruto de ampla discuss�o junto � sociedade. “O objetivo � mostrar que o PNDH-III n�o sofreu modifica��es, e que ele � o resultado de um amplo debate com representantes da sociedade civil”, afirmou o parlamentar.

Questionado por jornalistas sobre pontos pol�micos da proposta, o petista ressaltou que o Programa representa a vontade da sociedade. “As cr�ticas n�o s�o pertinentes. Algumas pessoas querem manter seus privil�gios em setores como o agroneg�cio e imprensa, o que � insustent�vel”, rebateu.

O parlamentar acrescentou que o objetivo do PNDH-III � fazer com que o Brasil tenha um maior compromisso com a Constitui��o Federal e com a Declara��o Universal dos Direitos Humanos. “A base de tudo o que � colocado no PNDH � republicana e civilizat�ria, e representa um avan�o no aperfei�oamento das institui��es do Pa�s”, defendeu.

Imprensa
Durante os debates, foram salientadas algumas das quest�es mais pol�micas do documento, em especial o controle social dos meios de comunica��o. O parlamentar destacou que esta quest�o possui um car�ter exclusivamente t�cnico e j� � praticada em pa�ses do Primeiro Mundo. “Na Europa e nos Estados Unidos existem diversas formas para combater os abusos da imprensa, tendo como base crit�rios exclusivamente t�cnicos. Queremos que os diversos grupos sociais sejam efetivamente representados pela m�dia”, afirmou.

Mauro Rubem tamb�m criticou a postura dos ve�culos de comunica��o em rela��o ao programa. �A comunica��o no nosso Pa�s precisa ser regulamentada. No entanto, nenhum ve�culo de imprensa escreveu o que est� no programa e todos distorceram os eixos do documento, porque pretendem manter seus privil�gios. Ningu�m abriu o debate nesse sentido�, avaliou.

Seguran�a P�blica
Durante a audi�ncia, a assessoria de Mauro Rubem tamb�m apresentou estat�sticas que apontam o crescimento do n�mero de homic�dios na Capital. Segundo os dados apresentados, desde o dia 1� de janeiro deste ano j� foram registrados 45 assassinatos em Goi�nia. Na avalia��o do petista, o Estado enfrenta uma verdadeira “epidemia de assassinatos”.

Mauro Rubem (PT) tamb�m levantou a quest�o da exist�ncia de grupos dentro da Pol�cia envolvidos com criminosos e ressaltou que a estrutura policial em Goi�s ainda � prec�ria e precisa ser melhorada. “N�s, da Comiss�o de Direitos Humanos, sabemos da exist�ncia de uma banda podre na Pol�cia ligada � criminalidade. No PNDH-III h� um cap�tulo inteiro sobre a quest�o da Seguran�a P�blica, que hoje � ineficaz e marcada pela aus�ncia”, criticou.

Finalmente, o representante do desembargador Paulo Teles, presidente do Tribunal de Justi�a de Goi�s, o juiz de direito e diretor do Foro da Comarca de Goi�nia, Carlos Elias da Silva, tamb�m refletiu sobre os t�picos de Seguran�a P�blica abordados pelo programa. ” Manuseei o documento rapidamente e verifiquei que os t�picos ali abordados tratam de assuntos da mais alta relev�ncia. Quero parabeniz�-los pelo conte�do e pela qualidade do debate”, elogiou.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

spu negocia es ser o retomadas em 1 de mar o na srh

.

Terminou sem avan�os a reuni�o que aconteceu nesta ter�a-feira (26), na Secretaria de Recursos Humanos (SRH) do Minist�rio do Planejamento, para tratar demandas dos servidores da SPU (Secretaria do Patrim�nio da Uni�o). Foi feito um breve relato sobre a discuss�o interna que vem ocorrendo na SPU para criar uma gratifica��o de exerc�cio e reajuste escalonado na chamada GIAPU. A bancada sindical apresentou diagn�stico sobre a estrutura remunerat�ria da categoria, mostrando as distor��es salariais que existem entre SPU em rela��o �s tabelas do PGPE que recebem GSISTE e GSISPE. Foram mencionadas ainda as distor��es criadas pelo projeto de lei (PL) 5920/09. Novamente, a SRH alegou n�o ter condi��o de apresentar propostas, j� que a secretaria-executiva do Planejamento ainda n�o definiu or�amento para este fim. Ficou agendada para o dia 1� de mar�o uma nova reuni�o para dar prosseguimento �s negocia��es.

A Condsef sugeriu que a reuni�o contasse com a presen�a de representantes da secretaria-executiva, SRH e SPU. O objetivo seria discutir o plano de carreira e a estrutura remunerat�ria dos servidores da SPU. A prioridade da categoria � que seja implantado um plano de carreira no setor. O reajuste da GIAPU e a cria��o de uma gratifica��o fixa, como tamb�m a reestrutura��o da remunera��o para os trabalhadores conforme PL 5920/09, s�o medidas emergenciais necess�rias para corrigir as distor��es salariais que prejudicam a categoria.

A expectativa � de que a reuni�o agendada para mar�o gere avan�os no processo de negocia��o. Os servidores da SPU devem permanecer atentos ao processo.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

pecfaz sem solu o para pend ncias simples condsef protesta na srh

.

Nesta segunda-feira, dia 25, a Condsef participou de mais uma reuni�o na Secretaria de Recursos Humanos (SRH) do Minist�rio do Planejamento para negociar solu��es de problemas que atingem servidores administrativos do Minist�rio da Fazenda (PECFAZ). A demora em incorporar a GAE ao Vencimento B�sico (VB) dos servidores de n�vel auxiliar do PECFAZ foi alvo de protestos. O problema se arrasta desde 2008. A Condsef argumentou que algo t�o simples n�o deveria se arrastar por tanto tempo, prejudicando servidores sem necessidade. Diante da indigna��o com o que est� sendo considerado descaso aos trabalhadores, a diretora do Departamento de Rela��es de Trabalho, Marcela Tapaj�s, solicitou prazo de dez dias para resolver a situa��o. Uma nova reuni�o foi agendada para o dia 5 de fevereiro.

Proposta para aglutina��o ser� apresentada
A Condsef defende que o Planejamento garanta o pagamento dos valores atrasados a esses servidores assim que a situa��o for sanada. Al�m do problema com a incorpora��o da GAE ao VB dos servidores de n�vel auxiliar do PECFAZ, a quest�o envolvendo aglutina��o de cargos tamb�m segue sem nenhuma defini��o. Segundo a SRH, no dia 28 de janeiro ser� apresentada formalmente � Condsef proposta que valer� para todas as carreiras do Executivo.

Tabela 2010
J� a apresenta��o de uma proposta de tabela salarial para 2010 s� poder� ser feita quando a secretaria-executiva do Planejamento souber o valor or�ament�rio que ser� disponibilizado para negocia��es. Uma nova reuni�o foi agendada para o dia 24 de fevereiro. A expectativa da SRH � de que at� l� j� exista uma defini��o da secretaria-executiva a respeito do assunto.

Por ser ano eleitoral, o governo tem at� abril para encaminhar projetos para vota��o no Congresso Nacional e que envolvam impacto or�ament�rio. Os servidores do PECFAZ devem permanecer atentos e mobilizados. A uni�o e press�o em torno do atendimento da pauta de reivindica��es ser� o grande diferencial para que o governo tire do papel demandas ainda n�o atendidas.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

servidores do meio ambiente param atividades por 24 horas

.

Nesta quarta-feira, 27, servidores do Minist�rio do Meio Ambiente (MMA), Ibama, Instituto Chico Mendes e Servi�o Florestal Brasileiro paralisam suas atividades por 24 horas em todo o Brasil. A atividade foi aprovada no �ltimo encontro nacional da categoria realizado na sede da Condsef e busca chamar aten��o do governo para a necessidade de reestruturar as carreiras ligadas ao meio ambiente. Em Bras�lia, os servidores se mobilizam a partir das 8 horas. Uma concentra��o em frente � sede do MMA, no bloco B, est� prevista para as 11 horas. Em seguida, ap�s reuni�o que deve discutir a��es estrat�gicas para defender as demandas do setor, os servidores v�o para frente do Minist�rio do Planejamento pressionar para que a proposta de reestrutura��o de carreira encaminhada pelo ministro Carlos Minc ao ministro Paulo Bernardo seja implantada. A �ltima manifesta��o dos servidores do meio ambiente mobilizou 17 estados. A expectativa � de que amanh� esse n�mero seja ampliado.

Al�m de lutar por melhorias nas condi��es de trabalho, os servidores defendem uma legisla��o pol�tica ambiental brasileira mais eficiente. Nos �ltimos anos, brechas nessa pol�tica possibilitaram o avan�o de problemas ambientais causados por setores que buscam conquistar o lucro a qualquer custo e alegam que o meio ambiente atrapalha o desenvolvimento. Os servidores procuram mostrar para a sociedade que � poss�vel ocorrer desenvolvimento de forma qualificada sem a necessidade de agress�o ao meio ambiente.

Os trabalhadores denunciam ainda o esvaziamento dos �rg�os ligados � prote��o do meio ambiente com o Estado tirando atribui��es funcionais importantes para o setor. A discuss�o sobre reestrutura��o da carreira passa pela intensifica��o da defesa do meio ambiente, e a Condsef e suas filiadas seguir�o apoiando e � frente dessa luta.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS