comunicado popula o

.

O Sindicato dos Trabalhadores no Servi�o P�blico Federal em Goi�s comunica � popula��o que os trabalhadores da Superintend�ncia Regional do Trabalho e Emprego em Goi�s, �rg�o regional do Minist�rio do Trabalho e Emprego � MTE, reunidos em Assembl�ia Geral no �ltimo dia 30, decidiram decretar a paralisa��o coletiva da presta��o de servi�os, por tempo indeterminado, a partir da zero hora de 5 de novembro (quinta-feira), em face de negocia��es frustradas para cumprir uma pauta constru�da ao longo destes anos com o Minist�rio do Planejamento, Or�amento e Gest�o – MPOG e com o Minist�rio do Trabalho e Emprego � MTE.

A decis�o dos companheiros da sede da Superintend�ncia Regional do Trabalho e Emprego de Goi�s, da Ger�ncia Regional do Trabalho e Emprego de An�polis, bem como dos demais munic�pios, � consciente, pois n�o podem mais permitir que as autoridades que dirigem os Minist�rios do Planejamento e o Minist�rio do Trabalho e Emprego continuem a desrespeitar os trabalhadores e a popula��o, adiando e se esquivando indefinidamente do processo de discuss�o com a categoria.

Durante a greve ser�o mantidos apenas os servi�os considerados inadi�veis, segundo os preceitos da lei.

Agradecemos antecipadamente a compreens�o e a solidariedade da popula��o.

Goi�nia-GO, em 30 de outubro de 2009

Ademar Rodrigues de Souza
Presidente do SINTSEP-GO

VEJA MAIS

dia do servidor marca reabertura de negocia es com dnit

.

Na quarta-feira (28), quando se comemorou o Dia do Servidor P�blico, uma reuni�o no Minist�rio do Planejamento marcou a reabertura do processo de negocia��es dos servidores do Dnit (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes). Condsef, Planejamento e Dnit discutiram prioridades da pauta que volta a ser negociada ap�s mais de quatro meses parada. Representantes do governo defenderam que o processo come�asse a partir do que foi produzido pelo grupo de trabalho (GT) do setor. A Condsef defendeu que fossem priorizados temas de maior urg�ncia para a categoria que incluem discuss�o sobre o Projeto de Lei (PL) 5.917/09, encaminhado ao Congresso Nacional sem aprova��o dos trabalhadores, al�m da discuss�o sobre devolu��o de dias descontados no sal�rio de servidores que participaram de greve no ano passado.

Como o relat�rio final do GT do Dnit (confira aqui) j� foi assinado, o processo de negocia��o que come�ou oficialmente a partir desta quarta � efetivo. Esse relat�rio cont�m as quest�es que servir�o de base para os debates de interesse do Dnit. A expectativa � de que haja avan�os nas demandas represadas desde junho.

Ap�s ponderar sobre a necessidade de discutir a estrutura remunerat�ria do Dnit, j� que n�o houve consenso no di�logo entre a categoria e o governo no que diz respeito ao PL 5.917, o governo concordou em come�ar a discuss�o a partir desse ponto. Entre os problemas do PL, a Condsef destacou que o projeto provocou a redu��o de Vencimento B�sico de alguns servidores do Dnit. Com o aux�lio de sua subse��o do Dieese, a Condsef vai encaminhar ao Planejamento documento onde aponta as quest�es prejudiciais deste PL.

Prioridade nos temas mais urgentes est� garantida
A pr�xima reuni�o est� agendada para o dia 18 de novembro e prioriza os pontos solicitados pela Condsef. Na ocasi�o o governo se comprometeu a apresentar seu pensamento sobre o debate do corte de ponto, bem como sobre o PL 5.917.

Entre as demais pend�ncias que ser�o debatidas ao longo deste processo de negocia��o est�o quest�es envolvendo progress�o, promo��o e discuss�o sobre o decreto de reestrutura��o do Dnit. Quando a quest�o que trata da for�a de trabalho do setor passar a ser o centro da pauta ser�o discutidos, entre outras quest�es, reestrutura��o de carreira, realiza��o de concurso p�blico, cria��o de gratifica��o de qualifica��o e racionaliza��o de cargos.

A reabertura do processo de negocia��o � fruto da capacidade de mobiliza��o dos servidores do Dnit. A Condsef recomenda que ao longo de todo esse processo a categoria permane�a firme para cobrar a efetiva implanta��o e cumprimento das principais demandas do setor.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

aprovado b nus de desempenho para servidores do dnit

.

O Plen�rio aprovou nesta ter�a-feira (27) o Projeto de Lei 5245/09, do Poder Executivo, que concede o B�nus Especial de Desempenho Institucional (Besp/Dnit) aos servidores em atividade no Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes. A mat�ria ser� votada ainda pelo Senado.

O texto aprovado incorporou emendas dos relatores das comiss�es de Finan�as e Tributa��o; e de Educa��o e Cultura, deputados Aelton Freitas (PR-MG) e F�tima Bezerra (PT-RN), respectivamente.

Uma das mudan�as diminui o valor total do b�nus devido ao envio ao Congresso do PL 5917/09, do Executivo, que reestrutura a remunera��o dos servidores do �rg�o com previs�o de efeitos financeiros a partir de 1� de janeiro de 2010.

Dessa forma, ser� pago apenas o b�nus referente a 2009 em valor que representa a diferen�a entre a nova tabela prevista no PL 5917/09 e a tabela atual. Segundo o governo, a medida beneficiar� 2.947 servidores.

Os cargos de n�vel superior ter�o direito a b�nus total de R$ 28.705,18; os de n�vel intermedi�rio, R$ 12.295,26; e os de n�vel auxiliar, R$ 3.231,87. Os valores referem-se a metas a serem estabelecidas para o per�odo de 1� de janeiro de 2009 a 30 de abril de 2010 e n�o se incorporam ao sal�rio normal para qualquer efeito.

As metas ser�o apuradas a cada quatro meses e os resultados dever�o ser divulgados, inclusive na p�gina eletr�nica do DNIT. Os servidores do �rg�o somente ter�o direito ao b�nus se as metas forem superadas em �ndice a ser definido em regulamento. Caso n�o ocorra a supera��o de metas, o dinheiro antecipado dever� ser devolvido.

Projeto reabre prazo para carreira previdenci�ria
O projeto tamb�m reabre, at� 31 de dezembro de 2009, o prazo de op��o pela Carreira Previdenci�ria, criada em 2004. O novo prazo valer� para os servidores do Plano de Classifica��o de Cargos (PCC), do Plano Geral de Cargos do Poder Executivo, ou de planos correlatos, desde que lotados no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Fonte: Ag�ncia C�mara

VEJA MAIS

11 de novembro 6 marcha da classe trabalhadora em bras lia



.

A CUT e centrais sindicais de todo o pa�s realizam no pr�ximo dia 11 de novembro a 6� Marcha da Classe Trabalhadora – principal mobiliza��o do movimento sindical brasileiro desde 2004, quando foi realizada a 1� Marcha Nacional do Sal�rio M�nimo, e que em 2005 deu in�cio a maior s�rie de aumentos reais para o m�nimo nas �ltimas duas d�cadas.

Em Goi�s, a meta � levar cerca de quatro mil trabalhadores � Esplanada dos Minist�rios. Para isso, a CUT-GO vai disponibilizar 100 �nibus para transportar os(as) trabalhadores(as). O Sintsep-GO participa da mobiliza��o, junto com a Central �nica, convocando os(as) servidores(as) p�blicos(as) federais em Goi�s para esta empreitada.

Neste ano de 2009, a 6� marcha tem como principal bandeira a redu��o da jornada de trabalho sem redu��o de sal�rios, que o movimento sindical quer ver aprovada pelo Congresso ainda neste semestre. Junto com a Condsef, o Sintsep-GO reivindica do governo o cumprimento dos acordos, o que inclui as seguintes pautas: reabertura das negocia��es; planos de carreira; novas tabelas salariais; reajuste no aux�lio-alimenta��o; reajuste nos valores da assist�ncia � sa�de; paridade ativo-aposentado-pensionista; contrata��o dos servidores aprovados em concursos e data-base para os servidores federais.

Para participar, entre em contato com o Sintsep-GO (0800-642-2010) e dizer que voc� quer participar da 6� Marcha da Classe Trabalhadora, em Bras�lia. At� agora, n�o h� defini��o sobre a quest�o da alimenta��o (se ficar� � cargo das entidades, ou de cada participante). Portanto, de forma preventiva, leve dinheiro suficiente para o seu gasto com alimenta��o.

VEJA MAIS

28 de outubro dia do funcion rio p blico

.

Nesta quarta-feira, 28 de outubro, servidores de todo o pa�s celebram o Dia do Funcion�rio P�blico. A comemora��o faz refer�ncia ao Estatudo do Funcion�rio Civil da Uni�o, assinado pelo presidente Get�lio Vargas nessa mesma data, em 1939.

Setenta anos depois, muitos servidores lutam contra o processo de precariza��o das condi��es de trabalho e pela implementa��o de um sistema de negocia��o no setor.

No Brasil h� cerca de 8 milh�es de funcion�rios p�blicos e apesar do governo federal ter freado o enxugamento de trabalhadores – no final do governo de Fernando Henrique totalizam 599 mil e em 2009, somam mais de 1 milh�o – o n�mero ainda � reduzido.

Segundo dados do IPEA (Instituto de Pesquisa Econ�mica Aplicada), o percentual de servidores brasileiros n�o atinge 13% do total de empregados no Brasil, n�mero inferior a todos os pa�ses do Mercosul, apesar dessas na��es serem muito menos populosas.

Precariza��o
“Esses n�meros servem para desmitificar a leitura de grandes meios de comunica��o que apontam o Estado como uma m�quina inchada, que tem gastos excessivos. Entre 2002 e 2006, o governo federal gastava em torno de 36% da receita l�quida com pessoal e de 2006 para c�, passou a usar 29%”, destaca Pedro Armengol, diretor executivo nacional da CUT e Secret�rio de finan�as da Condsef (Confedera��o dos Trabalhadores no Servi�o P�blico Federal).

Armengol destaca que a propor��o de oito servidores para cada mil brasileiros � resultado do processo de gest�o empregado at� h� pouco no Brasil, que determina a precariza��o da sa�de, da seguran�a e da educa��o p�blicas.

OS e Funda��o Estatal
Secret�ria de Rela��es de Trabalho da CUT Nacional e uma das autoras do livro “Terceiriza��o no Brasil: do discurso da inova��o � precariza��o do trabalho”, Denise Motta Dau explica a concep��o desse modelo de governo. “Nos anos 1990, imperou a concep��o de que o Estado n�o precisa se responsabilizar por pol�ticas p�blicas essenciais � popula��o e pode delegar isso a outras institui��es, ao contr�rio da inclus�o social por meio de pol�ticas p�blicas que a CUT defende historicamente”.

Para Denise, essa vis�o ainda impera nos estados e munic�pios. “Um exemplo gritante � o Estado de S�o Paulo, onde organiza��es sociais, as chamadas OSs, substituem a gest�o p�blica, em especial na �rea da sa�de, causando um grande preju�zo � popula��o, que � afetada pela piora no atendimento”, explica.

Como s�o institui��es privadas voltadas ao lucro, ressalta a dirigente, as OSs selecionam quem e quais especialidades ir�o atender. A rotatividade dos trabalhadores interfere tamb�m na qualidade do atendimento � popula��o.

Mesmo ressaltando a valoriza��o do servidor por parte do governo federal por meio do aumento do quadro de servidores, Denise Motta Dau tamb�m critica o projeto de Funda��o Estatal de Direito Privado, “Mesmo sem transferir a gest�o das �reas sociais para a iniciativa privada, a cria��o das funda��es vai dificultar o controle da sociedade civil, como prev� o SUS (Sistema �nico de Sa�de)”.

151 e greve
Pedro Armengol acredita que a ratifica��o da Conven��o 151 – negocia��o no servi�o p�blico – da OIT (Organiza��o Internacional do Trabalho), aprovada pela C�mara e tramitando no Senado, ser� fundamental para democratizar as rela��es de trabalho no Brasil. “J� estamos cobrando os senadores pela aprova��o e iremos pressionar o Executivo para adequar a legisla��o brasileira � conven��o. Isso certamente criar� um ambiente pol�tico para democratizar a negocia��o no setor p�blico”, acredita.

Ap�s suspenderem as atividades por 48 horas nos dias 15 e 16 de outubro e marcharem na esplanada dos Minist�rios, no dia 22, os funcion�rios p�blicos de todo o pa�s voltar�o a cruzar os bra�os nos dias 11 e 24 de novembro para exigir reabertura das negocia��es, planos de carreira, novas tabelas salariais, reajuste no aux�lio-alimenta��o e nos valores da assist�ncia � sa�de, paridade ativo-aposentado-pensionista e contrata��o dos servidores aprovados em concursos.

VEJA MAIS

em luta pela insalubridade

.

No �ltimo dia 10 de outubro, ap�s reuni�o com a coordena��o de RH da Funasa em Goi�s, o Grupo de Apoio ao Servidor Cedido iniciou um amplo trabalho de levantamento e avalia��o dos servidores que ficaram fora da portaria governamental que confere direito � insalubridade.

At� o momento, o trabalho do grupo � feito em parceria com a Funasa e com os N�cleos de Apoio ao Servidor Cedido (Nasce) � detectou que v�rios servidores dos munic�pios de Formosa, Ceres, Jata�, Morrinhos, Regionais de Sa�de e o pr�prio munic�pio de Goi�nia � por ocuparem a fun��o de supervisor, gerente de endemias e motorista � ficaram fora da portaria.

No entanto, segundo o RH do �rg�o em Goi�s, os servidores que ocupam as fun��es de motorista, supervisor e gerente de endemias � que ficaram sem acesso � insalubridade � ser�o imediatamente convocados para refazerem suas fichas, de modo que todos aqueles que estejam efetivamente atuando na �rea de controle de vetores n�o sejam prejudicados.

Segundo a Funasa, todas as fichas refeitas ser�o encaminhadas � Bras�lia, para que sejam modificados alguns itens do laudo insalubridade, entre eles o impedimento sobre o ganho da insalubridade por parte dos motoristas, gerentes de endemias e supervisores de endemias.

VEJA MAIS

plen ria aprova calend rio de atividades com manuten o de forte mobiliza o



.

Maioria dos servidores opta por suspender o indicativo de greve, apontado para 11 de novembro, em virtude de reuni�es pr�-agendadas com o Planejamento. Mobiliza��es, no entanto, permanecem intensas

Cerca de 250 representantes de servidores federais se reuniram neste s�bado, 24, na plen�ria nacional da Condsef. Com participa��o de 21 estados e o Distrito Federal, servidores de Goi�s e de todo o Brasil votaram e aprovaram um calend�rio de atividades que mant�m a forte mobiliza��o da categoria em todo o pa�s. Um eixo de lutas tamb�m foi definido. A agenda de atividades j� pensa em 2010. Uma nova plen�ria da Condsef est� apontada para a 2� quinzena de fevereiro. A mobiliza��o mantida desde 1� de outubro rendeu o compromisso do governo em reabrir as negocia��es. Na expectativa de que as reuni�es pr�-agendadas com o Minist�rio do Planejamento tragam avan�os concretos �s negocia��es pendentes, a maioria dos servidores optou por suspender o indicativo de greve apontado para 11 de novembro. As mobiliza��es, no entanto, permanecem intensas.

Em encontro setorial, realizado na sexta, 23, os servidores do Minist�rio do Trabalho e Emprego (MTE) decidiram aprovar uma greve por tempo indeterminado a partir do dia 5 de novembro. A Condsef e suas filiadas dar�o todo o suporte necess�rio � luta dos trabalhadores do MTE pelo atendimento de suas justas reivindica��es. Na agenda aprovada neste s�bado pela maioria da base da Condsef, nos dias 11 e 24 de novembro, as categorias voltam a realizar paralisa��es de 24 horas em todo o Brasil.

Os setores seguem vig�lia permanente em defesa do cumprimento de todos os acordos e compromissos firmados pelo governo. No dia 28 de novembro, a Condsef realiza encontro de seu Conselho Deliberativo de Entidades (CDE) onde avalia se houve avan�o no processo de negocia��o e discute os rumos do movimento de mobiliza��o dos servidores.

Confira calend�rio de mobiliza��o dos servidores da base da Condsef:
:: 5 de novembro
Greve por tempo indeterminado no MTE

:: 11 e 24 de novembro
Paralisa��o de 24 horas da base da Condsef em todo o Brasil

:: 28 de novembro
Reuni�o do CDE na sede da Condsef, em Bras�lia

:: 2� quinzena de fevereiro de 2010
Realiza��o de nova plen�ria nacional da Condsef

Veja a seguir o eixo de lutas aprovado pela plen�ria nacional da Condsef. Defenda suas bandeiras:
-Reabertura das negocia��es j�!
-Planos de carreira j�!
-Novas tabelas salariais
-Reajuste no aux�lio-alimenta��o
-Reajuste nos valores da assist�ncia � sa�de
-Paridade ativo-aposentado-pensionista
-Contrata��o dos servidores aprovados em concursos
-Data-base para os servidores federais

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

mpf abre procedimento para analisar acordos firmados entre governo e condsef

.

O Minist�rio P�blico Federal (MPF) solicitou, por meio de of�cio enviado no in�cio desta semana, c�pia dos acordos firmados entre governo e Condsef. O MPF abriu procedimento (n�. 1.16.000.003273/2009-37) para analisar a n�o celebra��o de diversos acordos e compromissos firmados pelo governo com servidores federais entre 2007 e 2009. A Condsef vai encaminhar � procuradora da Rep�blica, Anna Carolina Maia, c�pia dos documentos solicitados na pr�xima ter�a-feira, dia 27. A solicita��o do Minist�rio P�blico � uma resposta ao of�cio (confira aqui minuta do documento) encaminhado pela entidade no dia 16 de setembro.

Ao MPF, a Condsef defendeu que a celebra��o de �termos de acordo� por autoridades administrativas �faz nascer a obriga��o de dar fiel cumprimento a eles�. Na argumenta��o a entidade disse ainda que a omiss�o de provid�ncias no sentido de garantir o cumprimento desses acordos implica em les�o ao princ�pio constitucional da moralidade. A Condsef acionou o Minist�rio P�blico buscando meios legais capazes de assegurar os acordos e compromissos firmados com diversos setores de sua base.

Apesar de ter conseguido, na �ltima sexta-feira, o compromisso do governo em reabrir as negocia��es, a mobiliza��o dos servidores da base da Condsef deve permanecer intensa. Ainda h� muito que avan�ar. A expectativa � de que as reuni�es pr�-agendadas com o Minist�rio do Planejamento tragam avan�os concretos �s negocia��es pendentes. A determina��o dos servidores e disposi��o para a luta ser�o os diferenciais necess�rios para assegurar o respeito do governo e cumprimento de todos os acordos e compromissos firmados com diversas categorias.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

plen ria da sa de define calend rio de lutas e mobiliza o at 2010

.

Mais de 120 representantes de servidores do Minist�rio da Sa�de e suas vinculadas participaram na sexta-feira (23) da plen�ria do setor. O encontro, que aconteceu na sede da Condsef teve presen�a de Goi�s e mais 16 estados (RJ, RS, MA, BA, PA, CE, PB, MS, RN, MG, PR, RR, MT, AP, PE, TO), al�m do Distrito Federal. Foram debatidos os principais problemas que afetam os servidores atualmente. Entre os encaminhamentos, um calend�rio de atividades e mobiliza��o – j� pensando em 2010 – foram definidos para tentar solucionar esses problemas. Os itens foram levados e referendados na plen�ria nacional da Condsef, ocorrida no s�bado, 24.

Entre as a��es programadas est� um Dia Nacional de Lutas que deve acontecer dia 10 de novembro. Pensando no processo de mobiliza��o do pr�ximo ano, os servidores propuseram tamb�m um ato nacional do setor da sa�de para a 2� quinzena de fevereiro de 2010.

A categoria defende que o grupo de trabalho (GT) da Carreira da Previd�ncia, Sa�de e Trabalho (CPST) separe o debate das carreiras que possuem atribui��es completamente distintas. Entre os objetivos est� tamb�m a discuss�o sobre aglutina��o de cargos e lutar por uma tabela salarial nos moldes do Seguro Social.

Confira eixos de luta aprovados pela plen�ria setorial dos servidores da Sa�de:

– Reestrutura��o do Plano de Carreira J� (RT e GQ)
– Lota��o no Minist�rio da Sa�de J�
– Aumento da Gacen J�
– Instala��o do GT da Anvisa J�
– Atendimento imediato das reivindica��es dos servidores do Datasus
– Reabertura do prazo para a CPST
– Extens�o da Gacen para os cargos que atuam no Combate e Controle de Endemias
– Paridade entre ativos e aposentados

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

press o de servidores garante reabertura de negocia es com governo



.

Ainda h� muito que avan�ar. Mas a mobiliza��o intensa e forte press�o dos servidores federais em Goi�s e todo o Brasil – que culminou na quinta-feira (22) com uma marcha na Esplanada dos Minist�rios e manifesta��o em frente ao Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede provis�ria da Presid�ncia da Rep�blica – surtiu efeito. Pela manh�, a atividade na Esplanada reuniu mais de duas mil pessoas que vieram em caravanas de filiadas � Condsef de diversos estados. As manifesta��es de protesto que v�m sendo feitas desde o in�cio de outubro, em defesa do cumprimento de acordos e compromissos firmados renderam, nesta quinta-feira, a reabertura do processo de negocia��es com o governo. Condsef e CUT foram recebidas pelo secret�rio-executivo do Planejamento, Jo�o Bernardo Bringel.

Na reuni�o, Bringel falou sobre o reajuste no aux�lio-alimenta��o. O assunto foi centro dos coment�rios esta semana, depois que o relator do or�amento, deputado Geraldo Magela, disse ter garantido cerca de R$900 milh�es para reajustar o benef�cio dos servidores do Executivo. De acordo com o Planejamento, o reajuste deve mesmo ficar apenas para 2010. A luta pela equipara��o dos valores pagos aos servidores dos Tr�s Poderes deve continuar. Ao que tudo indica, a inten��o do governo � garantir percentual de reajuste por volta de 103%. Como o aux�lio est� bastante defasado, a Condsef defende que este reajuste pode ser melhorado para atender as demandas de cerca de 540 mil servidores em todo o Brasil.

GT�s � J� foram agendadas reuni�es para tratar quest�es pendentes dos servidores do Dnit (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes) e administrativos do Minist�rio da Fazenda. As reuni�es para esses dois setores, que j� possuem o relat�rio final de seu grupo de trabalho (GT), est�o confirmados para os dias 28 de outubro e 3 de novembro, respectivamente. O secret�rio-executivo pediu quinze dias para a Condsef at� que o novo ministro da AGU seja definido. A partir da�, ser� poss�vel retomar as negocia��es tamb�m para esse setor.

Bringel garantiu tamb�m a finaliza��o de relat�rios de GT�s de outros oito setores. Os servidores do Ibama tamb�m podem aguardar o fechamento de seu relat�rio. Esse processo de finaliza��o � fundamental. Sem os relat�rios dos grupos de trabalho n�o se pode iniciar nenhuma mesa de negocia��o efetiva. Essas reuni�es tamb�m j� est�o pr�-agendadas. A Condsef seguir� divulgando informa��es de todo esse processo de reabertura de negocia��es.

O GT da Carreira de Previd�ncia, Sa�de e Trabalho (CPST) j� est� instalado e segue com suas reuni�es. Foi assegurada ainda, a instala��o do GT dos servidores das Ag�ncias Reguladoras, com data a ser definida. Bringel falou brevemente e se comprometeu a conversar com o ministro Paulo Bernardo sobre possibilidade da reabertura de prazo para inclus�o de cerca de 36 mil servidores que est�o de fora da carreira da CPST.

Bringel se comprometeu a conversar com Paulo Bernardo tamb�m para abrir uma agenda de negocia��es para servidores administrativos do Minist�rio da Justi�a, servidores do PGPE lotados no Minist�rio da Defesa e Tecnologia Militar.

A reuni�o desta quinta sinaliza o rein�cio do processo de negocia��es com o governo. Isso n�o significa que as demandas e cl�usulas pendentes dos setores est�o garantidas. Por isso, o processo de mobiliza��o intenso deve continuar. Mesmo porque � justamente esse processo e forte poder de press�o que garantem aos servidores a aten��o necess�ria para os problemas ainda n�o solucionados e garantir acordos n�o cumpridos.

Plen�ria deve debater reabertura
Neste s�bado, o Sintsep-GO participa da plen�ria nacional da Condsef, que vai discutir a reabertura do espa�o de negocia��o com o governo. A Condsef n�o vai abrir m�o de retomar as negocia��es e dos compromissos firmados, como s�o os casos dos setores de Ci�ncia e Tecnologia, administrativos da Agricultura e tamb�m da tabela remunerat�ria do PGPE.

Um indicativo est� apontado para o dia 10 de novembro e tamb�m ser� votado durante a plen�ria. A determina��o dos servidores e disposi��o para a luta s�o os diferenciais necess�rios para assegurar o respeito do governo pelos servidores da base da Condsef.

Os dias 1�, 15 e 16 de outubro e a marcha desta quinta-feira, dia 22, ficar�o na hist�ria do movimento de mobiliza��o dos servidores da base da Condsef. A dire��o da entidade, bem como o Sintsep-GO, parabenizam a todos os envolvidos nesses processos, fundamentais para avan�ar nas negocia��es com o governo. A participa��o em massa dos servidores em praticamente todos os estados � um feito a ser comemorado, uma vit�ria da classe trabalhadora que a Condsef, suas filiadas e CUT t�m orgulho de representar.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS