dtt esta matando trabalhadores da ex sucam hoje funasa

.FOTOS HISTÓRICAS: 01 FOTO 02 FOTO 03 FOTO 04 FOTO

Estes foram os servidores da Campanha de Erradicação da Malária (CEM) e da extinta SUCAM, que erradicaram a malária em muitos Estados do Brasil. Para isso, eles utilizaram o já proibido DDT (com 75% de veneno) – na época sem os equipamentos básicos de proteção (máscara, botas e luvas) determinados atualmente pela legislação, para produtos considerados muito menos agressivos que o próprio DDT.

O resultado disso é que, agora, o DDT esta erradicando a saúde e a vida destes trabalhadores. Queremos que o Governo Federal se responsabilize por estes servidores. Muitos deles, literalmente, deram suas vidas para combater a malária. Aqueles que conseguiram se aposentar enfrentam hoje as conseqüências da utilização dos produtos com os quais trabalhavam, o veneno, que era manipulado com suas próprias mãos.

VEJA MAIS

mito do inchaco na maquina publica cai por terra com estudo do ipea

.

Dados que a maioria dos servidores públicos no Brasil conhece e sente na pele no dia a dia de seu trabalho foram divulgados em estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea). Da mesma forma que o levantamento encomendado pelo Sintsep-GO ao Dieese apontou o deficit gritante de servidores federais no estado (clique para ler a matéria), o estudo faz o mito do “inchaço” na máquina pública cair por terra e mostra que falta mão de obra para trabalhar no setor público no país. A taxa de trabalhadores públicos na faixa economicamente ativa é de 10,7% e está entre as menores do mundo. Os dados são de 2005. Mas para a Condsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal) a realidade continua a mesma hoje, mostrando que a abertura de concursos e os investimentos públicos são essenciais para dar conta de atender a população com serviços públicos de qualidade.

Essa também foi a conclusão a que chegou o Ipea. Para o pesquisador do instituto, Fernando Mattos, o estudo mostra a necessidade de ampliar o acesso dos brasileiros aos serviços públicos, além de ampliar o quadro de pessoas que realizam esses serviços. A pesquisa revelou que em países desenvolvidos como Dinamarca e Suécia a relação de servidores trabalhando para o Estado é de mais de 30% da população economicamente ativa. Na América Latina o Brasil ocupa apenas a 8ª posição dessa relação população/servidores.

Para a Condsef esse quadro mostra que o país não investe de forma adequada na contratação de servidores e conseqüentemente prejudica a qualidade dos serviços públicos oferecidos à população. “É importante que esta pesquisa esclareça para a sociedade que a qualidade dos serviços prestados à população como saúde, educação, segurança, e outras áreas essenciais, está diretamente ligada à falta de estrutura oferecida pelo próprio Estado à sociedade”, diz Sérgio Ronaldo da Silva, diretor da Condsef.

Qualificação e mão de obra caminham juntas
A Condsef entende também a necessidade de o Estado promover a permanente qualificação dos servidores que atuam no setor público. “Para levar a qualidade dos serviços públicos à população é preciso unir a mão de obra necessária à qualificação permanente daqueles que atuam para prestar serviços à sociedade”, reforçou Silva.

Nas conferências regionais de Recursos Humanos que estão acontecendo nas cinco regiões do Brasil e que preparam a 1ª Conferência Nacional da Administração Pública, a Condsef e suas entidades filiadas defendem a ampliação dos concursos e uma política eficaz de qualificação para os servidores. “É papel do Estado assegurar investimentos para que os impostos pagos pelo contribuinte sejam revertidos em serviços de qualidade”, defendeu Sérgio Ronaldo.

Propostas para melhorar a administração pública
Os números divulgados pelo Ipea dão força para justificar muitas reivindicações feitas pelos servidores públicos. A entidade discutirá esses dados na Conferência Nacional de Recursos Humanos que acontece em Brasília entre os dias 6 e 9 de julho. Veja aqui documento da Condsef e suas filiadas que propõe a defesa do ponto de vista dos trabalhadores públicos nos diversos temas que serão debatidos para melhorar a administração pública no país.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

servidores que tiveram descontos indevidos estao proximos de ressarcimento

.

Planejamento determina que trabalhadores da Funasa que concorreram às eleições municipais de 2008 – e que tiveram descontos indevidos em suas gratificações de desempenho – sejam ressarcidos pelo órgão

Parece que o problema dos servidores da FUNASA que concorreram às eleições municipais de 2008 está próximo de ser resolvido. Nesta quarta (25), a Condsef – ao questionar o MPOG sobre as providências que estão sendo tomadas para reverter os descontos indevidos que foram feitos na Gratificação de Desempenho destes servidores – recebeu a resposta de que o Ministério já enviou à Funasa uma determinação para que corrija as situações desses servidores.

No mesmo dia, em contato com a Funasa, a Condsef apurou que o órgão vai fazer uma retificação da nota técnica que foi enviada ano passado – que, na ocasião, orientou os descontos indevidos. Além disso, a Funasa vai enviar para as Coordenações um Aviso Circular, orientando os setores de pagamento a fazer o levantamento de quais servidores foram atingidos por essa situação, para que se possa devolver o que foi descontado indevidamente, por ocasião destes terem concorrido as Eleições Municipais em 2008.

Fonte: Sintsep-GO com informações da Condsef

VEJA MAIS

gt agu esboco de relatorio final sera apresentado dia 23 de abril

.

A Condsef foi ao Ministério do Planejamento na quarta-feira (25) acompanhada de representantes dos servidores administrativos da Advocacia-Geral da União (AGU). A reunião marcou mais uma etapa do grupo de trabalho (GT) que discute a reestruturação de carreira da categoria. Está prevista para o dia 23 de abril a apresentação de um esboço do relatório final do GT. Hoje, o Planejamento apresentou análise de nota técnica feita pela Condsef. Nenhuma divergência foi apontada, mas o Planejamento destacou a necessidade de entender melhor a proposta de matriz remuneratória sugerida. Para isso, itens como elementos de capacitação e qualificação de postos devem ser mais detalhados. Sobre vantagens individuais adquiridas, o Planejamento reafirmou que entende a necessidade de manter esses direitos no esboço da proposta que deve ser apresentado dia 23 de abril.

Diante da diversidade de cargos que trazem características dos planos (PST, PGPE, CSST, PCC e PCCTAE) de onde vieram servidores que trabalham hoje na AGU foi sugerido tratamento conjunto dos cargos. Dessa forma seria possível trabalhar melhor a racionalização dos cargos e criar uma estrutura própria da AGU.

O Planejamento deu ainda resposta a itens de um ofício encaminhado pela Condsef cobrando solução de problemas que envolvem enquadramento no PCCTAE e o pagamento de gratificação no valor de 100 pontos. O governo está pagando 80 pontos na chamada GDAA. Gestores da Secretaria de Recursos Humanos (SRH) confirmaram que o pagamento deverá se adequar ao disposto na lei 11907/2009. Entre os meses de julho e dezembro do ano passado, considerando avaliação do ciclo de janeiro a junho, os servidores foram avaliados em 100 pontos.

Enquadramento
O enquadramento no PCCTAE ainda não foi efetivado. Sobre a situação, os gestores da SRH reafirmaram que o enquadramento foi automático. Ao descobrirem que nada foi executado os gestores deram início a uma apuração para verificar o que ocorreu e assim dar solução ao caso.

A idéia inicial é que o processo de enquadramento seja preliminarmente realizado pela própria SRH. Para a segunda etapa do enquadramento, a Condsef solicitou que uma comissão mista seja criada dentro da AGU. A esta comissão caberia executar o processo de enquadramento de seus servidores.

A Condsef aguarda para esta quinta-feira, 26, resposta oficial sobre a situação de enquadramento dos servidores da AGU. A entidade continua acompanhando a situação da categoria e cobrando atendimento de suas principais demandas.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

26 de marco dia de protesto em frente as gerencias estaduais da geap

.

Nesta quinta-feira, 26, a Condsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal) convoca suas filiadas em todo o Brasil a realizar atividades de pressão em frente à sede da Geap nos estados. O objetivo é defender um atendimento digno à saúde aos mais de 700 mil assistidos do plano, entre servidores e seus familiares. A Condsef esteve reunida com a diretoria executiva e presidência do Conselho Deliberativo da Geap. Na oportunidade, foi cobrada a suspensão imediata da decisão do Conselho Deliberativo (Condel) da Geap que aplicou mudanças na forma de calcular as mensalidades do plano. As entidades filiadas devem entrar com ações judiciais contra essa decisão. A Condsef solicitou ainda a extinção do pagamento da co-participação nos serviços oferecidos pela Geap, bem como a participação das entidades sindicais nacionais em todas as reuniões do Condel e Consult (Conselho Consultivo).

Os representantes da direção da Geap apresentaram preocupação com a alta inadimplência dos sócios. A maior parcela da co-participação a dever é de beneficiários com famílias com mais de três dependentes. Esse número representa em torno de 12% dos 700 mil assistidos. Uma das razões apontadas para isso está na margem consignável, insuficiente para garantir ao servidor e seus familiares um atendimento amplo e digno da saúde. A Geap ainda apontou dificuldades em receber parte da receita que no ano passado alcançou a cifra de R$80 milhões por Estado e patrocinador.

Geap deve garantir cobertura ampla
Segundo representantes do plano, o mau uso pelos sócios com inúmeros dependentes influencia no déficit financeiro altíssimo atingido pela Geap. Como exemplo, a direção da Geap apontou sócios que fazem uso do plano para tratar pequenos cortes, problemas que poderiam ser solucionados em ambulatório. Para a Condsef, é importante que o plano de saúde dê cobertura ampla a seus assistidos em qualquer hipótese, seja um problema grave ou corriqueiro de saúde.

Dados de inadimplência foram apresentados. Atualmente, no Serasa, há um montante no valor de mais de R$ 32,6 milhões a ser pago e que deve ir para cobrança judicial, antes da prescrição dos cinco anos previstos em lei. Há a possibilidade de que a Geap sofra intervenção da Agência Nacional de Saúde (ANS) se não resolver problemas com gastos financeiros.

Diante do quadro, serão solicitados às superintendências estaduais da Geap todos os dados referentes à inadimplência dos servidores e, principalmente, das patrocinadoras do plano. Todas as entidades filiadas à Condsef e também filiadas à CNTSS, Fenadados e Fasubra, além de dirigentes estaduais do Sinagências em todos os estados devem se articular permanentemente sobre questões envolvendo a Geap e o interesse de seus assistidos.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

filiadas a condsef tem ate sexta para ingressar em acao contra imposto sind

.

A Direção Executiva da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) ampliou para até sexta-feira (27), o prazo para que suas filiadas enviem documentação necessária para ingresso de ação contra o imposto sindical. Até agora, além do Sintsep-GO, integram a ação os sindicatos gerais do Ceará, Espírito Santo, Bahia, Distrito Federal, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Roraima. Cada filiada deve encaminhar à Condsef fotocópia autenticada do estatuto do sindicato; da ata de posse da atual diretoria; do cartão do CNPJ da entidade; e do registro sindical junto ao Ministério do Trabalho e Emprego, além da procuração. Clique aqui e Veja detalhes no Informe Jurídico nº 23. Com a ação, a Condsef espera impedir a aplicação da Instrução Normativa nº 1, editada em setembro do ano passado pelo ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi.

O imposto implica na cobrança de um dia de trabalho por ano a todo trabalhador, sindicalizado ou não. Desde o ano passado Condsef, suas filiadas e também a Central Única dos Trabalhadores (CUT) vêm impulsionando a luta contra o imposto.

Organização livre
A Confederação considera a cobrança de imposto sindical uma intromissão do Estado na forma de organização dos trabalhadores. Há quase duas décadas os sindicatos filiados à Condsef conduzem a luta dos trabalhadores do setor público com a contribuição financeira de seus filiados. A entidade defende a organização livre onde os sindicatos são construídos pelos próprios trabalhadores.

Para o diretor da Secretaria de Assuntos Jurídicos, Parlamentares e de Classe da Condsef, Edison Cardoni, esse é um momento importante para unir forças e derrotar de vez o imposto sindical. “Essa ação coletiva é parte de nossa iniciativa política para avançar na luta contra toda ingerência do Estado na vida dos sindicatos e em defesa da liberdade sindical”, disse Cardoni, referindo-se ao direito dos trabalhadores que consta na Convenção 87 da OIT (Organização Internacional do Trabalho).

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

sintsep go ingressa com acao de cobranca contra a uniao e o dnit

.

Sindicato quer fazer justiça a aposentados e pensionistas do antigo DNER que, com a edição da Lei nº 10.233 de 05/06/01, foram incorporados ao Ministério dos Transportes, ao contrário dos ativos que, na época, migraram para o DNIT

O Sintsep-GO ingressou com ação de cobrança contra a UNIÃO e o DNIT. O fato se deve à edição da Lei nº 11.171, de 02 de setembro de 2005 – que criou as carreiras e o Plano Especial de Cargos do DNIT – e trouxe sérios prejuízos aos aposentados e pensionistas do extinto DNER.

Com isso, os servidores aposentados do DNER foram injustamente inseridos em quadro vinculado ao Ministério dos Transportes, por força de previsão inscrita no artigo 117 da Lei nº 10.233 de 05/06/01. Já os servidores que não ostentavam tempo suficiente para se aposentar permaneceram no DNER e, depois, com a edição da mesma Lei nº 10.233/01, migraram para a nova autarquia de nome DNIT.

A manobra legislativa, engendrada por meio de proposta do Executivo, criou uma situação desigual na qual os servidores aposentados do DNER recebem parcos proventos e os servidores na atividade do DNER, que na sua totalidade migraram para o DNIT, percebem remunerações francamente mais elevadas.

A despeito dessa discriminação, a lesão ao direito dos servidores aposentados e/ou pensionistas foi ampliada com a edição da Lei nº 11.171/2005, que trouxe reajuste remuneratório para os antigos servidores que estavam lotados no extinto DNER, hoje no DNIT. Sob a alegação de que os aposentados do DNER não são integrados ao DNIT, eles nada receberam de reajuste.

Registre-se ainda que os servidores do DNIT – que vierem a completar o tempo de serviço para a aposentadoria – permanecerão nos quadros de inativos do mesmo DNIT. Em respeito ao princípio de isonomia de tratamento, os aposentados do antigo DNER têm o direito de permanecerem regidos pelas mesmas condições que os ativos do DNER que migraram para o recém criado DNIT – este é o entendimento do Sintsep-GO. Também é o entendimento do TRF da Primeira região e, em casos análogos, tem sido também o entendimento do STF.

Assim como está evidente a manobra governamental para inibir o impacto do reajuste nos proventos e pensões dos servidores inativos do extinto DNER, faz-se necessário a busca da intervenção judicial para que se faça jus em, toda a sua extensão, ao reajuste trazido pela Lei nº 11.171/05, em absoluta paridade com os servidores ativos.

O reajuste dos proventos e pensões deve beneficiar não apenas os aposentados e os pensionistas do DNIT, mas também os inativos e pensionistas do antigo DNER, cujos atos de aposentadoria ocorreram antes de sua sucessão pelo DNIT, sob pena de expressa afronta aos direitos previstos e resguardados pela Constituição Brasileira.

Fonte: Sintsep-GO

VEJA MAIS

plenaria aponta novas manifestacoes em defesa dos servidores

.

Reunidos em Brasília na quinta-feira (19), para a Plenária Nacional da Condsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal), representantes de Goiás e mais 23 estados discutiram a agenda de mobilização dos servidores públicos federais para o próximo trimestre. As entidades fizeram um balanço positivo das atividades unificadas dos dias 17 e 18 – que defenderam a paridade, a reestruturação da Funasa, e promoveram o lançamento da Campanha Salarial 2009.

Os servidores se preparam agora para voltar à Esplanada para nova rodada de atividades programada para a primeira quinzena de junho. O objetivo é manter a categoria mobilizada ao longo dos próximos meses. A Condsef segue acompanhando de perto o comportamento das receitas orçamentárias destinadas aos reajustes assumidos pelo governo com mais de 1,8 milhão de servidores. Até agora, o governo tem dito que vai manter os compromissos e prazos assegurados em Lei.

Para garantir que não pagarão a conta se a crise exigir novas mudanças no cenário econômico, todas as filiadas à Condsef voltam para seus estados com a tarefa de ampliar a organização dos servidores em torno do eixo de lutas aprovado. Para isso, as mobilizações serão mantidas e rodadas de assembléias realizadas até o dia 15 de maio em todo o Brasil. Nas assembléias, os servidores devem discutir um indicativo de greve para junho. Todos os esforços serão feitos para manter todos prontos a defender a pauta de reivindicações da base da Condsef, que abrange 80% dos servidores do Executivo Federal.

No dia 16 de maio, uma nova Plenária Nacional acontece em Brasília para definir novas ações estratégicas da categoria, avaliar o novo cenário político e econômico e reforçar a defesa pelo eixo da Campanha Salarial 2009. O cumprimento dos acordos está entre as prioridades. A instalação dos grupos de trabalho (GTs) para discutir reestruturação de carreira em diversos setores e defesa da paridade também são destaques.

Contra desmonte de órgãos públicos
Nos próximos meses a Condsef deve promover também um seminário nacional sobre o desmonte dos órgãos públicos. O tema interessa cada vez mais aos servidores já que a intenção do governo é acelerar a aprovação do Projeto de Lei (PL) 92 que propõe a criação de Fundações Estatais de Direito Privado que podem acelerar o processo de desmonte dos órgãos. Nesta sexta-feira, no Jornal de Brasília, uma nota informa que quatro ministros (Educação, Turismo, Cultura e Saúde) fizeram visita ao presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, pedindo agilidade na aprovação do PL.

Caso queiram ver esse projeto derrubado, os servidores devem ampliar a luta e trabalho parlamentar em busca de aliados políticos que defendam o fortalecimento dos serviços públicos. A Condsef vai recorrer à Frente Parlamentar em Defesa dos Serviços Públicos para ver o que pode ser feito em defesa dos interesses da categoria no Congresso e impedir mais esse ataque aos servidores e aos serviços públicos brasileiros.

Condsef participa de unidade histórica
No dia 30 de março, Condsef e suas filiadas somam forças às atividades que vão reunir CUT, Força Sindical, CGTB, CTB, NCST, UGT, Intersindical, Conlutas, MST, UNE, UBES, Marcha Mundial de Mulheres, representações do movimento negro e comunitário, entre outras entidades do movimento civil organizado, num ato histórico em defesa dos trabalhadores da iniciativa pública e privada.

Para dar força ao movimento, a Condsef aprovou ainda a realização de uma campanha que vai coletar abaixo-assinados pelo Brasil exigindo do governo Lula a publicação de uma medida provisória contra demissões.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

de olho no calendario servidores contam com reajuste em julho

.

Na quinta-feira (19), em coletiva à imprensa, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse que o governo vai manter os reajustes de mais de um milhão de servidores públicos nos prazos negociados e já convertidos em Lei, apesar da redução de R$ 21,6 bilhões no orçamento. Segundo o ministro, a decisão do governo sobre manter os prazos só mudará caso haja alterações dramáticas na arrecadação. Com a ressalva, o governo coloca os servidores atentos ao calendário. Diversas categorias aguardam para julho deste ano mais uma parcela dos reajustes escalonados até 2010. O objetivo continua sendo defender a manutenção dos prazos negociados e cumprimento de todos os acordos. A mesma garantia de que o governo pretende cumprir os prazos negociados com os servidores foi dada na noite de quarta (18) quando o ministro Paulo Bernardo recebeu entidades que representam um número expressivo de servidores, entre elas a Condsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal).

Os servidores, que deram prova de sua mobilização esta semana com duas grandes marchas na Esplanada dos Ministérios, prometem redobrar esforços para lutar por seus direitos e defender o que foi assegurado pelo governo. A unidade, conquistada nessas atividades, deve ser ampliada e será fundamental para aumentar o poder de força dos trabalhadores.

Benefícios
Questionado sobre a disposição do governo em negociar revisões nos auxílios-alimentação, creche, plano de carreira e outros benefícios, o ministro deixou claro que o governo não trabalha com a possibilidade de assegurar orçamento para novos acordos em 2009.

Paulo Bernardo disse que apenas pequenas demandas que não envolvam grande impacto orçamentário poderão ser atendidas. Mas antes será preciso conversar. Para isso, a Condsef busca a abertura de agenda para negociar reajuste nos benefícios e levantar outras demandas que fazem parte da Campanha Salarial 2009.

A instalação imediata dos grupos de trabalho (GTs) que vão discutir reestruturação de carreira em diversos setores é outro ponto que vem sendo cobrado pela Condsef. De acordo com a Secretaria de Recursos Humanos (SRH), Portarias com instalação de todos os GTs devem ser publicadas durante o mês de abril.

Trabalho parlamentar
A Condsef aproveitou a presença da deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) na audiência com o ministro e solicitou uma reunião para tratar da extensa pauta de interesse dos servidores que tramita no Congresso Nacional. A deputada assumiu recentemente o comando da Frente Parlamentar em Defesa dos Servidores Públicos. O encontro deve acontecer nesta próxima semana.

No cenário atual, onde a situação econômica é instável e várias decisões do governo podem prejudicar os servidores de sua base, a Condsef permanece atenta. A entidade trabalha em todas as frentes, negociando com o governo, buscando apoiadores no Congresso e, principalmente, organizando os servidores públicos para que todos estejam prontos a lutar por seus interesses.

Fonte: Sintsep-GO com Condsef

VEJA MAIS

campanha salarial leva 4 mil a esplanada e faz planejamento receber entidades



.

Dando continuidade à série de atividades programadas para esta semana em Brasília, nesta quarta-feira (18), os servidores públicos federais marcaram o lançamento de sua Campanha Salarial com uma grande marcha na Esplanada dos Ministérios. A atividade, segundo estimativa das entidades que organizaram o evento, levou cerca de quatro mil servidores até a porta do Ministério do Planejamento. Lá, os trabalhadores deram início a uma vigília para que representantes da CONDSEF, ANDES, FENASPS, ASSIBGE, CNTSS, FENAJUFE, SINASEFE, CUT, CONLUTAS e INTERSINDICAL fossem recebidos pelo ministro Paulo Bernardo.

Ainda pela manhã, o ministro informou que não havia agenda disponível para receber as entidades. Entretanto, o secretário de Recursos Humanos, Duvanier Ferreira, foi acionado pelo ministro e ouviu as reivindicações dos servidores. Ele afirmou que não existe nenhuma decisão do governo em não cumprir com os acordos firmados.

A diretora da Central Única dos Trabalhadores, Lúcia Reis, destacou os objetivos das manifestações realizadas nos dias 17 e 18, lembrando que o número expressivo de servidores deu o tom da disposição de luta da categoria. Força que não pode ser menosprezada pelo governo. O diretor do ANDES-SN, Fernando Pires, apresentou breve relato de como foi construído o eixo unificado de luta desta Campanha Salarial 2009. A unidade dos servidores, inclusive, é outro fator que fortalece a luta pelo atendimento da pauta de reivindicações da categoria. Além da manutenção dos reajustes, a pauta inclui reajuste nos benefícios (contrapartida dos planos de saúde e auxílios alimentação e creche), garantia da paridade entre ativos e aposentados e correção das distorções salariais.

Representantes da Condsef apresentaram ofício assinado por todas as entidades e destacaram, ponto a ponto, os eixos da Campanha Salarial 2009. Diante das demandas, Duvanier Paiva afirmou que o espaço de negociação com o governo está aberto e é permanente. Disse ainda que entre as prioridades do governo está institucionalizar a negociação coletiva na administração pública.

GT´s e benefícios
Sobre os grupos de trabalho (GT) negociados com diversos setores, Duvanier informou que as Portarias para instalar todos os GT´s serão publicadas em abril. Já o reajuste nos benefícios do Executivo, Duvanier usou de cautela dizendo que o governo estuda a situação, mas nada tem de definido sobre o assunto.

A pauta apresentada será analisada pelo governo que em seguida deve voltar a fazer contato com as entidades que participam do movimento unificado em favor dos servidores. No final do dia, o ministro Paulo Bernardo recebeu entidades que têm acordos assinados com o governo.

Sintsep-GO e Condsef seguem negociando e cobrando do governo atendimento das demandas mais urgentes dos servidores de sua base. Nesta quinta-feira (19), a entidade de Goiás participa da Plenária Nacional da Condsef, na qual faz balanço das manifestações realizadas na Esplanada e define eixo de lutas para o próximo trimestre.

Fonte: Sintsep/GO com Condsef

VEJA MAIS